NÃO PERCA:

NÃO PERCA:

30/07/2011

ZURIQUE: Tram operators can turn traffic lights in their favor as they approach, forcing cars to halt.

Across Europe, Irking Drivers Is Urban Policy


Pedestrians and trams are given priority treatment in Zurich. Tram operators can turn traffic lights in their favor as they approach, forcing cars to halt.


ZURICH — While American cities are synchronizing green lights to improve traffic flow and offering apps to help drivers find parking, many European cities are doing the opposite: creating environments openly hostile to cars. The methods vary, but the mission is clear — to make car use expensive and just plain miserable enough to tilt drivers toward more environmentally friendly modes of transportation.

Cities including Vienna to Munich and Copenhagen have closed vast swaths of streets to car traffic. Barcelona and Paris have had car lanes eroded by popular bike-sharing programs. Drivers in London and Stockholm pay hefty congestion charges just for entering the heart of the city. And over the past two years, dozens of German cities have joined a national network of “environmental zones” where only cars with low carbon dioxide emissions may enter.
Likeminded cities welcome new shopping malls and apartment buildings but severely restrict the allowable number of parking spaces. On-street parking is vanishing. In recent years, even former car capitals like Munich have evolved into “walkers’ paradises,” said Lee Schipper, a senior research engineer at Stanford University who specializes in sustainable transportation.
“In the United States, there has been much more of a tendency to adapt cities to accommodate driving,” said Peder Jensen, head of the Energy and Transport Group at the European Environment Agency. “Here there has been more movement to make cities more livable for people, to get cities relatively free of cars.”

To that end, the municipal Traffic Planning Department here in Zurich has been working overtime in recent years to torment drivers. Closely spaced red lights have been added on roads into town, causing delays and angst for commuters. Pedestrian underpasses that once allowed traffic to flow freely across major intersections have been removed. Operators in the city’s ever expanding tram system can turn traffic lights in their favor as they approach, forcing cars to halt.

Around Löwenplatz, one of Zurich’s busiest squares, cars are now banned on many blocks. Where permitted, their speed is limited to a snail’s pace so that crosswalks and crossing signs can be removed entirely, giving people on foot the right to cross anywhere they like at any time.
As he stood watching a few cars inch through a mass of bicycles and pedestrians, the city’s chief traffic planner, Andy Fellmann, smiled. “Driving is a stop-and-go experience,” he said. “That’s what we like! Our goal is to reconquer public space for pedestrians, not to make it easy for drivers.”

While some American cities — notably San Francisco, which has “pedestrianized” parts of Market Street — have made similar efforts, they are still the exception in the United States, where it has been difficult to get people to imagine a life where cars are not entrenched, Dr. Schipper said.

Europe’s cities generally have stronger incentives to act. Built for the most part before the advent of cars, their narrow roads are poor at handling heavy traffic. Public transportation is generally better in Europe than in the United States, and gas often costs over $8 a gallon, contributing to driving costs that are two to three times greater per mile than in the United States, Dr. Schipper said.

What is more, European Union countries probably cannot meet a commitment under the Kyoto Protocol to reduce their carbon dioxide emissions unless they curb driving. The United States never ratified that pact.

Globally, emissions from transportation continue a relentless rise, with half of them coming from personal cars. Yet an important impulse behind Europe’s traffic reforms will be familiar to mayors in Los Angeles and Vienna alike: to make cities more inviting, with cleaner air and less traffic.

Michael Kodransky, global research manager at the Institute for Transportation and Development Policy in New York, which works with cities to reduce transport emissions, said that Europe was previously “on the same trajectory as the United States, with more people wanting to own more cars.” But in the past decade, there had been “a conscious shift in thinking, and firm policy,” he said. And it is having an effect.

After two decades of car ownership, Hans Von Matt, 52, who works in the insurance industry, sold his vehicle and now gets around Zurich by tram or bicycle, using a car-sharing service for trips out of the city. Carless households have increased from 40 to 45 percent in the last decade, and car owners use their vehicles less, city statistics show.

“There were big fights over whether to close this road or not — but now it is closed, and people got used to it,” he said, alighting from his bicycle on Limmatquai, a riverside pedestrian zone lined with cafes that used to be two lanes of gridlock. Each major road closing has to be approved in a referendum.

Today 91 percent of the delegates to the Swiss Parliament take the tram to work.

Still, there is grumbling. “There are all these zones where you can only drive 20 or 30 kilometers per hour [about 12 to 18 miles an hour], which is rather stressful,” Thomas Rickli, a consultant, said as he parked his Jaguar in a lot at the edge of town. “It’s useless.”

Urban planners generally agree that a rise in car commuting is not desirable for cities anywhere.
Mr. Fellmann calculated that a person using a car took up 115 cubic meters (roughly 4,000 cubic feet) of urban space in Zurich while a pedestrian took three. “So it’s not really fair to everyone else if you take the car,” he said.

