NÃO PERCA:

NÃO PERCA:

07/02/2007

Troca de emails sobre estado do passeio na Calçada Marquês de Tancos:


Exma Sra Engª. Carmen Antunes,

Em Novembro passado enviei-lhe o e-mail em anexo com alguma sugestões para a solução dos problemas ainda existentes no bairro do castelo em termos de circulação e estacionamento.
Dado que o problema do estacionamento sobre os passeios no Largo dos Lóios, no lado esquerdo da rua de Santiago e no lado esquerdo do final da Rua da Saudade (junto do Teatro Romano) não foi solucionado, acresce agora a este problema o facto de muitos dos passeios - reparados em Outubro! - estarem novamente esventrados e em processo de muito rápida desintegração.
Os esforços frequentemente inglórios envidados em reparações deste tipo levam-me a pensar que o dinheiro recentemente gasto pela CML num monumento ao calceteiro situado na Baixa talvez tivesse sido mais bem empregue e constituísse melhor homenagem a estes árduos trabalhadores se tivesse sido destinado à colocação de pilaretes nos passeios, a única forma eficaz e definitiva de se proteger este património que todos admiram mas ninguém parece interessado em proteger.

Atentamente

Luís Pedro Correia

PS: Talvez não fosse má ideia começar-se pela Calçada do Marquês de Tancos, cujos passeios se encontram hoje no estado que a foto anexa documenta.



--------------------------------------------------------------------------------
De: CORREIA Luis Pedro
Enviada: seg 20-11-2006 19:08
Para: 'dsrt@cm-lisboa.pt'
Assunto: RE: Resposta ao ID Nº. 80832


Exma Sra Engª. Carmen Antunes,

Agradeço a sua resposta sobre os problemas de mobilidade existentes no bairro do castelo e que foram praticamente todos solucionados com o condicionamento do trânsito na zona.
Com efeito, a mudança operada foi radical. Circula-se, mas sobretudo vive-se, agora com muito maior segurança e tranquilidade.

Apenas há a fazer dois pequenos reparos sobre "problemas que ainda se mantêm":

1. Têm ocorrido inúmeros acidentes com taxistas que não respeitam o semáforo de entrada no bairro e cujos automóveis são destruídos pela subida do pilarete. Penso que isto ocorre igualmente nos outros bairros com trânsito condicionado. Embora não sendo culpa da EMEL, talvez fosse boa ideia colocar sinalização mais visivel alertando as pessoas para esse perigo.

2. Embora exista agora oferta mais do que suficiente de lugares de estacionamento, muitos dos automobilistas - por preguiça, para ficarem uns metros mais perto de casa, mas sobretudo por falta de civismo - persistem em estacionar sobre os passeios. Isto sucede sobretudo no Largo dos Lóios, no lado esquerdo da rua de Santiago e no lado esquerdo no final da Rua da Saudade (junto do teatro romano). Tal situação poderia ser evitada se houvesse fiscalização. Como não há, a solução mais óbvia e definitiva seria colocar pilaretes nesses locais, o que tornaria o bairro absolutamente exemplar. Em que outra zona da cidade (ou do país) existe um bairro com os passeios completamente desimpedidos de automóveis ?

Agradecendo o seu contacto e transmitindo-lhe (assim como ao departamento de segurança rodoviária da CML e à EMEL) os parabéns pela solução deste problema de longa data, subscrevo-me com os melhores cumprimentos.

Luís Pedro Correia

-----Original Message-----
From: dsrt@cm-lisboa.pt [mailto:dsrt@cm-lisboa.pt]
Sent: Thursday, November 02, 2006 2:45 PM
To: CORREIA Luis Pedro
Cc: municipe@cm-lisboa.pt
Subject: Resposta ao ID Nº. 80832


O DSRT informa:

Uma vez que o encerramento do Bairro do Castelo se processou e está em fase de avaliação em questões de tráfego (circulação e estacionamento) estes serviços e a Emel estão a levantar os problemas que ainda se mantêm!!

Com os melhores cumprimentos,

A Chefe de Divisão

Engª. Carmen Antunes

2 comentários:

amílcar esteves disse...

uma pergunta (ingénua talvez): para que departamento municipal devem ser enviados pedidos análogos? Valerá a pena enviar para outros serviços e instituições? Se sim, quais?

Muito obrigado

Luís Pedro Correia disse...

Eu penso que vale sempre a pena enviar para diversos serviços. Há serviços camarários que funcionam surpreendentemente bem. Não é o caso deste, que demorou quase um ano só para formular uma resposta.
De qualquer modo, o procedimento normal é enviar qualquer reclamação para o e-mail do munícipe:

municipe@cm-lisboa.pt

Este serviço tem a obrigação de abrir um processo para cada reclamação, dirigindo-a para os serviços competentes e notificando o reclamante do destino dado à reclamação. A partir daí ficamos normalmente a saber qual o serviço a que foi entregue o caso e "basta" andar em cima dele, sobretudo quando se consegue chegar à pessoa directamente responsável.
Boa sorte!