Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

21/12/2017

Projecto de remate do Palácio Nacional da Ajuda - Queixa à Provedoria de Justiça

Exma. Senhora Provedora de Justiça
Prof. Doutora Maria Lúcia Amaral


Vimos pelo presente apresentar queixa a Vossa Excelência pela continuada persistência de quem de direito (MC/DGPC, CML e ATL), na não divulgação pública do projecto de “remate” do Palácio Nacional da Ajuda.

Recordamos que, mais importante que uma “obra de regime”, se trata do Palácio Nacional da Ajuda e de uma obra para as gerações futuras, pelo que não se compreende o mistério, ou mesmo segredo, em volta de algo que devia ser participado pela população em geral e pelos especialistas das mais variadas formações, a vários níveis, local e nacional.

Assim, apresentamos queixa e solicitamos a melhor intervenção da Provedoria de Justiça no sentido de ser tornada pública (on line) a informação técnica relativa ao “remate” do Palácio Nacional da Ajuda, ou seja:

* Ao estudo prévio;
* Ao projecto de arquitectura;
* Ao relatório de estruturas;
* Aos estudos de impacte;
* Ao projecto de especialidades;
* Ao relatório das escavações arqueológicas;
* Ao custo actual estimado de toda a obra.

Muito obrigado.

Com os melhores cumprimentos e votos de BOAS FESTAS!


Paulo Ferrero, Bernardo Ferreira de Carvalho, Luís Serpa, Luís Mascarenhas Gaivão, Fernando Silva Grade, António Araújo, Inês Beleza Barreiros, José Maria Amador, Beatriz Empis, Rui Martins, Júlio Amorim, Pedro Janarra, Jorge Pinto e Fátima Castanheira

2 comentários:

Alvaro Pereira disse...

Aconselho todos a verem o seguinte site:
www.tuileries.org sobre a reconstrução do Palácio das Tulherias em Paris.

E volto a dizer que o Palácio da Ajuda tem de ser concluído segundo o projecto original, em estilo neoclássico.

Anónimo disse...


Concordo em absoluto, assim como a quase totalidade dos portugueses (esta questão ultrapassa Lisboa, é de âmbito nacional)com a conclusão do Palácio da da Ajuda segundo o projecto original.

E basta de tanta ILEGALIDADE !