...

...

06/05/2015

TURISMO: Rua Augusta siege

















Este fim de semana passado também foi um "preview" do dilúvio do turismo massificado que Lisboa parece atrair tão fácilmente. Turismo Sustentável? Turismo de Qualidade? Capacidade de Carga de um Bairro Histórico & Monumento Nacional? Ainda não fazem parte do vocabulário de muitos dos nossos governantes e políticos. Quando a Baixa ficar reduzida a uma enorme ratoeira para Turismo de baixa qualidade, e as perdas começarem a ser óbvias e negativas para o perfil da cidade no seu todo, aí sim, talvez apareçam políticos oportunistas que se vão apresentar como messias e salvadores do "património, da tradição e da alma da baixa". Mas para já, venha mais 1 milhão de turistas para encher os novos hotéis e depois logo se vê os efeitos que tem na cidade histórica.



24 comentários:

Anónimo disse...

Ena pá tantos carteiristas, também é um tipo de economia a crescer.... enfim Portugal no seu melhor

Anónimo disse...

Um grupo de escuteiros já não pode parar para ver um espectáculo de rua...

Anónimo disse...

velho do restelo...

Anónimo disse...

Sim, de facto aqui devem estar tantos carteiristas e traficantes de louro prensado quanto turistas já que na baixa é ela por ela. ANOS E ANOS DISTO E NADA SE FAZ!!!

Anónimo disse...

Onde é que alguém vê aqui escuteiros??!!

Anónimo disse...

Aquela malta bem no meio de mochilas, calções e meias compridas com jarreteiras.

Anónimo disse...

Ainda gostava de saber a despesa per capita que fazem em Lisboa (este blog é sobre Lisboa) os elementos das multidões de turistas de havaiana no pé, lata de cerveja ou coca-cola na mão, que passam a noite em alojamentos clandestinos (onde não se pagam impostos), gastam os dias passeando a pé a sua bagagem com rodas pelos locais mais imcómodos para tal se fazer, comem hamburgueres ou pizzas ou vão adquirir a comida da mais baratucha que encontram em lojas de conveniência (pessoalmente, frequento há anos 3 lojas desse tipo - 2 Pingo Doce e 1 Minipreço e sei bem o que lá agora se passa) e, à noite, emborcam cervejolas em série. Deve ser um dinheirão bem maior (e melhor) que se ter decoberto petróleo no Beato...

jac disse...

Agora até o turismo é mau. Sinceramente.
Para esta gente nada é bom.

jota jota disse...

há 50 anos atrás a baixa era o centro comercial a céu aberto de lisboa e havia gente aos magotes pelo que não percebo qual é o problema das ruas da baixa estarem agora novamente a abarrotar de pessoas

Filipe Melo Sousa disse...

Quero ver a cidade ideal preconizada pelos autores do blog sem carros, sem turistas, sem lojas chinesas e indianas (#xenofobia), sem projectos de reabilitação urbana (são todos maus). Será uma ruína deserta.

Anónimo disse...

E antes do terramoto nem queira saber, jota jota, a porcaria que ia pela zona onde foi erigida a baixa pombalina...

CAP CRÉUS disse...

O problema?
Simples:

Passo a elencar.
O lixo amontoado, a falta de condições para quem circulaa pé e de carro, a falta de segurança...
Depois temos ainda, os arrumadores, os autocarros em todo o lado, as lojas de qualidade duvidosa que abrem em todo o lado...
É para continuar?

Anónimo disse...

o que se vê não é,de fato,um turismo de qualidade;e não querer lojas do chinês não é xenofobia,é querer a qualidade dos produtos;está a tornar-se impossivel andar na baixa e apanhar o metro ao fim de semana pois estão cheios de turistas carregados com as suas malas, e o metro insiste em reduzir as carruagens...

Julio Amorim disse...

Temos o turismo e a cidade que merecemos. Mas compreendo as pessoas que nos visitam; sol, relativamente barato, liberdades para todos e etc.
Lisboa vai mudando e aposto que nem o vereador Salgado sabe como (mas isso logo se verá daqui a 10-20 anos).

