Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

29/04/2018

Nostalgia de uma cidade perdida? Dizia o senhor Delfim Sardo. Talvez, mas esta que as fotografias mostram não será decerto uma bela cidade.


Uma beleza. Alguém lá para os lados da CML pode explicar o que se tem abatido sobre Lisboa nos últimos anos?




Sugiro que esta seja enviada para os Travel Awards. O palácio é só um pormenor no meio do caos do Rato.

A propósito da nova torre da Avenida Fontes Pereira de Melo, um tal sr. Sardo, muito conhecido das trienais de arquitectura, dizia que "há sempre quem chore e tenha nostalgia de uma cidade perdida", referindo-se à destruição de uns três ou quatro palacetes Fim-de-Século que estavam em muito mau estado para, no mesmo local, se erguer a bisarma planeada.

O Sr. Sardo acha que, tal como dezenas de outros arquitectos e amigos, que as cidades têm de se reinventar, sim, mas sobretudo se o forem na proporção dos seus desmandos e risco grosseiro.

O que pensará o sr. Sardo e os seus amigos desta beleza de harmonia urbanística que é o Largo do Rato, onde foram, há pouco tempo, mais umas casas ao charco para criar o vazio urbano que algumas das fotografias mostram?

Senhores Sardos e afins que enroupados numa falsa modernidade, defendem a destruição paulatina de vastas áreas da cidade deverão ser denunciados e desmascarados.

Outras cidades há, onde associações de moradores estão atentas ao que acontece ao património dos seus bairros e não deixam que pseudo-modernos e bacocos, destruam para sempre o que é de todos.

Por cá a sereníssima e impávida ordem dos arquitectos torna-se cúmplice, pelo seu silêncio,  do pior urbanismo.


3 comentários:

Manuel Marques disse...

O pior ainda está para vir...

Anónimo disse...

Lisboa está a saque, desde que tem como Vereador do Urbanismoo o Arquiteto Manuel Salgado.

Anónimo disse...

Curiosamente o sr. Sardo mora actualmente num belíssimo edifício dos anos 30 (penso que da autoria de Cassiano Branco), depois de ter passado por um prédio do início do séc. XX. Claro que não mora em monos destes!