Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

21/03/2018

Souto Moura e o projecto para a Praça das Flores

Por Miguel de Sepúlveda Velloso
In Público Online (21.3.2018)


Há arquitectos “via rápida”. A mera menção do seu nome deve obrigar os céus e a terra a vergar o joelho e a baixar os olhos. E Eduardo Souto de Moura conta-se entre eles. Arquitecto cujos méritos nunca ninguém discute e que raramente vê os seus projectos contestados. Quando tal acontece, o senhor Pritzker acha que as queixas são infundadas e que o simples mortal não vê o que está em jogo, a qualidade, a inovação, o rasgo da obra proposta.

Vem isto a propósito da recente retoma dos trabalhos para a construção do enfadonho projecto para a Praça das Flores, em Lisboa. Num colóquio havido no Mosteiro da Batalha sob o título “Confronto com a Herança – A arquitectura contemporânea portuguesa e a sua relação com o património construído”, onde se pretendia debater o apelo da arquitectura dita contemporânea e a herança patrimonial, as pré-existências, o nosso segundo Pritzker foi um dos convidados, tendo sido moderador o arquitecto Manuel Graça Dias. Contava-se, ainda, entre os ilustres, a directora da DGPC, Paula Silva, também ela arquitecta.

O projecto trazido por Eduardo Souto de Moura, a pedido dos organizadores, foi precisamente o da Praça das Flores, que irá substituir uma casa típica da Lisboa popular — dois andares, janelas de cantaria, varandas e uma água-furtada — por um prédio com uma linguagem ultra contemporânea, com uma “fachada-retaguarda” que o arquitecto criou para celebrar o jardim no tardoz do edifício, espaço que o autor considera que deve privilegiar em detrimento de uma fachada que abra para a rua, ou seja, para a vida da cidade. De casas-fortaleza, espelhadas, de vidro, de betão, já Lisboa tem a sua quota-parte, sendo a casa da Rua de São Bernardo projectada pelos arquitectos Aires Mateus uma peça a não perder para se perceber até onde vai a escolha de murar o espaço urbano.

De uma cidade orgânica em que há uma comunicação, mesmo que ténue entre a rua e o edificado, estes arquitectos defendem um corte, um muro cego absolutamente hostil ao espaço circundante.

Souto de Moura e, para o caso, Graça Dias, afirmam que o projecto em causa deve ser construído uma vez que a Praça das Flores é um lugar corriqueiro, cujo único aspecto digno de nota é o maciço arbóreo. Tudo o resto são construções banais, populares, comezinhas que ousam ombrear com a obra-prima que o arquitecto Pritzker projectou para aquele lugar. Manuel Graça Dias acha até que esse corte com a tipologia de uma praça como a das Flores será uma mais-valia, a única peça digna num tecido de baixo nível, portanto, descartável.

Para sublinhar essa ideia, verdadeiro ovo de Colombo para justificar a construção de uma peça em tudo dissonante do que a rodeia, escolheram apresentar uma série de fotografias das malfeitorias feitas à praça ao longo dos anos: PVC nas janelas, bocas de ar condicionado nos prédios, toldos de restaurantes. Premeditadamente, omitiram o facto de todos esses desmandos serem amovíveis, o que levaria à reposição do tecido urbano original. Não quiseram referir, ainda, o facto de, frequentes vezes, as regras em matéria de intervenção em zonas históricas ficarem no tinteiro.

Em Lisboa é muito fácil adulterar o património, fazendo tábua-rasa das disposições que, se fossem postas na prática por quem constrói, evitariam os males a que, precisamente, aludiram os arquitectos.

Convém destacar que este processo tem feito correr alguma tinta na imprensa. Foi alvo de uma forte contestação por parte dos moradores que não querem ver a harmonia da Praça das Flores destruída por um projecto que consideram medíocre e fora de contexto; as obras estiveram suspensas pela interposição de uma providência cautelar apresentada por algumas organizações defensoras do património; e houve uma petição a circular que recolheu 1.700 assinaturas. Tudo coisas que para Souto de Moura e, suspeito, para grande parte do público presente no colóquio, são meras desatenções com que o povo brinda o projecto emblemático, visto como a única forma de dar relevo arquitectónico a um local de Lisboa que, em absoluto, é, na opinião douta dos senhores, falho de qualquer interesse.