European cities also realized they could not meet increasingly strict World Health Organization guidelines for fine-particulate air pollution if cars continued to reign. Many American cities are likewise in “nonattainment” of their Clean Air Act requirements, but that fact “is just accepted here,” said Mr. Kodransky of the New York-based transportation institute.

It often takes extreme measures to get people out of their cars, and providing good public transportation is a crucial first step. One novel strategy in Europe is intentionally making it harder and more costly to park. “Parking is everywhere in the United States, but it’s disappearing from the urban space in Europe,” said Mr. Kodransky, whose recent report “Europe’s Parking U-Turn” surveys the shift.

Sihl City, a new Zurich mall, is three times the size of Brooklyn’s Atlantic Mall but has only half the number of parking spaces, and as a result, 70 percent of visitors get there by public transport, Mr. Kodransky said.

In Copenhagen, Mr. Jensen, at the European Environment Agency, said that his office building had more than 150 spaces for bicycles and only one for a car, to accommodate a disabled person.
While many building codes in Europe cap the number of parking spaces in new buildings to discourage car ownership, American codes conversely tend to stipulate a minimum number. New apartment complexes built along the light rail line in Denver devote their bottom eight floors to parking, making it “too easy” to get in the car rather than take advantage of rail transit, Mr. Kodransky said.

While Mayor Michael R. Bloomberg has generated controversy in New York by “pedestrianizing” a few areas like Times Square, many European cities have already closed vast areas to car traffic. Store owners in Zurich had worried that the closings would mean a drop in business, but that fear has proved unfounded, Mr. Fellmann said, because pedestrian traffic increased 30 to 40 percent where cars were banned.

With politicians and most citizens still largely behind them, Zurich’s planners continue their traffic-taming quest, shortening the green-light periods and lengthening the red with the goal that pedestrians wait no more than 20 seconds to cross.

We would never synchronize green lights for cars with our philosophy,” said Pio Marzolini, a city official. “When I’m in other cities, I feel like I’m always waiting to cross a street. I can’t get used to the idea that I am worth less than a car.”

in THE NEW YORK TIMES 26 June 2011



FOTO: Eléctricos "presos" na Rua dos Fanqueiros devido ao excesso (e excessos!) de estacionamento à superfície que ainda existe na Baixa, Lisboa. É todo um paradigma de mobilidade, de estilos de vida, que tem de ser profundamente altetado em Portugal.

Esquina da Av. Casal Ribeiro com a Praça Duque de Saldanha

Hoje às 14.30h.

Vereador critica Carris por reduzir serviço em Agosto enquanto aumenta tarifas


Vereador critica Carris por reduzir serviço em Agosto enquanto aumenta tarifas
Por Inês Boaventura in Publico

Fernando Nunes da Silva diz que vão ser alteradas carreiras sem "uma oferta alternativa em condições minimamente credíveis"

A Carris vai suprimir, em Agosto, três carreiras e reduzir o serviço de outras 13. O vereador da Mobilidade na Câmara de Lisboa já manifestou a sua "viva oposição", acusando a empresa de "contribuir para a perda de atractividade do sistema de transportes colectivos da cidade".

"Esta situação é tanto mais criticável quanto esta redução de serviços coincide com um brutal aumento dos tarifários", diz o vereador Nunes da Silva numa carta dirigida ao presidente da Carris. "Até parece que a solução do problema dos transportes na cidade só é possível reduzindo o serviço e aumentando as tarifas", continua o autarca, na missiva a que o PÚBLICO teve acesso.
As reduções em causa vão vigorar entre os dias 30 de Julho e 4 de Setembro. Durante esse período as carreiras de autocarro 740 e 797 não vão funcionar, acontecendo o mesmo com a carreira de eléctrico 18. Já as carreiras 21, 22, 44, 713, 716, 738, 756, 764 e 777 vão ser suprimidas aos sábados, domingos e feriados. As carreiras 79, 709 e 732 só vão circular aos dias úteis e sábados de manhã e a carreira 12 deixará de realizar-se aos domingos e feriados.
Na comunicação endereçada ao vereador da Mobilidade, a transportadora lembra que "todos os anos no mês de Agosto se verifica um significativo decréscimo da procura na generalidade das carreiras da Carris". A administradora Maria Adelina Rocha acrescenta que o mesmo acontecerá este ano, "reforçado agora com a necessidade de contenção de custos".
Em 2010 houve de facto uma redução do serviço, mas consultando o site da Carris verifica-se que nessa altura foram suprimidas duas carreiras e interrompidas sete aos fins-de-semana e feriados. Em esclarecimentos enviados ao PÚBLICO a empresa admite que este ano houve um "incremento", que justifica com "razões operacionais e económicas".
O vereador da Mobilidade afirma compreender, mas não aceitar, "que a Carris mantenha a redução de serviços dos anos anteriores". Mas Fernando Nunes da Silva acrescenta que é "completamente inaceitável" que desta vez as alterações abranjam "carreiras que, objectivamente, não permitem uma oferta alternativa em condições minimamente credíveis".

