...

...

14/03/2016

Há uma nova fábrica de mentiras em Lisboa










Há uma nova fábrica de mentiras em Lisboa para o turista engolir!

Desta vez a fabricação recebeu o nome de FÁBRICA DA NATA e está em plena Praça dos Restauradores!

Tudo parece indicar que se trata de mais um projecto dos mesmos artistas de Circo dos "pastéis de bacalhau com queijo" na Baixa - ou serão outros artistas que estão a competir com o "Circo & Carnaval" da Rua Augusta?

O cenário criado é mais uma vez do tipo "luxo barato & antiguidade inventada".

No tecto, à maneira decorativa e para entreter turista, estão sempre a circular tabuleiros metálicos iguais aos que vão ao forno com pastéis de nata...

O chão é de mosaicos hidráulicos falsos e os balcões e outros elementos numa infeliz imitação do cobre! E ainda há oliveiras de plástico a decorar!

Mas logo na entrada está um cozinheiro a representar empenhadamente o seu papel do "faz de conta" que os pasteis de nata são feitos em panela antiga de cobre, à mão e um a um... Cada vez mais a Baixa se consagra como uma verdadeira, tourist trap. Lisboa já não tem vergonha? Ninguém se indigna com todas estas mentiras que a nossa cidade vomita diariamente?

8 comentários:

Anónimo disse...

O pior mesmo é que os pastéis são beras. A massa exterior é mole, segura-se e aquilo fica esborrachado. O creme é demasiado doce e gorduroso. O pastel deixa uma mancha amarela no guardanapo. Há que convir que para fazer maus pastéis, em Lisboa, onde qualquer pastelaria os tem, no mínimo, apresentáveis, é preciso ser-se mesmo nulo. José Pedro Tomás

Anónimo disse...

Então vá, caros escribas, venha daí a template Cidadania LX para abrir um café / restaurante / tasco novo na baixa da cidade.

O que pode ou não vender? Pode servir chamuças, empadas, guardanapos e patas de veado? São lá entregues todos os dias em segunda fila e quatro piscas, vêm de uma fábrica em odivelas, mas ao menos são genuínos que longe de mim e ganar turistas!

E a decoração, sugerem néon no tecto, alumínio ao balcão e tvi aos berros?

Digam que eu estou a pensar abrir um estabelecimento lá perto mas prefiro consultar primeiro o vosso caderno de sugestões.
Cumprimentos.

Anónimo disse...

Eu já nem me indigno.

Para mim já é normal essas charlatanices do pastel de nata ou do pão com chouriço, como dezenas de hostels e lojas de conveniência com ar manhoso, Bairro Alto e zonas limítrofes na última (lixo da "night" anterior), assim como, o Largo Luís de Camões cheio de turistas "pé rapado" que comem ao lado da estátua com a pedra cheia de garatujas e depois deixam os restos da comida ali mesmo com vários caixotes de lixo perto à disposição.

Tuk-tuks por todo o lado e que não respeitam os sinais de trânsito e passadeiras.

Porcaria de cão pelos passeios e em qualquer nesga de relva.

Imensos pombos a sujarem os jardins que restam na cidade, onde não encontramos um banco sem a porcaria dos mesmos...

Enfim, é a Lisboa de hoje com muita oferta, mas a qualidade passa muitas vezes ao lado.

Miguel

Pedro Vaz disse...

Mas pelo menos provou os pastéis? É que isso também é importante

Anónimo disse...

Caro anónimo.
Se queremos Lisboa igual a tantas outras cidades pelo Mundo, deixem o mercado funcionar.
Funciona bem em Bombaim, como em muitos sítios pela Europa.
Mas em muitos outros sítios há critérios apertados.
Lá para o Norte da Europa há exemplos de regras que se enquadram nas características das Cidades e que acolhem bem o Turismo.
Há uns anos não queríamos os turistas de mochila e pés descalços, hoje temos de aceitar estes licenciamentos?
Não vale tudo para termos mais receitas.
Há Turismo para todos os gostos.
O que temos de saber é o que queremos que a Capital seja.
Planear e organizar a Cidade não se compadece com Presidentes a fugir de Lisboa e a deixarem fama.





Filipe Melo Sousa disse...

Estes bloggers do cidadanialx são piores que os esquadrões dos "bons costumes" do estado islâmico. Ai de quem produzir pastéis de nada que não são halal. Se estivessem no poder, Portugal despejava mais uns milhões de refugiados para a europa central. Para além dos que já se emigraram/exilaram de um portugal impraticável.

Anónimo disse...

"O que temos de saber é o que queremos que a Capital seja."

Exacto. O que querem que a capital seja? Que género de lojas, de ruas, de prédios, de iniciativas públicas, de intervenções nas ruas? Espero ansiosamente o manual Cidadania LX para aquilo que a cidade deve ser e a maneira de as implementar. Contribuam com sugestões construtivas.

AFonseca disse...

A pimbalhização da cidade é imparável. Nasceu no dia 15 Março mais uma aberração do novo 'comércio plástico' em plena Baixa lisboeta para juntar às outras 'fábricas de mentiras':
http://rvria.pt/noticias/item/449-comur-fabrica-de-conservas-da-murtosa-abre-loja-em-lisboa
O estilo de puro mau gosto e de materiais baratos a fingir requinte são semelhantes aos das infames 'Casa do pastel de bacalhau' e 'Fábrica da nata'.
Álvaro Fonseca
Lisboa
http://myownprivatelisboa.blogs.sapo.pt/