Programa das Comemorações do Sesquicentenário de Ventura Terra:

Programa das Comemorações do Sesquicentenário de Ventura Terra:

24/06/2016

Próximo abatimento árvore na Rua dos Sapadores


Chegado por e-mail:

«Boa tarde,
quero denunciar o próximo abatimento de uma árvore de tamanho grande na Rua dos Sapadores (Graça). Envio uma imagem da árvore tirada do GoogleMaps (se for preciso posso enviar mais).
Agradeceria que incluíssem este novo caso nas suas campanhas.
Muito obrigada pelo seu trabalho.
Cumprimentos

Lisboa já tem um mapa da arte contemporânea


In Observador (24.6.2016)
Por Bruno Horta

«Chama-se Mapa das Artes e tem duas versões: em papel e na internet. É lançado esta sexta-feira e procura conquistar novos públicos para galerias e museus da capital.

É gratuito, cabe no bolso e está escrito em português e inglês. O Mapa das Artes explica-se a si mesmo: é um mapa com galerias, museus, fundações e outros espaços dedicados à arte em Lisboa – apenas arte contemporânea. O lançamento é esta sexta-feira, ao fim da tarde, na Galeria Millennium, na Rua Augusta.

Trata-se de um “mapeamento da arte contemporânea na cidade”, resume o mentor da ideia, Cláudio Garrudo, de 39 anos, fotógrafo e produtor cultural. “Com estas características, é a primeira vez que se faz”, sublinha. “Já houve outros mapas, com programação, mas este não tem, para não se desatualizar”, acrescenta.

Além da versão em papel, com tiragem de 30 mil exemplares, o Mapa das Artes tem existência na Internet e estará disponível em mapadasartes.pt

23/06/2016

Palacete em Alpiarça - pedido de info à CMA


Exmo. Senhor Presidente
Dr. Mário Fernando A. Pereira

Vimos pelo presente solicitar a V. Exa. que nos informe se a Câmara Municipal de Alpiarça está a ponderar intervir de algum modo no sentido de garantir a salvaguarda do belo e “sui generis” palacete, de que anexamos algumas fotos retiradas da Net.

Com efeito, a nosso ver, trata-se de um edifício bastante invulgar, característico contudo da arquitectura de transição séculos XIX-XX, cujas construções foram outrora sobejamente afamadas na região, neste caso um edifício complementado com uma componente quinta-agrícola, com adega, cocheiras e cavalariças.

Gostaríamos de saber, portanto, se é intenção da Câmara Municipal de Alpiarça expropriar, tomar posse administrativa ou, simplesmente, adquirir o imóvel - antes que o mesmo seja irrecuperável ou entre em colapso -, reforçando assim o roteiro histórico-patrimonial do concelho.

Com os melhores cumprimentos


Paulo Ferrero, Bernardo Ferreira de Carvalho, Luís Marques da Silva, Beatriz Empis, Maria do Rosário Reiche, Fernando Jorge, Júlio Amorim, Martim Galamba, Rui Martins, Jorge Santos Silva e Filipe Lopes

22/06/2016

Pedido de esclarecimentos sobre obras em curso no n.95 da Avenida da República (MIP)


Lisboa, 30 de Maio de 2016


Exmo. Senhor Vereador
Arq. Manuel Salgado


C.c. AML, DGPC e JF

No seguimento das nossas chamadas de atenção em relação ao estado de abandono e vandalismo a que tem estado sujeito o edifício da Avenida da República, nº 95, datado de 1911 e da autoria do conhecido construtor Joaquim dos Santos, que foi objecto alterações de interiores em 1991 e está classificado como Monumento de Interesse Público desde 2012 (http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/71715);

E pelo facto de estarem neste momento a ser colocados andaimes junto ao mesmo, dando a entender que irão iniciar-se obras;

Serve o presente para solicitar a V. Exa., nos informe sobre o teor das referidas obras, isto é, se o edifício vai ser objecto de reabilitação/recuperação ou se, para além disso, vai ser objecto de obras significativas de alterações nos seus interiores e/ou ampliação e, no caso de as mesmas se verificarem, quais as alterações de interiores aprovadas e quantos pisos a mais foram autorizados pela CML.