A nova vida do jardim lisboeta da Tapada das Necessidades


A nova vida do jardim lisboeta da Tapada das Necessidades
Por Inês Boaventura in Publico

Depois de recuperados os caminhos, foi lançado um concurso para transformar um antigo jardim zoológico num restaurante

A Tapada das Necessidades é ainda um tesouro escondido de Lisboa, mas aos poucos este lugar com uma riqueza histórica e ambiental ímpar começa a fazer parte da vida de quem mora na cidade e não só. Em boa parte devido à intervenção da autarquia lisboeta, a quem não faltam planos para dar uma nova vida a este oásis.
Esta semana a câmara lançou um concurso público para a exploração de um restaurante na Tapada das Necessidades, um jardim com dez hectares ao qual se acede através do largo com o mesmo nome ou do recém-aberto portão na Rua do Borja. O estabelecimento, que a autarquia pretende que tenha um "nível de exigência superior", irá funcionar num conjunto de edifícios onde chegou a haver um jardim zoológico.
Aí, em seis torreões rodeados por gradeamentos de ferro, eram albergados animais, como aves raras e macacos, "mandados vir de diversos lugares propositadamente para este local por D. Fernando II, para desenvolvimento dos conhecimentos sobre fauna dos príncipes D. Pedro e D. Luís". A explicação é de uma nota camarária, que sublinha a "enorme importância histórica" de que este conjunto, erguido entre 1848 e 1856, se reveste.
Cinco desses torreões, e um edifício construído mais recentemente no meio deles, vão ser concessionados a um privado, que terá de realizar os trabalhos de reabilitação e reconversão. E uma visita à Tapada das Necessidades é suficiente para perceber a dimensão da empreitada: a degradação do património edificado é evidente e o recinto do antigo zoológico está repleto de ervas daninhas e de entulho.
A câmara, que assumiu a gestão deste jardim há menos de três anos (no âmbito de um protocolo com o Ministério da Agricultura), ficará com o sexto torreão, para instalar "um espaço de exposição permanente dedicado à Tapada das Necessidades e à sua história e/ou para prestação de informações sobre assuntos relacionados com agricultura".

Primeira fase pronta
"A curto prazo", refere o assessor do vereador dos Espaços Verdes, a autarquia vai lançar outros concursos públicos, para a conservação e restauro do edifício da Estufa Circular, do muro da alameda e da Casa do Fresco, bem como do Largo Circular. Enquanto isso não acontece, foi já concretizada a primeira fase da recuperação dos caminhos e da rede de drenagem. E estão também a ser feitos estudos para a recuperação do antigo moinho e dos edifícios encostados à Rua do Borja.
João Pinto Soares, do Grupo dos Amigos da Tapada das Necessidades, reconhece que há melhorias visíveis no espaço e diz que ultimamente há "muito mais gente" a calcorrear o jardim. O próprio grupo e a Junta de Freguesia dos Prazeres têm dinamizado uma série de actividades, como visitas guiadas no primeiro domingo do mês, comemorações dos dias da criança e da árvore, piqueniques e aulas de tai chi chuan para crianças.
Ao fim da manhã de quinta-feira, uma família preparava-se para almoçar no espaço e por lá também passeavam um casal de idosos e dois jovens espanhóis. Pinto Soares garante que as visitas guiadas têm estado cheias e que ao fim-de-semana "a miudagem" enche o grande relvado existente. "E há festas e tudo", diz, feliz por ver que há cada vez mais gente a render-se aos encantos da Tapada das Necessidades.

29/07/2011

Passos acaba com TGV

In Sol Online (29/7/2011)
Por Frederico Pinheiro e Sofia Rainho

«O TGV não vai chegar tão cedo a Portugal. O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, decidiu anular o contrato para a construção da linha de alta velocidade ferroviária Poceirão-Caia, apurou o SOL.

Prevê-se agora uma dura luta em tribunal entre o Estado e as empresas privadas responsáveis pelo projecto para apurar se haverá lugar ao pagamento (ou não) de indemnizações.

Passos Coelho assumiu a responsabilidade deste dossiê, definindo que a última palavra seria sua. Nem mesmo o ministro da Economia, que tutela o sector, teria poder de decisão sobre este projecto com forte carácter político.

O ‘cartão vermelho’ ao TGV foi mostrado depois de o Tribunal de Contas(TC) ter informado o Governo que não teria de indemnizar os privados caso anulasse o contrato, pois a obra ainda não recebeu o visto prévio – luz verde – da instituição.

Para não incorrerem em mais gastos, as empresas de construção pararam as obras, tal como o SOL noticiou na última edição.»

...

Que o TGV já devia ter sido feito há pelo menos 15 anos, devia. Que o actual percurso e sobretudo as paragens, eram de rir, eram. Que a TTT era um atentado, era. Que estava tudo montado para ser um forró para meio-mundo, estava. Se o cancelamento do TGV em vez de o repensarem com calma, no seu traçado, forma de chegar e partir da capital, financiamento, cronograma, etc., é de facto a decisão melhor para o país, não sei, talvez não seja.

