30/11/2010

Pista de gelo para patinagem no Rossio afinal é feita de plástico


In Público (30/11/2010)
Por Ana Henriques e Carlos Filipe

«Câmara de Lisboa contratou empresa de eventos para animação natalícia no centro da cidade. O seu único patrocinador, a Misericórdia, contribuiu com 70 mil euros

A pista de patinagem instalada no Rossio para animar a época natalícia é, afinal, de plástico, e não de gelo, ao contrário do que foi anunciado pela Câmara de Lisboa.

Uma nota de imprensa da autarquia anunciou que, até 9 de Janeiro, o Rossio vai beneficiar da animação de "uma pista de gelo e de um carrossel francês". No site da câmara também se fala num "ringue de patinagem no gelo". Só que o gelo em causa é, afinal, constituído por um derivado de plástico. "Trata-se de publicidade enganosa", observa o atleta de patinagem no gelo Manuel Magalhães.

"Está lá afixado que se trata de uma pista artificial", contrapõe o promotor que diz ter sido contratado pelo município para promover a animação de Natal no Rossio, Manuel Rocha, da empresa de eventos Premium Act Leading. "Ainda chegámos a falar com um fornecedor de pistas de gelo real. Mas nem havia patrocínios para isso, nem a câmara tinha dinheiro para a pagar". Segundo Manuel Rocha, o único patrocínio conseguido pela PA Leading limitou-se aos jogos da Santa Casa da Misericórdia, razão pela qual o programa inicialmente previsto ficou reduzido ao ringue de gelo artificial, a um carrossel e a um comboio articulado que transporta os automobilistas vindos dos parques de estacionamento em redor. A Misericórdia contribuiu com 70 mil euros para o evento, explica o porta-voz da instituição, Pedro Pinto. Questionado sobre se a Santa Casa sabia que a pista não era de facto de gelo, Pedro Pinto limita-se a responder: "Não patrocinámos pista nenhuma, mas todas as iniciativas de Natal da Baixa". A PA Leading não confirma estas afirmações.

"Chamar pista de gelo àquilo é enganar as pessoas. Não permite de forma nenhuma as mesmas sensações", diz também o responsável por uma empresa do sector, João Pedro Pinto Ribeiro, da Iber Ice. "Numa cidade que já teve pistas de gelo a sério, é defraudar as expectativas das pessoas". Como no ano passado, a empresa está uma vez mais a montar uma pista de gelo real em Óbidos para o Natal.

O promotor recorda como a população de Matosinhos se indignou em 2007 quando sucedeu algo de semelhante: uma iniciativa camarária chamada Põe-te a mexer no gelo era, na realidade, realizada numa pista de fibra. O vereador da CDU Honório Novo acusou a autarquia de estar a vender gato por lebre e apresentou uma queixa na associação de defesa do consumidor Deco.

O PÚBLICO tentou ontem obter esclarecimentos sobre os vários aspectos desta questão junto da porta-voz da Câmara de Lisboa, mas esta nunca respondeu aos contactos efectuados.»

...

Num país do faz-de-conta, uma pista de gelo do faz-de-conta. Qual é a novidade?

10 comentários:

Xico205 disse...

alem disso a pista é minuscula! Mais vale ir à do Dolce Vita Tejo que é maior e de gelo a serio.

M Isabel G disse...

Segundo li, aquilo é caríssimo!!

lmm disse...

Mas do que é que o deputado Honório Novo reclama?!?

Se a pista fosse feita de gelo verdadeiro, provavelmente viria dizer que era um desperdício de dinheiros públicos e que se podia perfeitamente ter optado por uma solução mais barata....

Luís Marques

Anónimo disse...

é carissimo? e a energia gasta no gelo é barata?

Só fazendo calculos é que se pode opinar

BRUXA disse...

porquê esta pista, de gelo ou nao? Isto nao faz parte da nossa cultura, na época natalicia!
Árvores iluminadas, e um bonito pinheiro no meio do Rossio, isso sim faz parte das tradicoes natalicias dos lisboetas

João Oliveira Leonardo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Oliveira Leonardo disse...

Caro Luís Marques o deputado Honório Novo reclama porque é isso que ele sabe fazer,se quê já é secundário :)

DEON disse...

Será que li bem?! Isto está a ficar pior a cada dia que passa...já faltou muito mais para clikar no botão 'unsubscribe'.
O perfil de quem escreve e lê este tipo de matérias é no mínimo alguém nos seus 80 anos, que passou grande parte da vida sozinho e sem rugas na cara, pois daquela boca nunca antes saiu um sorriso.

Filipe Melo Sousa disse...

A Misericórdia não tem nada que gastar dinheiro com estas porcarias. Querem reduzir o défice do estado? Passem as receitas do euromilhões directamente para receitas do Orçamento de Estado.

Anónimo disse...

Cruzes credo Melo Sousa receitas para o Estado? Mas você apanhou mesmo uma meningite? Veja lá porque se os seus amigos do clube neoliberal lêem isto, apreendem-lhe logo o cartão de sócio.