Melhores cumprimentos

Paulo Ferrero, Bernardo Ferreira de Carvalho, Carlos Leite de Sousa, Fernando Jorge, Filipe Lopes, Júlio Amorim, Luís Marques da Silva, José Filipe Soares, António Araújo, Paulo Lopes, Pedro Henrique Aparício, José Filipe Soares

Fotos: DGPC

...

Resposta do Sr. Vereador Manuel Salgado (22.6.2016)

Um novo parque verde na cidade


In O Corvo (22.6.2016)

Por Samuel Alemão «A Quinta das Carmelitas, junto ao Jardim da Luz, em Carnide, abre as suas portas às 10h desta quinta-feira (23 de junho). São seis hectares de espaço verde onde os lisboetas poderão passear e andar de bicicleta, mas também praticar actividades hortícolas em ambiente urbano. Mais do que isso, o novo parque surge com o objectivo de se assumir como um espaço de apoio a cidadãos com “incapacidades ou em risco de exclusão social”. Missão que resulta do acordo estabelecido, há dois anos, entre a Câmara Municipal de Lisboa, a Cerci de Lisboa, a Cerci de Cascais e o Instituto da Segurança Social.

Em Junho de 2014, o vereador da Estrutura Verde, José Sá Fernandes, assinou um protocolo com aquelas entidades para reabilitar esta área da cidade que se encontrava desaproveitada. Na altura, o autarca disse que o equipamento estaria certamente em funcionamento no ano seguinte. A abertura ao público acontece, todavia, apenas um ano depois. Nesse tempo, foram feitas várias “intervenções destinadas à revitalização” da quinta, entre as quais se conta a recuperação do sistema de rega e a “demolição de equipamentos existentes obsoletos”, criando uma grande área de parque hortícola e um caminho misto para peões e bicicletas. [...]»

Mas num raio de 50m em relação a um MN, como é o caso, não se podem construir estruturas perenes, como é o caso. A DGPC não sabe isso?


«A Sé e o Campo das Cebolas vão ficar mais perto com este elevador

In Público (21.6.2016)
Por INÊS BOAVENTURA


O arquitecto João Favila Menezes sublinha que a relação do elevador com o monumento nacional “foi um aspecto bastante ensaiado”.

A Emel prevê inaugurar a nova acessibilidade, que terá utilização gratuita, no Verão de 2017. [...]»

21/06/2016

Teatro Nacional de São Carlos / Desaparecimento das cadeiras dos camarotes / Novo pedido de esclarecimentos


Foto 1

Foto 2

Exmos. Senhores


C.C. MC, DGPC e media

No seguimento do nosso pedido de esclarecimentos de 9 de Março, que anexamos, e do esclarecimento que recebemos da V/parte, dando-nos conta de que a substituição das cadeiras de cariz clássico (cadeiras de assento em veludo e costas em palhinha, pernas torneadas, madeiras entalhada e dourada a casca de ovo - foto1) era temporária e que as mesmas regressariam aos camarotes depois se serem restauradas, verificamos que as cadeiras ainda não regressaram e que os camarotes mantêm as cadeiras substitutas (foto2).

Solicitamos novo esclarecimento da parte da OPART.

Com os melhores cumprimentos​

Paulo Ferrero, Bernardo Ferreira de Carvalho, Miguel Jorge, Luís Marques da Silva, Jorge Santos Silva, Júlio Amorim, Luís Marques da Silva, Maria do Rosário Reiche, Luís Serpa, Ricardo Mendes Ferreira, Fátima Castanheira, Beatriz Empis, Ana Alves de Sousa e Fernando Jorge

Adeus a 3 edifícios Lisboa Entre-Séculos


«Proposta n.º 302/2016 (Subscrita pelo Sr. Vereador Manuel Salgado) Aprovar PIP p/construção nova c/ demolição a realizar nos edifícios da R.Andaluz 23, Lg Palmeiras 1-7, R.LCordeiro 120...destinadas a unidade hoteleira de 2 estrelas, freguesia de Santo António, q constitui o processo n.º 1481/EDI/2015» .

