...

...

17/09/2016

Palácio da Ajuda


Chegado por e-mail:

«Boa tarde


Hoje, 17 de Setembro, apareceu na primeira página do "Expresso" um projecto para concluir o Palácio da Ajuda. Ora, o que eu vi foi um verdadeiro CRIME: em vez de fazerem segundo o projecto original, vão fazer à maneira moderna! Não tem lógica nenhuma fazer uma parte do Palácio segundo a arquitectura contemporânea, quando o Palácio é em estilo neoclássico!

Se quiserem ver como está projectado, é só ver a primeira página do "Expresso"! Quanto a mim, aquele "remendo" é uma verdadeira ABERRAÇÃO!

Cada vez que eu me lembro que em Berlim estão a reconstruir o Palácio Real, segundo o projecto original...

Mas, melhor que as palavras, falam as imagens; que eu envio!

Concluir o Palácio da Ajuda,sim. Mas desta maneira, NUNCA, JAMAIS, EM TEMPO ALGUM!!!!!

Cumprimentos!

Álvaro Pereira»

22 comentários:

Anónimo disse...

De acordo!
Visto assim por alto parece um edifício que foi "serrado".

Anónimo disse...

E vamos ficar-nos pela indignação inconsequente ou vamos organizar formas de resistência contra esta tentativa de destruição do Palácio da Ajuda?

É que depois de feito o estrago será irreparável: isto não pode acontecer.

Anónimo disse...

Você é muito retrógrado... Veja em que século vive e depois morda a língua. Onde é que já se viu estar no séc. XXI e querer construir como se fazia em outro século, para não mencionar que as técnicas de construção mudaram! Se não gosta? Não visite. Quanto ao palácio que estão a construir em Berlim? Não está a falar do que vai virar um centro comercial ? Pois.... Se calhar devia usar melhor as suas referências!

Anónimo disse...

Para fazerem este nojo, mais valia deixarem como está.
Mas será muito difícil aos srs. arquitetos fazerem um projeto como deve de ser? Se o palácio é em estilo neoclássico, têm de fazer abortos estéticos como este para quê?!

Anónimo disse...

Acho o projeto uma excelente solução, não só assume pela sua solução arquitetónica que o palácio não está terminado como permite facilmente que no futuro se possa continuar a construção.
Usar o exemplo do Stadtschloss é um pouco irónico, a construção em Berlim arrasta-se há anos com problemas de financiamento para um palácio com uma volumetria idêntica ao que está construído na Ajuda e que terá a fachada oriental no mais vulgar desenho contemporâneo.
Para relembrar, o que está construído na Ajuda não chega a 1/3 do projeto final. Talvez um dia haja o dinheiro para o terminar, mas não será tão cedo.

Rui disse...

Isto só pode ser uma piada de mau gosto!

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

Numa primeira impressão, não acho um desastre o projecto para o espaço.

Não me parece que a escola de arquitectura portuguesa optasse por um projecto que viesse a imitar o pré-existente. Este tem o mérito de continuar a linguagem do palácio colocando duas torres com janelas semelhantes às actuais, mantendo os três arcos da entrada, dignificando a ligação à calçada da Ajuda.

Poderíamos ter um remate igual à fachada nascente, mas a boa verdade é que isso nunca exisitiu.

O que lá está é que é um verdadeiro escândalo.

Não conheço os outros projectos, se algum melhor do que este existiu e não foi escolhido, que se expliquem os sr.s políticos. ministro da cultura, PCML.

Anónimo disse...

Não gosto por aí além, mas poderia ter sido infinitamente pior. O projecto original era três vezes maior do que o que foi construído, pelo que seria irrealista seguí-lo. Poderiam ter simplesmente fechado a fachada poente com algo parecido com o lado nascente, mas a opção por um projecto mais moderno relativamente simples e não faraónico não deixa de ser legítima, mesmo que controversa. Vergonha e escândalo, e não creio que alguns dos que agora se indignam se tivessem manifestado contra isso, é o estado actual da fachada por concluir, uma ruína com pior aspecto e menos dignidade do que muitos bairros da lata. Qualquer coisa, mesmo qualquer coisa, é melhor do que aquilo que lá está.

Luís Quartin Graça

Alvaro Pereira disse...

Ao anónimo das 8:55

Se quiser posso arranjar-lhe outros exemplos:

Frauenkirche, Dresden

Catedral do Cristo Salvador, Moscovo

Nova Sinagoga, Kaliningrado (ex-Konigsberg)

Este último vai começar as obras em breve, se é se não as começaram já.

E além do mais, já se fala em Paris na reconstrução do Palácio das Tulherias!

Cumprimentos!

Anónimo disse...


Impõe-se PARAR com este Frankenstein À NASCENÇA

PETIÇÃO, APUPOS AO POETA DOS PRÉMIOS, MANIFS, QUEIXA à Comissão Europeia, ou até ao Putin e Donald Trump

Ponham as JOIAS DA COROA no Museu dos Coches, que está vazio, e para desgraça já é suficiente para mais 100 anos !!!!