Anónimo disse...

Bela foto!

Prédios limpos, reabilitados, e a serem usufruídos por quem paga a tempo e horas rendas decentes; gente na rua; pavimentos bonitos, nivelados e limpos e não calçada suja, inestética, desnivelada e imprópria para circulação que acumula todo o tipo de sujidade.

Anónimo disse...

Como já tem sido referido, enquanto quem voa para outras cidades europeias em companhias low-cost vai ter a cascos-de-rolha e acaba por perder imenso tempo e gastar o seu dinheiro nos transportes para o centro, aqui, as iluminadas cabeças, na sua ânsia de atraír toda a espécie de turistas de mochila, abriram as pernas do Aeroporto da Portela a carradas de gente que não faz cá grande despesa nem grande falta...

Anónimo disse...

Os cegos volutários, quando passam na Baixa, só vêem é prédios limpinhos e reabilitados, são incapazes de reparar que existem quarteirões INTEIROS e SEGUIDOS de edifícios abandonados (tirando as lojas quase sempre manhosas dos pisos térreos).

E que não foi ninguém viver para os poucos prédios limpinhos e reabilitados, o que há é hotéis e hostels e hotéis e hostels.

Enfim, cegueira é assim mesmo.

Anónimo disse...

Magnífico, só faltava mesmo virem queixar-se de que há turistas com malas no metro a estorvar! Daqui a bocado vêm dizer que o metro do aeroporto é um erro!

Anónimo disse...

Nostalgia barata da baixa pombalina suja, feia, porca e podre de há 25 anos atrás, do estacionamento do Terreiro do Paço, da Rua do Ouro preta de fuligem, da Ribeira das Naus com drogados à beira-rio, do Chiado completamente destruído. Preferiam retrosarias anciãs, tascos de alumínio, lojas de ferragens, mercearias sem frigorífico, riscos na parede a dizer "vota apu". Não tenho saudades nenhumas dessa cidade. Prefiro ver gente na rua e sítios onde queira entrar.

Anónimo disse...

Avençados inconscientes não faltam por aqui. Ignoram completamente o bê-á-bá sobre a convivialidade da vizinhaça, do bairro, de um mínimo dos mínimos de coesão social...

O que é preciso para ficarem todos contentes é bandos de turistagem de qualidade mais que dividosa, que gasta pouco MAS TAMBÉM NÃO PEDE FACTURA. Como se topam bem...

Anónimo disse...

Os cegos volutários, quando passam na Baixa, só vêem é prédios limpinhos e reabilitados, são incapazes de reparar que existem quarteirões INTEIROS e SEGUIDOS de edifícios abandonados (tirando as lojas quase sempre manhosas dos pisos térreos).

E que não foi ninguém viver para os poucos prédios limpinhos e reabilitados, o que há é hotéis e hostels e hotéis e hostels.

Enfim, cegueira é assim mesmo."

----//---

Cego é aquele que vem para aqui debitar o spam do costume (cheio de mentiras e inverdades) e que não consegue compreender que Roma e Pavia não se fizeram num dia.

Olhe, pelo menos uma grande parte do edificado já não está a cair de podre e já não estão pejados de inquilinos a pagar 10 euros de renda!

Eu ainda sou do tempo da Baixa Assombrada/Manhosa!

jac disse...

Fixe! Agora quem é pobre não pode visitar Lisboa!
Só queremos turismo de Elite.
Devem ser esses que dão muito dinheiro a Portugal.

Anónimo disse...

Passem na Baixa e levantem os olhos do chão, isto no caso de a cabecinha não pesar por algum motivo, e vão ver como a gestão camarária de quase 8 (OITO) anos do Costa (e as anteriores) puseram aquilo tudo recuperadinho...

Cheio de avençados ando eu.

Anónimo disse...

Lisboa precisa é de milhões de turistas de pé-descalço. É um futuro radioso que a espera (e aos Lisboetas).