Tinham razão os carismáticos arquitectos. A construção da casa vai avançar. O interesse de uns poucos sobrepôs-se, mais uma vez, ao interesse da cidade. Relembra-se que os técnicos dos serviços de urbanismo da CML deram parecer negativo à intervenção e que foram desautorizados pelo seu director, por este considerar que os gostos são subjectivos e por isso a posição mais forte determinaria a bondade ou a ausência dela nesta polemica operação.

Há uma certa categoria de arquitectos que partem do inusitado princípio de que não devem justificações a ninguém, que as cidades e as suas características são um vasto campo de possibilidades para nelas colocarem o produto da sua criatividade, não olhando ao local onde pretendem erguer as suas casinhas, os seus prédios, as suas estruturas.

Serão as cidades a sujeitarem-se ao risco destes cavaleiros da inovação e ousadia. É verdade que a arquitectura é o que molda o urbano, o espaço onde vivemos, constrói o cenário, a imagem, as referências da cidade. Mas também é verdade que é falso o argumento que pretende passar a ideia de que no Renascimento se construíram palácios com outra linguagem ao lado de catedrais góticas, que igrejas românicas foram elevadas sobre os escombros de antigas mesquitas, que há edifícios icónicos no mundo que não teriam sido erguidos se não se tivesse ambicionado romper com o pré-existente.

É falso porque insinua que o contexto actual é igual ao de há 200 ou 300 anos. O que é manifestamente simplista e redutor.

E é falso, também, não porque isso não tenha acontecido, mas porque se contorna o facto de a preocupação em preservar o existente não ser de hoje. Já o Marquês de Fontes no século XVIII chamava a atenção para a necessidade de inventariar, conhecer e salvaguardar o património ou, mais recentemente, a notável abordagem adoptada por Siza Vieira na reconstrução do Chiado, reduzindo ao mínimo a assinatura do arquitecto para que fosse o urbanismo dessa parte vital de Lisboa a impor-se. O arquitecto a pautar-se ao espaço e não a enxertá-lo com obras que o violentam.

Em Roma há um palácio que é uma obra-prima do Renascimento. Com projecto de Sangallo, que o construiu até ao primeiro andar. A família queria, contudo, aumentá-lo para dar visibilidade à sua importância por ocasião da ascensão ao trono pontifício de um dos seus membros. Para isso chamou outro arquitecto que propôs acrescentar mais dois andares ao plano original, aumentar a cornija e reformular a janela do andar nobre para sustentar a enorme pedra de armas. Só que, ao inovar, fê-lo numa continuidade com o projecto de Sangallo. Esse palácio é o palácio Farnésio e o segundo arquitecto foi Miguel Ângelo.

Seria, talvez, adequado que nas faculdades de arquitectura em Portugal se ensinasse um pouco mais de História da Arte e um pouco menos da teoria de que tudo é possível fazer-se numa cidade histórica.

Souto de Moura é responsável por um corte absoluto numa das praças que muitos lisboetas consideram como uma das mais bem preservadas. E consideram-no porque a vivem assim e assim gostariam de continuar a vê-la. É também responsável pela destruição de dois grandes prédios característicos da Lisboa pombalina para o alargamento do Bairro Alto Hotel. Levou ao chão todos os interiores, arrasou as mansardas, deu cabo do frontão triangular da fachada de um deles. Desta operação de charme arquitectónico nascerão dois prédios mais altos, em que se reproduzirá o que foi demolido.

Fica-se sem perceber como justifica o arquitecto esta contradição. Na Praça das Flores o que lá está pode ser ignorado e construir-se de raiz numa linguagem dissonante, na Rua do Alecrim, recria-se o que lá estava, no pastiche que tantos arquitectos condenam como uma prática venial e patética.