Bairro Azul - obras no edifício nr. 17 da Avenida Ressano Garcia


Chegado por e-mail:


«Exmos. Senhores
Vereador Arq. Manuel Salgado
Vereadora Drª Catarina Vaz Pinto

c.c.Dep. Património

Ass: Bairro Azul - obras no nr. 17 da Avenida Ressano Garcia

No seguimento do nosso e-mail do passado dia 22 de Junho, a propósito da remoção do telhado do edifício nº 17 da Avenida Ressano Garcia - edifício que, recordamos, está protegido ao abrigo da classificação do Bairro Azul como Imóvel de Interesse Municipal – informamos que, após a remoção da totalidade do telhado, foi removida a estrutura de madeira que lhe servia de suporte e os tectos e paredes do último andar, sendo que as empenas laterais não foram ainda devidamente escoradas.

Dado que desde 2002 que estamos à espera que a CML elabore e divulgue um Regulamento que defina claramente as “regras” a adoptar nas obras de Reabilitação do Bairro, agradecemos um esclarecimento da parte dos serviços que V. Exas. tutelam quanto ao objectivo e legalidade da obra que está a ser feita naquele edifício.

Melhores Cumprimentos,
Pela Comissão de Moradores
Ana Alves de Sousa»

28/07/2011

ESTRATÉGIA DE REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA 2011-2024

A ESTRATÉGIA DE REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA 2011-2024 e a Delimitação da Área de Reabilitação Urbana (ARU) estão em consulta pública de 12 de Julho a 8 de Agosto, realizando-se uma Sessão de Esclarecimento no dia 18 de Julho, às 18h, no CIUL (Centro de Informação Urbana de Lisboa), Picoas Plaza.

Esta proposta foi aprovada em reunião de câmara de 27 de Abril, tendo já obtido o respectivo parecer do Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU).

Além de passar a considerar como área de reabilitação urbana toda a cidade consolidada, estendendo assim todos os incentivos e benefícios previstos a qualquer intervenção de reabilitação, a estratégia proposta assenta nos seguintes objectivos:

- Reabilitar a cidade, aumentar a coesão social, rejuvenescer o centro de Lisboa, atrair novas famílias, fixar empresas e emprego;

- Reocupar e reutilizar o edificado existente, compactar a cidade consolidada aumentando a qualidade ambiental e a eficiência energética;

- Dar prioridade à conservação periódica do edificado;

- Reabilitar o edificado degradado atendendo ao risco sísmico e de incêndio;

- Manter a memória da cidade, restaurar o património histórico, arquitectónico e paisagístico de Lisboa;

- Manter, recuperar, valorizar e requalificar os equipamentos colectivos e o espaço público;

- Regenerar os Bairros de Intervenção Prioritária/Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP).

in www.cm-lisboa.pt

NOTA: Tudo objectivos muito nobres e a par com o que se faz (já lá vão décadas!) no resto da Europa desenvolvida. Mas então porque razão a CML continua a aprovar pedidos que mais não são que falsas reabilitações, como a que vemos na imagem (Rua Ivens, 21-33)? Manter uma fachada de um imóvel dos finais do séc. XVIII em pleno Chiado é reabilitação? A «memória da cidade» como se refere pode ser reduzida a coisa tão superficial quanto uma fachada? Na nossa opinião há sinais evidentes, por toda a cidade, que denunciam uma falta de substância teórica na área da reabilitação. Cidades como Guimarães, por exemplo, revelam um entendimento muito mais sério e consistente do que é reabilitação do património arquitectónico e urbanístico. Em Lisboa ainda estamos na infância da reabilitação urbana. E em certos casos, estamos mesmo perante crimes contra o património de Lisboa.

Frente Tejo SA. Governo desmantela empresa e poupa 400 mil euros anuais em salários

In I Online (28/7/2011)
por Carlos Ferreira Madeira


«A empresa criada pelo governo de José Sócrates para a requalificação ribeirinha de Lisboa tem os dias contados

O governo prepara-se para desmantelar a Frente Tejo SA, uma sociedade anónima de capitais exclusivamente públicos constituída em Julho de 2008 pelo executivo de José Sócrates para requalificar a frente ribeirinha de Lisboa, cujo conselho de administração custou aos cofres do Estado 403 556 euros o ano passado. Este valor resulta da soma total de remunerações e contribuições sociais, subsídio de almoço, seguro de saúde, despesas com telemóvel, combustíveis e viatura de serviço.

A solução final para a Frente Tejo SA integra-se nos planos de redução de despesa pública do actual executivo para redução do défice orçamental. E este será um exemplo em que o governo pretende mostrar como é possível cortar nos gastos.

A Frente Tejo SA constitui, de resto, um caso único na administração do Estado, já que se encontra sob a tutela da presidência do Conselho de Ministros. Durante o governo socialista, Pedro Silva Pereira era o ministro que tutelava a pasta. Agora as competências passaram para o ministro adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, o braço-direito do primeiro ministro Pedro Passos Coelho. Segundo informações recolhidas pelo i, houve uma reunião entre Pedro Silva Pereira e Miguel Relvas para "passagem de testemunho" após as eleições legislativas de Junho e o dossiê Frente Tejo foi um dos que estiveram em cima da mesa.

