...

...

31/07/2013

LARGO DO CONDE BARÃO 47

 Janeiro 2012

 Julho 2013

29/07/2013

BBC: «Portuguese culture feels the pinch as arts budget slashed»



Na BBC: Portuguese culture feels the pinch as arts budget slashed
 
"We have to survive so we are looking everywhere - except towards our government which doesn't help us."
Portugal does not have a strong tradition of private cultural philanthropy, nor does it have many private foundations dedicated to supporting the arts.
 
With state funding halved, many theatres, operas, galleries have been left in a precarious state and cultural historian and former Culture Secretary Rui Vieira Nery wonders how they will recover.
"The cuts will have a tragic affect on all aspects of Portuguese cultural life," he argues.
"Remember that in Portugal we don't have sound cultural institutions - ours are rather recent and haven't been established deeply enough to survive these brutal cuts."
He goes on to remind me that for much of the 20th Century Portugal was stifled under a right-wing dictatorship, and when it emerged after a bloodless coup in 1974, more than 40% of the Portuguese people were illiterate.
"We've spent so much money in the last 25 years on developing the arts scene in Portugal, and now we have architects, artists, film directors and writers who are all internationally acclaimed.
"It's just such a terrible waste."
 
(...)
 
 
Foto: Palácio Nacional da Ajuda, sede do defunto Ministério da Cultura...

LARGO DR. JOSÉ DE FIGUEIREDO: é o vale tudo!











Imagens enviadas por cidadãos bem identificados. A fonte pombalina (mais uma sem água, abandonada!) é Monumento Nacional e todo o largo está protegido no PDM assim como pela ZEP do Museu Nacional de Arte Antiga. Um verdadeiro catálogo dos problemas no espaço público lisboeta! A CML já foi alertada (parece que tem vindo a ser alertada para estes problemas desde o ano 2002 mas sem qualquer efeito prático).

28/07/2013

PRAÇA DA FIGUEIRA: UMA LIXEIRA NACIONAL?





No passado mês, mais precisamente no último fim de semana, a placa central da Praça da Figueira ficou neste estado após o encerramento da "Feira de Produtos Nacionais". So na noite de 4 para 5 é que a CML fez a lavagem do pavimento (não sem primeiro o FCLX ter protestado pela falta de coordenação entre departamentos camarários). Será que vamos assistir ao mesmo problema neste fim de semana de feira? Infelizmente a nossa experiência diz que sim...  

27/07/2013

Plano de Acessibilidade Pedonal


O Plano de Acessibilidade Pedonal tem por missão definir a melhor estratégia para a Câmara Municipal promover a acessibilidade em Lisboa até ao final de 2017.

Tem 5 áreas operacionais (Via Pública, Equipamentos Municipais, Fiscalização de Particulares, Articulação com a Rede de Transporte Público, Desafios Transversais).

Selecciona questões prioritárias, faz um diagnóstico, e define orientações e acções. As acções não esgotam as necessidades -- são definidas com base no seu impacto estratégico.

São abordados vários problemas que ao longo dos anos têm vindo a ser tratados no Cidadania Lx (o estado dos passeios, o estacionamento ilegal, etc.).

O Plano vai agora entrar numa fase de discussão pública.

Os documentos estão disponíveis para consulta e download aqui.

[Nota: devo esclarecer que não pretendo com este texto fazer "propaganda" mas apenas estimular a participação num processo de discussão pública que é importante para a cidade]

Grafitti em Lisboa: novas tendências (4)

Parede E calçada (Santos)

22/07/2013

Passeios abandonados... às plantas



Imagens enviadas por uma munícipe. Rua de Rafael de Andrade (Colina de Sant'Ana).

21/07/2013

PLANETA EMEL: Rua da Saudade



Imagens tiradas dentro da zona de "gestão" da EMEL. É assim desde o início da actividade da EMEL na Colina do Castelo. Fiscalização? Quase nula como se constata.