Não há teoria da arquitectura que o possa explicar. Há, sim, a arbitrariedade com que a CML, a DGPC, os promotores e os arquitectos agem na cidade. Nem todos os projectos de grandes nomes são a valorização dos espaços para onde foram concebidos. Às vezes são a sua verdadeira e triste banalização. O desfecho desta polémica com a viabilização do projecto de Eduardo Souto de Moura para a Praça das Flores é sintomático da arrogância com que uma certa elite decide os destinos dos espaços que são de todos e que por muitos são vistos como de natural manutenção e lógica permanência.


Membro do Fórum CidadaniaLx

8 comentários:

Isabel disse...

Siza Vieira, um grande senhor, com o qual este arrogante Souto Moura tanto tinha a aprender. Obviamente não questiono o valor da sua obras, só questiono a cegueira em relação à herança, ao património envolvente, que eles do alto da sua sabedoria minimizam, mas que fazem de Lisboa o que ela é. Uma Lisboa cheia de prédios do Souto Moura e amigos deixa de ser Lisboa, passa a ser uma cidade sem alma, sem heritage. Triste.

Anónimo disse...


Estes arquitectos, premiados pelos lóbis da construção desenfreada, são chamados, como eram os carrascos, para cumprir serviços difíceis, isto é, para executarem atentados clamorosos contra o Património.

João Ribeiro disse...

Excelente texto, triste novidade.
Como é possível permitir que essa construção medonha siga em frente?!

Anónimo disse...

Verdadeiramente inacreditável! Haja vergonha! Esperava-se muito mais de arquiteto premiado!

Anónimo disse...

Indique exemplos de construção desenfreada feitos pelo Siza e o Souto de Moura.

Anónimo disse...

O projeto não é mau, mas a sua integração é um desastre. A praça das flores é um conjunto de construções anónimas, sem causarem ruído. Esta obra vai destoar na harmonia reinante e vai causar um ruído insurdecedor num conjunto que era bastante harmonioso. A praça das Flores vale pela harmonia do conjunto de edifícios de acompanhamento. Esta ruptura com a harmonia reinante não será agradável de se ver. O novo edifício não pretende ser mais um do conjunto, pretende sim chamar a si todas as atenções e desequelibrar esse conjunto. Do meu ponto de vista a qualidade do projeto, contrasta com a qualidade da integração. A verdade é que era possível conciliar um bom projeto, com uma boa integração, em sintonia com os objetivos estratégicos do PDM, para esta classe de espaço. É esse facto não está ao alcance de todos, mas está certamente ao alcance do arquiteto Souto Moura. Pena que não tenha sido alcançado esse resultado, Lisboa é que fica a perder e no caso não é nada pouco.

Anónimo disse...

Indique exemplos em Lisboa de prédios novos da autoria de Souto de Moura.

Anónimo disse...


Para o visitante que pergunta por intervenções desenfreadas de Siza Vieira, de má memória e de permanente agressão vivencial e paisagística anti-portuguesa:
- Grande condomínio no Chiado, R. A. M. Cardoso e do Alecrim, com espaços voltados para dentro, não para a rua, monstro dissonante coberto de mosaico de cada de banho, saliente na colina vista do Cais Sodré, e ainda destruindo parte da muralha Fernandina, monumento nacional, e sobre ela.
- Casa da Música em Serralves, um disforme objecto também fechado sobre si, contrariando a habitabilidade portuguesa (o oposto da genial Casa de Serralves, que agora vai ser destruída pelo mesmo carrasco), com interiores esconsos e escadas perigosas, de arrepiar, e onde se verificaram vários acidentes.
- Intervenção lamentável em Évora, em S. Francisco, com os seus ridículos desenhos que não passam de rabiscos pseudo-artísticos que agridem despuduradamente o espaço.
- Escandalosa intervenção junto à Igreja e Mosteiro Gótico do Carmo, Lisboa, com corte de entradas, escadas oblíquas, cubos de pedra etc, intervenção que esperamos ser demolida daqui a uns anos ...

Não tenho mais tempo para perder com este "artista" e "homem de negócios" de sucesso, adorado pelo lóbi do betão e seus escribas.