...

...

29/05/2015

LISBOA ENTRE SÉCULOS: «Há reabilitação em Lx?»
















Qual é estado actual da reabilitação em Lisboa? Porque é um erro destruír sem critério os interiores dos nossos edifícios construídos entre o final do séc. XIX e o início do séc. XX? Estas são algumas das reflexões que faremos na conferência "Lisboa entre Séculos" já neste sábado, 30 de Maio com início às 9:30 na bela Sala dos Actos da antiga Escola Médica ao Campo dos Mártires da Pátria. Entrada Livre.

PRESS RELEASE “E-24 – serviço público e turístico” – INAUGURAÇÃO DO “TRAM TOUR-CARRIS” (CAMÕES-PRÍNCIPE REAL)


LISBOA ENTRE SÉCULOS: A Casa na Rua da Alegria


Como uma casa no Porto construída em 1913 - que estava suja, degradada e abandonada - teve os seus interiores originais reabilitados em vez de destruídos. É um dos estudos de caso, e de boas práticas, a apresentar já neste sábado, 30 de Maio com início às 9:30 na bela Sala dos Actos da antiga Escola Médica ao Campo dos Mártires da Pátria. Entrada Livre.

LISBOA ENTRE SÉCULOS: Prédio nas Avenidas Novas

Um corrente prédio de 1917, "gaioleiro", cujas estruturas originais de madeira e ferro foram reabilitadas e reforçadas em vez de destruídas. É um dos estudos de caso, e de boas práticas, a apresentar já neste sábado, 30 de Maio com início às 9:30 na bela Sala dos Actos da antiga Escola Médica ao Campo dos Mártires da Pátria. Entrada Livre.

É o 24 que está a passar? Não, é um elétrico de cortiça só para turistas


In Observador (29.5.2015)
Por João de Almeida Dias

...

Filme da 1ª viagem do "eléctrico de cortiça": Filme da 1ª viagem do "eléctrico de cortiça": http://observador.pt/2015/05/29/e-o-24-que-esta-a-passar-nao-e-um-eletrico-de-cortica-so-para-turistas/

Programa da 2ª Conferência LES, do próximo Sábado, às 9h30:


E aqui fica o

LIVRETE

desta edição:

LISBOA ENTRE SÉCULOS: A Casa Verde

Um pequeno e simples prédio de 1888, reabilitado com apenas 15 mil euros em Alcântara, Lisboa. É um dos estudos de caso, e de boas práticas, a apresentar já neste sábado, 30 de Maio com início às 9:30 na bela Sala dos Actos da antiga Escola Médica ao Campo dos Mártires da Pátria. Entrada Livre.

O NOVO MUSEU DOS COCHES, ALGUMAS CONSIDERAÇÕES


Finalmente assistimos à abertura ao público do novo museu dos coches, em Lisboa. Para além do edifício do museu propriamente dito, a cidade ganhou mais uma praça para usufruto das populações. É sobre esta praça e o ambiente que a envolve que queremos tecer dois comentários:

O primeiro, prende-se com a ausência de árvores e bancos, elementos fundamentais para tornar o ambiente da citada praça mais aprazível. De facto, é notória a ausência de árvores de alinhamento no passeio que acompanha a rua e onde já existiram, tendo sido retiradas quando das obras de edificação do museu.

Também, na praça, não existem árvores nem bancos junto aos candeeiros, o que permitiria que os visitantes pudessem usufruir momentos de descanso, à sombra.

Somente os automóveis têm direito à sombra das árvores no parque de estacionamento.

Esperemos que esta situação possa ainda vir a ser remediada.

O segundo, revela a antítese do primeiro, com o arranjo equilibrado dos recantos pitorescos e de grande beleza estética que rematam a obra agora conseguida.


João Pinto Soares

Era aqui a BARBEARIA CAMPOS no Largo do Chiado!

Totalmente destruída (excepto o mobiliário) para mais tarde ser recriada! Os grandes equívocos de Lisboa na área da reabilitação!

LISBOA ENTRE SÉCULOS: A Casa do Jardim











Um prédio de 1905, reabilitado com respeito e sensibilidade no bairro da Graça em Lisboa. É um dos estudos de caso de boas práticas a apresentar já neste sábado, 30 de Maio com início às 9:30 na bela Sala dos Actos da antiga Escola Médica ao Campo dos Mártires da Pátria. Entrada livre.

ANOTHER EMPTY TRAM TOUR IN LISBON BY CARRIS?




Este novo serviço de eléctricos clássicos - TRAM TOUR - da Carris Tour e iniciado há mais de 1 ano, é um verdadeiro fracasso; os electricos andam a maior parte do tempo a passearem a cidade histórica vazios ou na melhor das hipóteses com uma mão cheia de turistas. Enquanto isso, o electrico 28 continua num stress crescente (prevemos o pior para o verão de 2015!). É bom recordar que a Carris Tour justificou o lançamento desta nova linha turistica como forma de aliviar a pressão insustentável sobre o 28 - mas não resultou. claramente. Pois não se percebe que depois deste fracasso a mesma empresa tenha hoje iniciado outro serviço idêntico na antiga linha do Eléctrico 24! E como esta decisão revela bem o modo como a empresa olha para nós lisboetas e a nossa relação com os electricos clássicos. Depois de mais de 1 década de promessas, protestos, e pedidos para a reactivação do 24, a Carris faz agora isto, uma acção de verdadeira discriminação dos lisboetas. Está na altura da CML tomar uma atitude, vir a público e esclarecer os lisboetas se vamos ou não poder circular no 24 como transporte público para TODOS, turistas e lisboetas incluídos.