E vamos lá ver se o 70 da Dq Loulé não ser estropiado por dentro... como temíamos aqui

Lagos do Jardim Botânico


Afinal, após todo o investimento de dinheiros públicos em obras no ano de 2012, que tiveram direito a inauguração oficial a 14 de Junho de 2012 ( https://www.youtube.com/watch?v=ynpk-tBamEI ) os lagos e regatos do Arboreto do Jardim Botânico encontram-se na mais completa ruína e abandono. Ninguém esclarece nada? Dinheiro do erário, obras designadas como "medidas de conservação e manutenção", um Monumento Nacional?

20/06/2016

Nem de propósito:


Chegado por e-mail:

«Teaser do documentario "TERRAMOTOURISM" (Lisboa)

Olá desde o colectivo Left Hand Rotation.

Cá enviamos o teaser do documentario "TERRAMOTOURISM" sobre as consequências da turistificaçao e chegada masiva de turistas na cidade de Lisboa, http://lefthandrotation.blogspot.pt/2016/06/teaser-de-terramotourism.html

Tambem podem-se descarregar os cartazes da intervenençao nas ruas de Lisboa "TERRAMOTOURISM: Instruções de emergência em caso de tranformação urbana produzida por sismo turístico" no link http://lefthandrotation.blogspot.pt/2014/03/terremotourism-instrucciones-de.html

Muito obrigado

Colectivo Left Hand Rotation
www.lefthandrotation.com»

Comemorações 150 Anos de Miguel Ventura Terra, Colóquio na Universidade Lusíada, Call for Papers até 30 de Junho:


Elevador do Lavra vandalizado - Protesto à CARRIS


Exmos. Senhores


Serve o presente para renovarmos o nosso protesto periódico junto de V. Exas. sobre o estado lastimável do Elevador do Lavra, conforme documentam fotos em anexo, e, do mesmo modo, solicitar que nos esclareçam sobre quando e como pretendem resolver este vergonhoso estado de coisa.

Melhores cumprimentos

Paulo Ferrero, Bernardo Ferreira de Carvalho e Miguel de Sepúlveda Velloso

Antigo pólo industrial em Lisboa dá lugar a "uma das maiores incubadoras da Europa"


In Público (17.6.2016)
Por INÊS BOAVENTURA

«"Até ao final do ano", o presidente da Câmara de Lisboa quer ter concluído o plano que definirá os usos da Ala Sul da Manutenção Militar, que foi cedida pelo Estado por 50 anos. Medina garante que o património industrial será totalmente preservado. [...]».

...

Faço votos e figas para que tudo dê certo e que o silicon valley do Beato ajude a recuperar, preservar, dignificar e dar o uso compatível que o valiosíssimo património industrial da ala sul da Manutenção Militar MERECE!

Muralhas de Lisboa


Chegado por e-mail, em c.c.:


«Sr. Arq. João Luís Carrilho da Graça

Prezado Senhor,

Passei hoje pela obras no Campo das Cebolas e me pareceu que os vestígios das muralhas de Lisboa e outras construções que foram postas a descoberto não são nada insignificantes. Tudo será destruído para dar lugar a um estacionamento de carros particulares, que não têm nada a fazer naquele lugar desta cidade devassada pelo trânsito e turismo.

É claro que a responsabilidade é da Câmara, que infelizmente é o resultado de insondáveis jogos de interesses. Diante disso qual é o compromisso da cultura?