A solução jurídica para desmantelar a Frente Tejo ainda está a ser estudada. O executivo pondera duas opções: integrar o legado da Frente Tejo na Parque Expo e distribuir os projectos pela Câmara Municipal de Lisboa, Turismo de Portugal e Ministério da Administração Interna. Isto porque a Frente Tejo ainda tem a decorrer três grandes projectos de intervenção, na Ribeira das Naus, no Terreiro do Paço e na Ajuda-Belém, todos em Lisboa.

O grande projecto da Frente Tejo é o novo Museu dos Coches (Ajuda-Belém), com um orçamento de 41,134 milhões de euros, dos quais 17,746 milhões estão executados e 36,293 milhões de euros comprometidos.

No Terreiro do Paço é preciso ainda fazer a ligação do Arsenal à Alfândega, recuperar as fachadas dos edifícios da praça, reinstalar o terceiro andar da ala nascente e completar a iluminação urbana. Já foram executados 9,030 milhões de euros e existe um orçamento de 5,68 milhões ainda por concretizar. Para a Ribeira das Naus estão orçamentados mais 11,825 milhões de euros para trabalhos no espaço público e trabalhos fluviais.

A Frente Tejo SA tem um conselho de administração presidido por João Biencard Cruz e três vogais: Rita Barata Cabral, Isabel Feijão Ferreira e Luís Pedro Catarino. Segundo o relatório de Gestão e Contas da Frente Tejo de 2010, a remuneração base de João Biencard Cruz ficou em 5871 euros mensais depois de o governo Sócrates ter cortado em 5% o vencimento dos gestores públicos, em Junho de 2010. Antes era de 6180 euros. Rita Cabral e Isabel Ferreira passaram a receber 5016 euros mensais, quando antes recebiam 5280. Já Luís Pedro Catarino recebe agora 9769 euros mensais - vencimento superior ao do presidente do conselho de administração -, quando recebia 7125 euros. Luís Catarino, que passou pela empresa Sim Tejo, optou por manter o ordenado anterior.

Aos quatro membros da administração junta-se uma estrutura de apoio com três pessoas - uma secretária, um assistente de direcção e um responsável administrativo - que custa 60 mil euros mensais.

A sociedade de capitais públicos também paga senhas de presença a três pessoas da mesa da assembleia-geral: 600 euros à presidente, Filomena Bacelar, 500 euros à vice-presidente, Clara Silva Santos, e 400 euros à secretário, Maria Pita Dias. A assembleia-geral reuniu-se 11 vezes em 2010, com um custo de 16 500 euros.»

...

E também no Público, AQUI.

...

A esta notícia, a confirmar-se, aplaudo-a de pé!!

27/07/2011

LARGO DO CALHARIZ: conflito entre peões e automóveis continua...

O conflito entre peões e viaturas automóveis continua bem caótico no Largo do Calhariz. Esta verdadeira plataforma de distribuição de milhares de peões entre o Chiado, Bairro Alto, Santa Catarina, continua à espera que a CML lhe reconheça a sua vocação natural de "LARGO" para uso e vida pedonal. Os poucos lugares de estacionamento à superfície que ainda por lá vemos são um absurdo se considerarmos que a intensa circulação de peões devia já estar reflectida num dimensionamento correcto dos canais pedonais. Este largo está entalado entre dois parques públicos de estacionamento (Camões e Combro)... Para quando a supressão dos lugares de estacionamento para alargamento dos passeios? E assim vai Lisboa no verão de 2011.

Perante a impotência que nos domina … e a indignação que nos paralisa ...é preciso ... Agir ! Por António Sérgio Rosa de Carvalho.


A 10 de Julho de 2011 publicava o Público esta foto-montagem comparativa com a seguinte legenda:
Uma avenida que não volta a ser o que foi
"Quem a viu e quem a vê. A Avenida da República, no centro de Lisboa, está praticamente irreconhecível. Não fossem os dois prédios que se erguem à direita das fotos, e que teimam em resistir à passagem do tempo, e à voracidade dos promotores imobiliários, e as duas imagens nada teriam em comum. As árvores antes frondosas e em grande número são hoje uma sombra do que já foram, tanto em número como em vitalidade. O eléctrico já por lá não circula, e os automóveis são agora reis e senhores, embora também os autocarros por aqui passem em grande número. Os palacetes e prédios de dois, três, quatro ou no máximo cinco pisos foram, na sua esmagadora maioria, desaparecendo ao longo dos anos, e aquilo que hoje temos é uma avenida “desdentada”. Homogeneidade é coisa que aqui não existe, não só em relação aos estilos arquitectónicos dos edifícios, mas principalmente em relação às suas alturas."(...) Ines Boaventura in Publico

Todos nós podemos reconhecer os efeitos deste processo que já vem de longe e que parece imparável ...
Este "blog" divulga permanentemente estes casos em sucessivos "cris de coeur" ... Mas ...