19/07/2013

Recolha insuficiente de resíduos/lixo no centro da cidade


Exmo. Sr. Presidente da CML
Dr. António Costa
Exmo. Sr Vereador da Higiene Urbana
Dr. José Sá Fernandes


Cc. AML, Media
Junto se enviar conjunto de fotos que documentam o caos e a insuficiência dos serviços da CML na recolha do lixo no centro da cidade. As fotos ilustram a preocupante situação das papeleiras a transbordarem de lixo em zonas tão centrais e turísticas como o Castelo, a Baixa, o Chiado, o Príncipe Real e a Estrela e Campo de Ourique.

Lembramos que foi há exactamente um ano que fizemos igual reclamação, e que procurámos contribuir para uma resolução do problema, expondo as nossas sugestões em documento disponível em http://cidadanialxamb.tripod.com/23Out212higiene.pdf, sem que até ao momento a CML tivesse sequer acusado a sua recepção.

É lamentável assistirmos à inacção da CML, que espera, quiçá, pela novas atribuições que as Juntas de Freguesia passarão a ter já desde Setembro.

Mais lamentável é que isto aconteça nos meses de Verão, em que Lisboa é mais procurada pelos turistas.

Melhores cumprimentos


Paulo Ferrero, Fernando Jorge, Nuno Caiado, Bernardo Ferreira de Carvalho e Júlio Amorim

Ainda sobre os loteamentos previstos para os 4 ex-Hospitais Civis de Lisboa:


Ter em consideração doravante a documentação online do site da CML, em

http://www.cm-lisboa.pt/viver/urbanismo/licenciamento.

Fios de operadores de comunicações e Património / Protesto


Exmo. Sr. Presidente da CML
Dr. António Costa,
Exma. Sra. Presidente da ANACOM
Dra. Maria de Fátima Henriques da Silva Barros Bertoldi


C.C. AML, DGPC, Vereador do Urbanismo

No decurso do mês de Maio deste ano, o Provedor de Justiça emitiu uma recomendação a propósito da acumulação de cabos no exterior dos edifícios. A situação está aparentemente fora de controlo em Lisboa (ver exemplos em anexo), tendo sido esta recomendação gerada a partir de uma queixa de um proprietário que tencionando fazer obras no prédio se viu impedido de remover os cabos, mesmo sem ter consentido previamente na sua instalação.

Actualmente, nem a CML nem a Autoridade Nacional de Comunicações fiscalizam a instalação destas cablagens e faltam regulamentos municipais que determinem a instalação de calhas ou a remoção de cabos não utilizados, com graves efeitos na estética urbana, na liberdade dos proprietários de manterem os seus próprios edifícios; tudo isto perante uma atitude de ostensiva prepotência e autismo por parte dos operadores de comunicações.

Requeremos assim:

1. Que a CML elabore um regulamento municipal que force os operadores a removerem as cablagens abandonadas e que a Polícia Municipal acautele o cumprimento do mesmo.
2. Que a ANC fiscalize a instalação destas cablagens, assegurando que apenas são usadas as quantidades mínimas de cabos e que estes sejam sempre cobertos por calhas técnicas.
3. Que seja possível instalar estas cablagens exteriores apenas mediante a aprovação do proprietário do imóvel ou do condomínio do mesmo.
4. Apelamos ainda à CML que analise as Melhores Práticas aplicadas em cidades europeias por forma a melhor poder desenvolver uma abordagem integrada a esta questão, eventualmente, via enterramento das cablagens
.

O Provedor de Justiça já se pronunciou quanto a esta situação (http://www.provedor-jus.pt/?idc=35&idi=15229 e http://www.provedor-jus.pt/?idc=68&idi=15235), apelando a que as entidades envolvidas (CML e ANC) tivessem uma postura mais actuante, o que ainda não aconteceu.