Não é fácil responder a essa pergunta. Mas como os arquitectos costumam reivindicar essa condição, sobretudo neste país de “patos-bravos”, gostaria de conhecer a sua opinião a esse respeito.

Melhores cumprimentos

Pedro de Souza»

19/06/2016

E agora, tamnbém vão abater as restantes árvores da Av. Fontes Pereira de Melo?

Se já nada se pode fazer pelos 3 choupos, que a coberto da noite a CML abateu, apesar das diversas tentativas feitas para o evitar, desde a informação que voluntariosamente um cidadão fez junto do choupo mais antigo plantado na Av. Fontes Pereira de Melo, iniciativa à qual a imprensa deu a devida divulgação, ou aos requerimentos solicitando a classificação dos três choupos negros como arvoredo de interesse público, a pergunta quer fica é se estarão seguras as outras árvores que restam na Av Fontes Pereira de Melo, sejam as que estão no quarteirão do Imaviz e Fórum Picoas, sejam principalmente as que se encontram entre o Fórum Picoas e a Praça Duque de Saldanha.

Como as 3 árvores agora abatidas, estas 4 também aparentam estar de boa saúde, mas parecem estar no caminho no caminho de alguém, para quem os interesses de uns poucos se têm sobreposto aos interesses da cidade

Não está em causa saber se depois destas intervenções no eixo central em geral e particularmente na Av. Fontes Pereira de Melo, o número de árvores vai aumentar substancialmente (com o qual naturalmente me congratulo), mas sim se as razões agora invocadas no abate destas árvores justificam os fins que se pretendem alcançar.

Por fim é importante não esquecer, que “o projeto previa manter as árvores existentes” e que “inclusive nas ilustrações aparecem” essas espécies. Mais uma razão para temer pelas àrvores que ainda ficaram de pé. É pois importante que a CML venha esclarecer sem margem para dúvidas e rapidamente, se há previsão de serem abatidas mais árvores em toda a extensão da intervenção em curso no eixo central e se sim, quais são e quais as razões para o abate de cada uma.

Alguém pode explicar esta aberração em plena Lapa?



Respostas. agradecem-se. Sr. Vereador tem alguma coisa para nos dizer que possa justificar esta criteriosa e iluminada escolha? Não há uma zona de especial protecção em torno do jardim da Estrela? Não estão as zonas da Estrela e Lapa cobertas por várias figuras de protecção que limitam as insanidades e as veleidades de que poucos gostam e de que quase ninguém precisa?

Ou tudo isso é letra-morta e, sendo assim, por maioria de razão, suprimam-se esses quadros normativos para que se deixa de dar ilusões ao comum dos cidadãos, induzindo-o em erro porque poderá achar que vive numa cidade que cuida, zela, preserva, valoriza e age de forma coerente em relação ao património?


E, por último, pode dizer-nos o que está projectado para a Rua das Janelas Verdes nos dois buracos que surgiram depois das "aplaudidas" e "promovidas" demolições?


17/06/2016

O primeiro dia do novo Hub Criativo de Lisboa


In site da CML (17.6.2016)

«Com este ato damos um passo da maior importância para o futuro da cidade de Lisboa, afirmou Fernando Medina na apresentação do futuro Hub Criativo e Empreendedor que será criado nas instalações da antiga Manutenção Militar no Beato. Revitalizar a zona ocidental da cidade e focar Lisboa nas indústrias tecnológicas e criativas são as duas dimensões que o presidente da Câmara Municipal salienta no projeto. [...]»

...

Aplaudo, desde que isso signifique fundos comunitários para efeitos de reabilitação do edificado, resgate de uma série de edifícios históricos semi-abandonados e em mau estado e em perigo de venda ao desbarato (desde logo este...), melhor espaço público mas NUNCA descaracterizando aquela zona, que é das poucas ainda genuínas na cidade.

Mas não há maneiras disto ter 4.000 assinaturas??? Não entendo!


PETIÇÃO Pela reactivação do Eléctrico 24, em Lisboa.

