...

...

08/11/2015

«Porta sim, porta não, a Baixa está entregue aos turistas‏»

A Câmara de Lisboa não disponibiliza dados sobre a dimensão da oferta hoteleira na Baixa mas basta um passeio pelo local e uma pesquisa online para encontrar mais de 60 hotéis e alojamentos locais. É preciso repensar esta “Disneylândia de hotéis”, diz uma deputada municipal do PSD
[...]
O PÚBLICO quis saber exactamente quantos hotéis e AL existem na Baixa Pombalina e a quantas camas correspondem, quantos projectos turísticos e destinados a habitação foram aprovados nos últimos tempos. Mas nem a Câmara de Lisboa nem a Associação de Turismo de Lisboa revelam dados. Um mês depois de receber as perguntas, a autarquia respondeu apenas que “está em elaboração um levantamento exaustivo no âmbito do estudo sobre o impacte do turismo na cidade, cujas conclusões serão divulgadas oportunamente”.
Margarida Saavedra, deputada do PSD na Assembleia Municipal de Lisboa (AML), tentou saber o mesmo. Nesta terça-feira vai repetir as perguntas pela terceira vez, na reunião deste organismo. "Estou muito preocupada. Demorámos muitos anos a repovoar a Baixa. O turismo é óptimo para a cidade mas não pode alterar as condições das pessoas que vivem lá." A deputada considera que o "licenciamento selvático" de unidades hoteleiras está a transformar a Baixa Pombalina numa "Disneylândia de hotéis", onde os poucos moradores - idosos que sempre viveram ali e casais jovens com filhos que estão a apostar no centro da cidade - estão a ser "escorraçados".
Lisboa é outra Barcelona?
Em Julho, o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, afirmou que o tal estudo estaria pronto até ao final do ano. Embora tenha reconhecido que existe “um problema por concentração excessiva” de alojamentos turísticos em áreas da cidade como a Baixa-Chiado e os bairros históricos, Salgado ressalvou que a capital, com cerca de 9 milhões de dormidas por ano, ainda não está ao nível da espanhola Barcelona, onde a pressão turística levou a presidente da câmara a suspender durante um ano a concessão de licenças para a construção de hotéis.

João Seixas, professor de geografia na Universidade Nova de Lisboa, não concorda: “Os números não podem ser vistos apenas em termos de volume.” O investigador, doutorado em Geografia Urbana pela Universidade Autónoma de Barcelona, lembra que os 18 milhões de dormidas registados na capital da Catalunha têm impacto num município com 1,5 milhões de pessoas, enquanto que os 9 milhões de Lisboa vão quase todos para a Baixa, Belém, Alfama, Castelo, além de Cascais e Sintra, onde no total vivem cerca de 500 mil pessoas. “Conclusão: a pressão em Lisboa é maior do que em Barcelona, sobretudo em determinadas zonas”, afirma, sublinhando que “é preciso dizer isto mas sem alarmismos”. Até porque esta a “pressão profunda” corresponde um “impacto económico profundo”.
artigo completo aqui:

4 comentários:

São disse...

Turistas e tornou-se tb num gueto paquistanês

Anónimo disse...

Portanto o sr professor diz que o turismo se concentra por meia Lisboa e arredores e são 500000 pessoas. Vir confrontar uma ideia com uma conclusão tirada assim... parabéns professor e continuação do bom trabalho!
Também me parece estar a tornar-se excessiva a concentração de hoteis na baixa.

Vasco disse...

Está entregue aos turistas sim, só que dantes estava entregue ao... abandono. A questão é essa. Agora é mau, mas anteriormente era uma mer**.


Vasco disse...

Tanto Lisboa como Barcelona têm municípios com áreas quase iguais. A diferença é apenas o número de habitantes. Barcelona não tem prédios vazios a cair de podres. Lisboa sim, e muitos. Não foram os turistas que afastaram os habitantes da Baixa, mas um conjunto de legislações patéticas durante décadas, como lei das rendas congeladas, lei das heranças, as quais ficam nos tribunais décadas a fio, e por fim a burocracia infernal da CML que afasta qualquer investidor português ou estrangeiro. Finalmente com a crise as coisas parecem estar a mudar.