...

...

09/01/2015

A podre Rua da Boavista (curioso nome)


Chegado por e-mail: «Boa tarde

Mais uma vez, venho por este meio partilhar a minha indignação e descontentamento, face à forma como a Câmara Municipal de Lisboa tem maltratado uma das mais belas cidades da Europa.

Há poucos dias, passava eu pela Rua de S. Paulo, e subia a da Boavista, quando reparei, e voltei a reparar, no lugar onde pousava cada um dos meus pés. Pisava cimento, ou melhor dizendo, lixomento.

Toda aquela rua está pavimentada com cimento. Simples cimento desenhado aos quadradinhos, parece que por ali a calçada portuguesa deixou de existir há muito tempo. Aquilo que mais me indigna na rua da Boavista, para além dos enormes edifícios totalmente deixados ao abandono, é o facto do piso ser feio, estar sujo, ser escuro, insultar as brancas pedras portuguesas das ruas em redor, e estar repleto de remendos e buracos. É um verdadeiro ataque à visão e aos pés.

Podia descrever esta rua durante horas, desde os edifícios incendiados, às paredes tombadas junto ao Conde Barão, tudo ali merece conserto, mas aparentemente a câmara de Lisboa continua entretida a limar as unhas e a defender que a calçada portuguesa, essa sim, é desconfortável para os peões e de dispendiosa manutenção. Pois é meus amigos, quando o problema é nosso, tentamos sempre arranjar desculpas.

Em Lisboa, os buracos das ruas não são exclusivos da calçada portuguesa, não me venham dizer que esta é pouco prática. Há por ai muitos pisos como este que vos apresento, de diferentes materiais que têm tantos buracos como tem a nossa gloriosa calçada! O problema não está no chão, está na mente de quem o pisa, ou de quem se esquece de o pisar.

P.S. Em anexo, seguem algumas fotografias deste bonito cenário.

Os melhores cumprimentos

Samuel Graça Rodrigues»

2 comentários:

Anónimo disse...

E ainda tem a lata de propor - como alternativa - este mesmo tipo de material e pavimento!

Vão mas é gozar com o bairro de outro!

Anónimo disse...

Para quem não souber, aquele piso é do tempo do Eng. Abecasis.

E o desenho aos quadradinhos até nem ficou mau, o que o tornou como está foram as sucessivas obras e buracos que lhe fizeram e que foram remendados às três pancadas (ou nem sequer o foram).