Não se tornou imperativo ... ir ao fundo do processo ... ir mais longe e perguntar PORQUÊ ?!? ... Como foi possível e como CONTINUA, cada vez mais, a ser possível assistirmos a isto paralisados por um torpor inerte ... oscilando entre indignação e apatia ... como se isto não estivesse REALMENTE a acontecer ... todos os dias ... e nós não estivessemos a assistir ... portanto, em cumplicidade ...


Claro que esta atitude vem de longe ... Quando o “Heron Castilho” estava em construção o “Establishment” académico louvava este tipo de intervenção como “defesa do Património” ...
Além de que o Instituto do Património nunca conseguiu uma verdadeira independência ( nomeações políticas) nem desenvolver uma verdadeira Escola de Restauro ... tanto ideológica como práctica ... os resultados são claros e nitidamnente visíveis nas Avenidas ...
Neste processo participaram TODOS os Vereadores do urbanismo até à data ...





É impossivel encontrar um melhor e mais ilustrativo exemplo da confusão de critérios e da manipulação de principios e ideias sobre os conceitos de “Restauro” e “Preservação” do Património ... do que a própria intervenção no edifício-sede da própria Ordem dos Arquitectos ...
Não se manifestou de imediato a Ordem no caso do Largo do Rato em Manifesto Público de apoio ...? Não reuniu o seu Presidente, de imediato 200 assinaturas de apoio ao desnecessário Projecto do Museu dos Coches ... ? numa nítida e clara atitude de "Clube" e "Esprit de Corps" Corporativo ?





Um dos muitos e inúmeros casos ilustrados neste "blog"
Avenida da Liberdade ... os efeitos preversos do PUALZE ... O Vereador do Urbanismo Manuel Salgado prepara-se para demolir este edifício ...


Se fosse agora ... este também não tinha resistido ... não interessa e é irrelevante ... o nome que se dá ... aos Planos ... eles demonstram na práctica efeitos perversos e destruidores de forma irreversivel do Carácter e da Identidade da Cidade de Lisboa ... O síndrome de “Alinhamento de Cérceas” é perverso e destruidor ....




No entanto, no meio da confusão de critérios e arbitariedade de decisões ... ainda é possivel encontrar na Avenida da Liberdade ... um exemplo de Reabilitação mais correcto ...


Avenida da Liberdade



É "nisto" que estamos a transformar as Avenidas de Lisboa ... E quando digo "estamos"... é porque ao aceitarmos este "Status Quo" ... estamos a consentir ... "Quem cala consente" ...



Aberrações destas são impossiveis de encontrar no resto da Europa ... só na América Latina ... neste caso no Rio de Janeiro ...





Entretanto por cá ... em Lisboa ... na Avenida da República ...
A "Isto" continua-se a chamar "Reabilitação Urbana"



Uma das muitas e sucessivas ilustrações do “modus operandis” dos eleitos e responsáveis perante os desafios Patrimoniais, constituindo um verdadeiro “Status Quo” com Arquitectos , Promotores e “Técnicos”.
Em Lisboa procede-se à demolição sistemática de interiores intactos de edifícios com Valor Patrimonial inquestionável, para depois se efectuarem intervenções Híbridas e Alienantes ... mas com a utilização desonesta, intelectualmente e culturalmente, de argumentos da Carta de Veneza ... à volta do conceito de “pastiche”... para justificar o injustificável e inaceitável ...
Deixo-vos uma passagem de um texto da minha autoria ...

