...

...

30/05/2017

Era uma vez um Palácio chamado de Rio Maior (Anunciada) #2


Fotos do 2º edifício, colado ao Atheneu, que já era, aliás:

6 comentários:

Anónimo disse...

Desapareceram esses interiores todos? Assim nascem os "condóminos" ofuscantemente brancos a lá moderna

Anónimo disse...

Nem mais anónimo das 11:52; são todos iguais! As mesmas cores, os mesmos materiais, as mesmas tipologias, a mesma vulgaridade..

Anónimo disse...

Não sei se os senhores construtores civis (não dignos de outro nome) têm noção do D I S P A R A T E. Como qualquer pessoa sabe, interiores destes não são recreáveis com tamanha originalidade e harmonia. Um qualquer apartamento decentemente remodelado com tantos detalhes originais valorizaria muito mais o projecto global do empreendimento. Sem falar na quantidade de pessoas importantes para a nossa história que passaram por essas salas. Já chega destas recuperações manhosas de fachada nobre e interiores de Telheiras.

Anónimo disse...

Há uns tempos que não se destruía o património com tamanha velocidade e impunidade como vem a acontecer nos dias que vão correndo. É triste porque esta cidade está a morrer para dar lugar a uma coisa ao estilo "pato bravo", asséptica e requalificada mas sem Alma. Estão, aos poucos, a destruir o charme que Lisboa tinha, sem qualquer respeito pelo património, pela arquitetura pela homogenia e harmonia originais. Deitam-se casas antigas abaixo para dar lugar a mamarrachos que em alguns casos mais parecem uns bunkers. Assistimos impotentes a esta barbárie e o nosso silêncio e passividade são o melhor aliado destes autarcas que para além de prepotentes, se estão nas tintas para os cidadãos. tenho escrito para a Camara de Lisboa mas sei que uma pessoa sozinha não tem grande impacto. Quero ver se vou à próxima assembleia geral e já agora, se for necessário fazer numero para manifestar contra estes crimes públicos contra o património, contem comigo. Obrigada MariAna Brito

Anónimo disse...

Cara MariAna Brito obrigado! Conto saber noticias suas

LuisY disse...

As imagens que aqui mostram de tudo o que existia e já foi destruído são arrepiantes e fazem-nos sentir impotentes perante à irresponsabilidade das autoridades (a CML e a DGPC) e a falta de cultura dos empreiteiros e encomendadores da obra.

Talvez todos nós sejamos um pouco cobardes em deixar que isto aconteça. Porque que o crime que aqui se cometeu devia-nos obrigar a ir para a rua e gritar, exigindo o julgamento dos criminosos.

Um abraço e mais uma vez felicito os autores deste blog pelo trabalho sistemático de denúncia de crimes contra o património que nesta cidade se cometem