07/07/2011

Ribeiro Telles contra urbanização na Caparica

Ribeiro Telles contra urbanização na Caparica
por Ana Henriques in Publico


O arquitecto paisagista Ribeiro Telles é o primeiro signatário de uma petição contra a urbanização dos terrenos com hortas que existem nas chamadas Terras da Costa da Caparica. A Câmara de Almada quer prédios de habitação social nesta faixa de mais de 200 hectares de terra cultivada que abastece de produtos frescos todo o concelho de Almada, sustenta a petição, que tinha ontem à tarde 373 assinaturas. "Numa altura em que os produtos hortícolas sobem de preço todos os dias, estamos a destruir as fontes de alimentação da área metropolitana de Lisboa", indigna-se Ribeiro Telles. "É escandaloso."

O documento assegura que as Terras da Costa detêm "a maior produção de produtos hortícolas por unidade de superfície da Europa", graças às condições particulamente favoráveis de que beneficiam: uma falésia que funciona como barreira natural, protegendo as culturas de batatas, cenouras, couves e outros géneros das agressões meteorológicas, e ainda a existência de lençóis de água no subsolo, a pouca profundidade. "E agora querem fazer habitação social defronte da praia da Caparica, com uns quadradinhos de relva entre os prédios?! É uma aldrabice", alega o arquitecto.

O texto da petição diz o mesmo, embora de forma mais branda: "A Câmara de Almada pretende expropriar esses terrenos por uma soma irrisória a fim de implementar um projecto Polis de habitação social, com edifícios de seis a sete pisos com frente para a praia da Caparica, mas que tem vindo a ser denunciado como fachada para condomínios de luxo". O mesmo documento relata como uma providência cautelar interposta pelos produtores agrícolas no Tribunal de Almada já não foi a tempo de evitar que a GNR arrancasse o sistema de rega.

Desde o tempo do marquês de Pombal que as Terras da Costa são cultivadas por uma população vinda de vários pontos do país. "Por volta de 1830, a ocupação foi legalizada mediante arrendamentos. As dezenas de agricultores actuais são bisnetos e trinetos dos rendeiros originais, a que se juntaram outros", refere ainda a petição. Ana Henriques

7 comentários:

Anónimo disse...

"Numa altura em que os produtos hortícolas sobem de preço todos os dias, estamos a destruir as fontes de alimentação da área metropolitana de Lisboa"

argumentos destes não ajudam pois são incorrectos e retiram credibilidade. não são estas hortas que produzem a preços mais baixos...

de resto apoio a petição.

João Oliveira Leonardo disse...

http://www.peticaopublica.com/?pi=P2011N12022

Anónimo disse...

Almada: um dos maiores cancros de Portugal

Xico205 disse...

Anónimo disse...
Almada: um dos maiores cancros de Portugal

12:34 PM

Há piores, muito piores aliás.

Julio Amorim disse...

Vamos lá importar mais alimentos porque o clima com que fomos brindados....é mais para ir para a praia.

Construir edifícios naquela zona é uma CRIME em todos os aspectos. Como de costume, haverá uns espertinhos por detrás disto tudo a puxar cordelinhos e a convidar para jantares. Porque é mesmo pertinente destruir este país todo....

Xico205 disse...

Só assim de surra, eu ontem escrevi um comentario de resposta ao Julio.

Xico205 disse...

Porquê que não o publicas? Obvio que o das 12:50 não era para publicar.

E ainda querem ser vistos como pessoas normais!!!