“No presente , a consciência da autenticidade única da textura e do tecido histórico, assim como o reconhecimento do carácter único da sua inerente energia criadora e artística, valores tão defendidos por Ruskin e por Morris, foi aceite por todos e institucionalizada pela Carta de Veneza em 1964 e adoptada pelo ICOMOS em 1965.
A consciência do valor intríseco e específico das intervenções nas diversas épocas de um Monumento e a sua aceitação, foi também oficialisada pela mesma Carta e Instituição, rejeitando-se assim oficialmente e definitivamente, o conceito de Restauro em “Unidade de Estilo”.
Assim, o conceito de “Conservação acima do restauro”, tornou-se éticamente a única atitude aceitável e possivel, partindo da permissa Ruskiniana, mas com uma interpretação ligada a consequências com alguns aspectos curiosos ...
A norma adoptada pelo ICOMOS é a de, que depois da atitude de conservação e manutenção máxima e rigorosa da autenticidade do material histórico presente no Monumento, atitude que corresponde a um rigor de principio, com o qual todos concordamos, reflexo de um simples bom senso aceite universalmente, toda e qualquer intervenção posterior deve ser demarcada através estilo que denuncie claramente o contemporâneo.
Ora o contemporâneo é neste caso interpretado, depois da “victória” cultural do Modernismo como estilo, no pós-guerra, como algo abstracto e depurado de forma minimalista.
Esta situação, de pura influência ideológica, perfeitamente datável e nesse sentido imposta, torna-se mais clara ao aproximarmos o trabalho da DOCOMOMO, a organisação das Nações Unidas que se dedica à defesa dos Monumentos Modernos (leia-se Modernistas).
Assim, têm-se sem hesitações, reconstruído na integra, notáveis e magnificos Monumentos do Periodo Heróico do Movimento Moderno, tais como o Pavilhão Mies van der Rohe (Barcelona) o Café de Unie em Roterdão (etc.,) e têm-se restaurado em “Unidade de Estilo” Monumentos como a Fábrica Van Nelle, O Sanatório “Zonnenstraal” em Hilversum, a “OpenluchtSchool” em Amsterdão , etc, etc,.
Chegou-se mesmo ao ponto de propôr a construção de edifícios nunca construídos e que tinham ficado apenas como projecto.
Esta atitude é apoiada sem reservas e aplaudida pela grande maioria da classe arquitecta, com convicção e nostalgia.
Mas quando chegamos, à hipótese da aplicação da mesma atitude aos Monumentos anteriores a este periodo, aí, imediatamente grita-se de forma furiosa e indignada : “Sacrilégio”! “Sacrilégio”! “Pastiche”! Pastiche”!
Verificamos assim , dois critérios, dois pesos e duas medidas, determinados claramente por uma ambígua, subjectiva e ideológicamente motivada dualidade.”
António Sérgio Rosa de Carvalho
In “História das Ideias , História da Teoria da Arquitectura e Defesa do Património”, 2010, Scribe
.



Avenida da República



Bogota


Caracas

«A cidade mais bonita do Mundo»
assim classificava o Vereador Manuel Salgado, Lisboa ... mas dizendo também : «Podemos ter edifícios altos, mas sem descaracterizar a cidade histórica e a sua ligação com o rio»
Até agora Lisboa conseguiu resistir a várias tentativas de descaracterização irreversível e definitiva da sua linha de horizonte fluvial (exceptuando as Torres das Amoreiras ), mas esta descaracterização já se instalou fortemente nas Avenidas, mostra-se imparável, e continua a ser fomentada pelos responsáveis e eleitos ...





O autor agradece a cortesia a "Skyscraper" da utilização de algumas imagens neste “post”

Unidade de Execução do Interior do Quarteirão dos Marianos

Abertura do período de discussão pública
Aviso n.º 14958/2011. D.R. n.º 143, Série II de 2011-07-27

Obras no prédio do Jamaica sem fim à vista

In Público (27/7/2011)
Marisa Soares

«Os trabalhadores das discotecas Jamaica, Europa e Tokyo, encerradas desde Maio após o colapso de parte do edifício situado no Cais do Sodré, em Lisboa, enviaram ontem um abaixo-assinado ao presidente da câmara, no qual pedem uma data definitiva para a reabertura. O edifício está a sofrer obras de beneficiação a cargo da autarquia, que tomou posse administrativa do imóvel perante os "incumprimentos sucessivos" dos proprietários. Quase três meses depois, ainda ninguém sabe quando termina a intervenção.

Em causa podem estar cerca de 20 postos de trabalho, que os proprietários das discotecas não sabem até quando poderão manter. "A obra está a decorrer a bom ritmo, mas a câmara ainda não disse quando deve terminar. Precisamos de prazos para tomar decisões", diz Fernando Pereira, sócio-gerente do Jamaica.

Só no caso desta discoteca, diz, os prejuízos ultrapassam os 10.000 euros mensais. "Se as obras não acabarem rapidamente, talvez não consigamos manter os ordenados dos trabalhadores", admite.

No abaixo-assinado, os funcionários pedem à câmara uma "solução rápida" deste caso. O PÚBLICO questionou o gabinete do vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, mas não obteve resposta. Um dos proprietários do imóvel, Diogo Tavares de Carvalho, diz que contactou a autarquia, em Junho, com vista a "recuperar a posse do edifício e suceder à câmara na realização das obras", mas esta não respondeu. "Tentámos fazer um ponto de situação das obras com o empreiteiro, mas ele não forneceu os dados nem mostrou interesse", acrescenta.»

DCIAP investiga decisões da Câmara de Lisboa que legalizaram obras no Hotel Internacional

In Público (27/7/2011)
José António Cerejo

«"Averiguação preventiva" foi iniciada no ano passado, ignorando-se o seu estado actual. Senhorias processaram Costa e Salgado por injúrias e difamação

O Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) abriu no final do ano passado uma "averiguação preventiva" destinada a apurar se existe fundamento para desencadear um inquérito criminal relacionado com as circunstâncias em que o presidente e o vice-presidente da Câmara de Lisboa legalizaram as obras efectuadas, sem licença municipal, pela empresa que explora o antigo Hotel Internacional, na Baixa da cidade.

