30/06/2014

Príncipe (ir)real

Príncipe (ir)real - Por Luisa Schimdt, Expresso de 27 Junho 2014

"Há cerca de 12 anos uma intenção rasteira de construir um parque subterrâneo em redor do Jardim do Príncipe Real, levou a um chumbo rotundo e muito justificado por parte de todas as entidades com jurisdição na zona."

12 comentários:

Carlos Medina Ribeiro disse...

Antes de construir mais parques subterrâneos, sugere-se que se observe a ocupação de alguns deles, como:
Av. Roma (jardim Fernando Pessa), Praça de Londres, Alameda, Campo Pequeno...
Ver-se-á como estão às moscas ou extremamente folgados. Alguns até fecham andares por falta de clientes!

Anónimo disse...

Óbvio. Mas quem é o tolo que, nos tempos que correm, vai gastar uma pipa de massa num parque subterrâneo se o pode fazer de graça em cima do passeio..

Filipe Melo Sousa disse...

Depois não se queixem dos carros em cima do passeio. E depois de os multar furiosamente não se queixem que ninguém mora em Lisboa.

Carlos Medina Ribeiro disse...

Filipe Sousa,
Quem é que multa os carros em cima do passeio?!
-
Já que falamos de passeios: o parque subterrâneo da Alameda tem 5 pisos (com 100 lugares cada um), dos quais o 4.º e 5º são fechados com frequência por falta de clientes.
À superfície, mesmo por cima dele, existe um parque da EMEL, ocupando (e destruindo) os passeios da Alameda.
Genial, não é?

Filipe Melo Sousa disse...

Estacionar por 1,75€ à hora, não admira que esteja vazio. O ordenado médio em Portugal são 5,5€ à hora. Não vejo alguém interessado em dar 32% do seu rendimento à EMEL ou outra empresa.

Há que ter noção do país que temos

Anónimo disse...

"Não vejo alguém interessado em dar 32% do seu rendimento à EMEL ou outra empresa."

Ter carro é, para quem vive e trabalha em Lisboa, um luxo e deve ser taxado em conformidade.

O espaço urbano é demasiado valioso e não há justificação para o estado/municípios subsidiarem os automobilistas.

Uma casa em Lisboa custa ~3000 EUR/m2 e um carro (pequeno) ocupa 6 m2. Isto daria 18000 EUR/carro, ou seja, 30 EUR/mês durante 50 anos.. A EMEL cobra 20 EUR/ano aos moradores; é barato. É demasiado barato e não há justificação para este subsídio.

Filipe Melo Sousa disse...

Não me parece um luxo ter um carro. É um meio para ir trabalhar para quem não pode comprar uma casa nas avenidas novas à porta do metro. Ou para quem trabalha numa empresa fora do centro de Lisboa. Ou seja, a grande maioria.

O preço de compra em Lisboa é de 800€ por m2 de área bruta.

Anónimo disse...

"para quem não pode comprar uma casa nas avenidas novas à porta do metro"

novidade: há metro sem ser nas avenidas novas.. há metro na Pontinha, na Bela Vista, em Moscavide, na Amadora, em Odivelas.

"O preço de compra em Lisboa é de 800€ por m2 de área bruta"

pois, pois.. como se uma casa de 100 m2 custasse só 80.000 EUR.
o preco médio das casas (novas e usadas) na área metropolitana de Lisboa (inclui bastante mais que as finas avenidas novas..) é de cerca de 2000 EUR/m2.

(sempre a inventar números, hem Filipe? nao resistes a uma mentirazinha...)

Filipe Melo Sousa disse...

100m2 é a área utilizável. Existem os passeios à volta, vãos de escadas, elevadores etc. Apartamentos de 50m2 a 80k€ encontro-os facilmento. Os 3k€ que refere, isso sim é um engodo. Ninguém me vende nada a esse preço nem nas melhores avenidas.

Anónimo disse...

não querendo fugir ao que está em discussão (preços subsidiados do estacionamento automóvel em prejuízo dos utilizadores de transportes públicos e de outros transportes privados e dos moradores), os teus "números" inventados não podem ficar sem resposta.

ao contrário dos teus "números", os meus não são inventados:
o valor de 2000 EUR/m2 das casas novas e usadas para venda na área metropolitana de Lisboa vem daqui: http://www.conheceracrise.com/indicador/184/valor-medio-das-casas-novas-e-usadas-a-venda

P.S. uma lição de RGEU (a primeira é gratuita...): "área utilizável" não existe; "área útil" é a soma das áreas de todos os compartimentos da habitação(medidas pelo perímetro interior das paredes); os "passeios à volta" não contam para a área bruta de cada fogo e a área em planta dos "elevadores" (cerca de cerca de 3-4 m2 para um prédio de 6-7 andares) é dividida por todos os fogos (um aumento de ~0,25 m2 à área bruta de cada fogo! uau!).

Filipe Melo Sousa disse...

Só me ajuda com esses dados. Para quem me falava em 3.000 por m2 bruto, eu leio aí 1.500 por m2 habitável. Se formos a área bruta será menos que isso.

Da mesma forma, quando estaciono um carro não vou à caixa com a projecção ortogonal da sombra no passeio dizer que só pago metade, sem os espaços de circulação à volta.

Espero que esteja esclarecido :)

Anónimo disse...

sempre a fugir ao tema em discussão: preços subsidiados do estacionamento automóvel em prejuízo dos utilizadores de transportes públicos e de outros transportes privados e dos moradores.

de facto, alugar à EMEL dois lugares de estacionamento (~16 m2) custa pouco mais de 3 EUR/m2/ano.
qualquer que seja o preço da habitação para comparação, o preço cobrado aos automóveis pela ocupação do espaço urbano é altamente subsidiado.

(compensa alugar dois lugares de estacionamento , estacionar uma autocaravana e ter um pequeno pátio! é ridículo a este ponto!)


---

"Só me ajuda com esses dados"
hahaha. foi um prazer apanhá-lo a mentir. ajudarei, com todo o gosto, sempre que puder.

"quem me falava em 3.000 por m2 bruto"???
chega de inventar..

"eu leio aí 1.500 por m2 habitável"???
1500? onde? mesmo no caso dos 2000 EUR/m2 serem relativos à área bruta, corresponderiam a ~1850 EUR/m2 de área útil.

"Espero que esteja esclarecido"
já nos esclareceste há muito tempo: sabemos que gostas de inventar números, factos, estatísticas, situações; um verdadeiro animador dos comentários do blogger.