Casa da Pesca (Oeiras), com luz ao fundo do túnel... têm é que ser mto. rápidos pq senão desaparece, até lá



Foto: Ana Celeste Glória

E esta canalhice (de noite) foi para quê? O choupo estava de saúde e estava ali há várias décadas.


Mais um acto de paisagismo cad-cam, ou seja, pronto-a-vestir. "Eu adoro choupos" (sic), JSF no debate organizado pela Plataforma em Defesa das Árvores, Cinema São Jorge (21.5.2016).
Fotos: Rosa Casimiro e O Corvo

16/06/2016

Palácio Galveias com portas principais em PVC - protesto e pedido de esclarecimentos à CML


Exma. Senhora Vereadora
Dra. Catarina Vaz Pinto,
Exmo. Senhor Vereador
Arq. Manuel Salgado,


C.C. PCML, AML, DGPC, JF

Tomámos conhecimento da substituição das portas principais do átrio Palácio Galveias, em madeira, por exemplares em PVC, conforme fotos em anexo (antes e agora), durante a obra de reabilitação em curso, no âmbito do Programa de Investimento Prioritário em Ações de Reabilitação Urbana (PIPARU).

Dado estarmos em presença de um edifício histórico, ainda que adaptado a biblioteca no século XX, e propriedade da Câmara Municipal de Lisboa, "dona da obra" em curso, solicitamos a V. Exas. que nos esclareçam sobre se a retirada das portas em madeira se deve à necessidade das mesmas serem restauradas, para serem repostas posteriormente, ou se a sua substituição é definitiva, e se o tiver sido, qual o parecer emitido pelos dos Serviços da Cultura e pelo Núcleo Residente da Estrutura Consultiva do PDM.

Com os melhores cumprimentos​

Paulo Ferrero, Bernardo Ferreira de Carvalho, Miguel de Sepúlveda Velloso, Júlio Amorim, Gonçalo Maggessi, Jorge Miguel Batista, Maria do Rosário Reiche, Jorge Santos Silva, José Filipe Soares, Paulo Lopes, Miguel Atanásio Carvalho, Luís Marques da Silva, Pedro Janarra, Maria Ramalho, Beatriz Empis, Fátima Castanheira, Ana Celeste Glória, Bruno Rocha Ferreira, José Amador e Nuno Caiado (Pelo Fórum Cidadania Lx)
Rui Martins, Ana Paula Araújo, Mariana M. Soares, Duarte Antunes, Pedro Monteiro, Lurdes Peixoto, Teresa Gameiro (Pela Associação de Moradores e Amigos do Areeiro)

15/06/2016

FAKE LISBON: Largo do Chiado e Barbearia Campos



Aqui vemos o antigo local do estabelecimento oitocentista da Barbearia Campos reduzida agora a um cubo de betão armado (cortesia da Cooporgest, CML e DGPC) onde se vai colar mobiliário, e pessoas, numa tentativa pueril de se recriar um ambiente histórico que na verdade foi destruido e portanto é irreversivel. Parece que a Barbearia Campos de autentico terá apenas os seus dedicados funcionários e alguns móveis originais. Parece que a Barbearia Campos acabará secundarizada, uma mera decoracão ou curiosidade, para beneficio da McDonalds mesmo ao lado. A capital Lisboa a soar cada vez mais a falso e tudo em nome de um certo modelo de "turismo"? 

Arrasando com todas as árvores de grande porte de alinhamento e arruamento, a meta estará cumprida!


In Público (14.6.2016)
Por Teresa Serafim

«Lisboa já alcançou as metas de redução de CO2 exigidas pela UE mas quer ir mais longe

A cidade reduziu 50% das suas emissões de dióxido de carbono, mais do que duplicando o que era exigido pela União Europeia. Mas nas palavras do vereador José Sá Fernandes é preciso fazer mais. Para isso, já foram lançadas medidas. [...]»