Sob investigação está a legalidade dos despachos de António Costa, de Janeiro de 2010, que revogaram a decisão camarária de 2007 que fez cessar a exploração do estabelecimento e viabilizaram a apreciação de projectos de obras apresentados pelos inquilinos sem aprovação dos senhorios. Igualmente em causa está um despacho de Manuel Salgado, vice-presidente e vereador do Urbanismo, que legalizou na mesma altura as obras feitas pela sociedade inquilina no interior do edifício da Rua da Betesga, contra a vontade de parte dos senhorios e sem licença camarária, e que tinham sido anteriormente embargadas pelo município.

As decisões de Costa e Salgado foram noticiadas pelo PÚBLICO em Outubro. Para justificar a orientação dada aos serviços no sentido de não averiguarem previamente, como a lei determina, a existência de uma autorização dos senhorios para a realização de obras por parte dos inquilinos, António Costa declarou então que "deixou de ser política da Câmara de Lisboa proteger senhorios parasitas que querem impedir os inquilinos de fazerem a reabilitação que é essencial para a cidade".

Considerando-se ofendidas por estas declarações, depois subscritas por Manuel Salgado, algumas das senhorias do edifício onde está instalado o hotel - que agora funciona com o nome de Internacional Design Hotel sem o necessário alvará - avançaram com duas queixas-crime contra os dois autarcas, no final de Abril, acusando-os de injúrias e difamação. As queixosas são proprietárias de um dos edifícios onde está instalado o hotel, com um total de quatro pisos e 1620 m2 de área e recebem uma renda mensal de 611 euros. »

26/07/2011

PUBLI-CIDADE: Rua de São Paulo

Arqueologia da Publicidade em Lisboa? Estes objectos deviam ser integrados no espólio do Museu da Cidade. É lá o lugar mais adequado. Aqui apenas constituem um risco para a segurança dos peões.

Cadê?


O «Na minha rua» morreu, foi?

Av. João Crisóstomo

Era este o estado do quarteirão da Av. João Crisóstomo junto ao Jardim do Arco do Cego, ontem à hora de almoço.

Lixo, lixo e mais lixo. Esta é uma situação recorrente neste quarteirão, que passa dias e dias e às vezes mais de uma semana sem ser limpo, só assim se explicando esta nojeira e em que em dias de mais calor, como foi já o dia de hoje, o cheiro é nauseabundo.

Já agora vamos ver também para quando a limpeza das caldeiras das árvores. Da última vez que estiveram assim "floridas" atingiram mais de 1 metro de altura.


25/07/2011

Onde estão os quiosques e esplanadas prometidas para a Duque de Ávila


Em 22 de Fevereiro deste ano, o Vereador Sá Fernandes anunciava no seu blog, que a Av. Duque de Ávila ira ter "uma ciclovia, mais de dez esplanadas e quiosques".


A abertura das proposta estava marcada para o dia 5 de Abril. Estamos em finais de Julho, e o que é que temos:

Quiosques nem vê-los. Esplanadas, das mais de dez prometidas, vêem-se timidamente 4. A única coisa que foi cumprida é a ciclovia, mas sem bicicletas.

Mais uma vez o Zé, não cumpre as suas promessas e engana os Lisboetas.

CAMPO de OURIQUE: mais dois imóveis ameaçados de demolição

Este conjunto de 2 edifícios de habitação colectiva com fachada de azulejo - na Rua Almeida e Sousa, 5 e 7 torneja Rua Luís Derouet - estão, por despacho recente do Vereador Manuel Salgado, ameçados de demolição.


Como é possível que a CML entre assim em contradição? No documento da ESTRATÉGIA DE REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA 2011-2024 (que se encontra em consulta pública até 8 de Agosto) afirma, e muito bem, que é preciso incentivar a reabilitação e recuperação, para, entre outros benefícios de âmbito ecológico, preservar a «memória da cidade». Mas depois de afirmar o politicamente correcto, e como já vem sendo hábito, aprova sem hesitar (e ignorando até os próprios pareceres dos serviços municipais) a demolição de imóveis e conjuntos como este de óbvia importância para a memória da cidade. Mais: estes imóveis são perfeitamente recuperáveis. A proprietária destes dois imóveis é a CAFE, a mesma que conseguiu a licença de demolição do prédio de gaveto na Av. Casal Ribeiro 1 (que foi morada de Fernando Pessoa). Coincidências? Contradições?

Estes dois prédios são paradigmáticos da diversidade de revestimento azulejar na arquitectura lisboeta no início do séc. XX. A fachada do nº 7 está totalmente revestida de azulejos estampilhados, com cercadura, em dois tons da mesma cor (verde). Esta técnica foi utilizada num número muito limitado de padrões e num exclusivo da Fábrica Viúva Lamego de Lisboa. A fachada do nº 7, que torneja para a Rua Luís Derouet através de uma elegante curva, está revestida de azulejos estampilhados com cercaduras em todos os pisos. O padrão, conhecido pelo nome de “crochet”, foi produzido por várias fábricas (Viúva Lamego, Carvalhinho, Sacavém) em diversas variantes cromáticas e usando mais do que uma técnica (estampilhagem, aerografagem).