Como é BELO o Palácio como está !!!!
(apenas um reboco nalguns locais ... e CONSERVAÇÃO)

Pedro Nóbrega da Costa disse...

a diferenca de muitos desses exemplos é que no caso do palcio da Ajuda nao se trata de uma reconstrução.
O palacio nunca foi concluido, nunca foi construido e nunca foi destruido e isso faz parte da história e tem todo o interesse preservar.

construir o resto da fechada de acordo com o plano original (ainda que sem fazer a metade em falta do palacio...) era apagar a historia do palacio , para nao dizer que nao teria sentido nenhum rematar a fechada do palacio com o estilo original no seculo xxi.

uma solucao hibrida que sem chocar e sem "abafar" a arquitetura original mostre a verdadeira historia do palacio é de longe mais interessante do que simplesmente agarrar no projeto original e concluir a fachada.

para nao dizer que a nivel turistico, terá muito mais impacto e sucesso. De palacios "normais" Está a europa cheia, uma arquitetura que hibrida que mostre o palacio como realmente foi é e que conte a sua historia sem usar pastiches tem muito mais valor.

Anónimo disse...

LOL. Parece que o alçado da nova sede da edp virou "standard" da nova onda de arquitectura contemporânea em Lisboa! Só nunca imaginei que fossem agarrar nesta solução banal para servir de acabamento ao alçado oeste do Palácio Nacional da Ajuda. Ao que isto chegou...

Anónimo disse...

Já cá faltavam os do costume a cuspir bílis.

Vasco disse...

Existem mais 3 projectos, um antigo do Raul Lino, outro do Gonçalo Byrne (talvez o mais sensato) e outro de Vasco Massapina. Nenhum faz parte de concurso de ideias, e são soluções apresentadas esporadicamente ao longo de décadas. A solução actual veio do nada, não houve qualquer concurso. Mais um tacho?

Joaquim Dentinho disse...

Se estamos a falar de séculos então a catedral da sagrada família que ainda está a ser construído em Barcelona devia mudar o plano de acabamento! O palácio da ajuda já tem um plano architectonico e devíamos aproveitar disso em vez de estar a gastar dinheiro em novos desenhos! E essas tais técnicas de construção são facilmente adoptadas para acabar este belo palácio!
JPD

Rui disse...


"Já cá faltavam os do costume a cuspir bílis."

Que comentário tão construtivo...

E por falar em "cuspidores de bílis" parece que temos entre nós um entendido.

Anónimo disse...

Na mouche caro anónimo da 1:46.

O PNA está classificado como MN! Houve algum concurso público? Onde anda a documentação do concurso que foi feito? Que projectos concorreram?

Belo timing; com eleições à porta e depois do fiasco no concurso relativo à outra obra "na 2ª circular...

Vão estragar o Palácio e o dinheiro. E podem ter a certeza que custará bem acima dos tais 15 milhões.

Alvaro Pereira disse...

Eu sempre dei exemplos de edifícios no estrangeiro que estão a ser reconstruídos segundo a traça original, mas agora vou dar dois exemplos em Portugal, aqui mesmo em Lisboa:

Casa dos Bicos

Panteão Nacional

Sigam estes exemplos!

Anónimo disse...

Disto é que a portugalidade gosta: de chorar e reclamar pelo "nunca mais fazem, nunca mais resolvem, nunca mais pagam" e quando finalmente fazem, resolvem, pagam, vem os clássicos "assim não, jamais, em tempo algum / fazem assim e não fazem assado / então e o projecto do fulano e o estudo do sicrano" acompanhado dos debates públicos, dos prós e contras a cheirar a bafio e a Fátima Campos Ferreira, a conversa já inevitável e balofa dos "milhões", dos "fundos", dos "gastos". Neste país de tiques pobretas, todo o português tem ideias muito claras sobre como se deve gastar o dinheiro, o tempo e a liberdade dos outros, gasta-se latim, paciência com ruído e no fim fecha-se o assunto. Os turistas e os portugueses que nunca se dignaram a subir a calçada para ver um palácio que consideram desinteressante, escondido e pessimamente promovido (compare-se com os números dos jerónimos) vão finalmente descobrir o mais incrível, sumptuoso e belo monumento português, sem ser preciso exposições da Joana Vasconcelos, e já não era sem tempo.

Anónimo disse...

Lol "apelos ao putin e ao donald trump", "manifs, apupos", "como é BELO o PALÁCIO COMO ESTÁ".

Fabuloso.

Davide Camilo disse...

Para os opinadores de serviço recomendo a leitura das Cartas Internacionais sobre intervenções em património e monumentos:
http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/cartas-e-convencoes-internacionais-sobre-patrimonio/

Anónimo disse...

Votaria pelo rematar do edifício de acordo com a linguagem arquitectónica existente. Não me chocaria, não consideraria 'pastiche ou mentira ou ....' Prefiro algo bonito e funcional do que soluções intelectualmente atamancadas.

Não conheço em pormenor o que está a ser proposto, mas depois dos outros recentes projectos do Byrne e antecessores, talvez este não seja dos piores!

De qualquer maneira deixo uma sugestão, pelo menos os torreões devem ser idênticos aos existentes pois a sua imagem preponderante sobre Lx sobretudo da ponte é importante que também seja equilibrada, sem prejuízo para o palácio existente. Depois a fachada poente poderá ser 'moderna'...

O que sei é que me mete nojo e raiva ver o novo museu dos coches e o maat a criarem a destruição mental nas cabecinhas ocas dos nossos arquitectios novinhos sequiosos de dar nas vistas e fazerem porcaria que lhes dê dinheiro e notoriedade. Sei que já não vou a Belém, sem ser obrigada, porque quando passo por ali e vejo a descaracterização total, a manta de retalhos das requalificações idiotas da calçada da Ajuda, ai! quando passo por ali só me apetece cortar as cabeças de quem pactuou com estes crimes. Guilhotina seria pouco para os estupores que nos impingiram estes elefantes brancos ou bombas de saqueamento das nissas finanças, cultura e saúde mental!