Na expectativa, subscrevemo-nos com os melhores cumprimentos

Paulo Ferrero, Rui Martins, Fernando Jorge, Bernardo Ferreira de Carvalho, João Mineiro, Bruno Rocha Ferreira, Paulo Lopes, João Oliveira Leonardo, Jorge D. Lopes, Mónica Albuquerque, Nuno Caiado, Jorge Pinto, Virgílio Marques, Júlio Amorim, Luís Marques da Silva, José Filipe Toga Soares, José Morais Arnaud, Miguel Sepúlveda Velloso e Paulo Dias Figueiredo

Livraria Sá da Costa fecha no ano do centenário


In Público Online (18/7/2013)
Por Inês Boaventura

«A assembleia de credores realizada na passada segunda-feira não aprovou o plano de viabilização da empresa.


A Livraria Sá da Costa, em Lisboa, foi declarada insolvente pelo Tribunal de Comércio de Lisboa e deverá fechar as portas nos próximos dias, pouco mais de um mês depois de ter comemorado o centésimo aniversário.

Segundo fonte do tribunal citada pela Lusa, a assembleia de credores realizada na passada segunda-feira não aprovou o plano de viabilização da empresa, que tinha sido apresentado no dia 2 de Julho, pelo que foi decretada a liquidação total. Essa liquidação concretizar-se-á com a venda de todo o património da Sá da Costa, para pagamento aos credores, e com a extinção da empresa.

Para sábado às 21h está marcado aquele que poderá ser o derradeiro acto da livraria situada na Rua Garrett, no Chiado: o lançamento do “Manifesto contra o desastroso encerramento das livrarias da Cidade de Lisboa no centenário da Livraria Sá da Costa”. O evento está a ser divulgado no Facebook e ao fim da tarde de ontem já mais de 800 pessoas tinham confirmado a sua presença....»

18/07/2013

Comunicado pelo fecho anunciado da Livraria Sá da Costa (Chiado)



É com profundo pesar que constatamos o anúncio do encerramento definitivo da Livraria Sá da Costa, na Rua Garrett, uma das últimas livrarias históricas de Lisboa, pese embora tal facto fosse previsível desde há já algum tempo, fosse pela escassez de livros à venda, fosse pela fraca visibilidade em termos de edição e reedição dos seus clássicos de antanho.

Mais uma vez se constata, também, a total inoperância da política de urbanismo comercial por parte da CML, ao não prevenir as situações nem tão pouco demonstrar interesse em as remediar, seja no centro cultural da cidade que é o Chiado, seja em qualquer outro caso em que se estejamos perante comércio de carácter e tradição.

Esperamos que ao contrário do que aconteceu recentemente na Livraria Portugal (Rua do Carmo), em que os interiores do 1º andar foram completamente adulterados perdendo-se a totalidade da sua decoração; e na Livraria Diário de Notícias (Rossio), em que os letreiros de Cristino da Silva foram selvaticamente retirados da fachada; desta vez a CML pugne pela preservação, ao menos, das montras e do lettering das fachadas bem como dos candeeiros do tecto da primeira sala (fotos em anexo, retiradas da Net).


Paulo Ferrero, Bernardo Ferreira de Carvalho e Fernando Jorge

O FAMOSO MUSEU DE LAUSANNE, "COLLECTION DE L'ART BRUT" SUBSCREVE A CANDIDATURA DE CLASSIFICAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO HOSPITAL MIGUEL BOMBARDA !!


A "Collection de L'Art Brut", através da directora Sarah Lombardi (curadores visitaram há anos o Hospital e conhecem a colecção de arte, que consideram de alto nível europeu) junta-se às entidades e aos historiadores portugueses subscritores da Candidatura, com carácter de urgência, que aguarda decisão desde Março na Secretaria de Estado da Cultura/DGPC.

Um importantíssimo apoio internacional, do Museu fundado em 1976 por Jean Dubuffet, o criador do conceito de art brut - arte outsider, atualmente com 60.000 obras de 400 autores, o melhor e maior do mundo, e a referência máxima nesta categoria de arte.

Na carta, também é manifestado TODO O APOIO AO MUSEU DE SÍTIO alargado, proposto para o Hospital, dedicado à Arte de Doentes e Outsider, e às Neurociências, COM INTERCÂMBIO, como exposições temporárias, o que constituirá importantíssimo factor de prestígio para a museologia, artes plásticas e cultura em Portugal.