29/08/2014

Série Chafarizes de Lisboa - 2 - Chafariz da Rua do Arco de S.Mamede







Chafariz tardo-barroco. Monumento Nacional, Propriedade Municipal. Fazia parte da rede secundária de chafarizes que se usavam quando era necessário reparar ou limpar determinados troços do Aqueduto. Honorato Macedo e Sá foi o arquitecto. Está adossado directamente ao aqueduto o que lhe confere uma certa originalidade no conjunto dos chafarizes monumentais de Lisboa, bem como a existência de dois tanques no mesmo plano.  O estado em que se encontra é o documentado pelas fotografias. Serve para tudo, depósito de lixo, morgue de pombos, casa de banho, tela para grafitadas. Serve para tudo menos para a sua função original, fornecer águas-livres a Lisboa. Na cidade dos óscares do turismo!!!! num dos seus percursos mais emblemáticos é este o aspecto de uma das peças mais interessantes do património desta zona. Haja óscares para o desleixo e Lisboa ganharia em toda a linha.

7 comentários:

António Pedro disse...

Gostaria de deixar aqui uma crítica em relação às travessias aéreas na cidade de Lisboa, e mais concretamente, à inexistência duma logo no início da calçada de carrilhe que sirva os utentes dos transportes públicos, e que têm de atravessar essa movimentada entrada para se dirigirem para a paragem aí existente. Um pouco mais acima no cruzamento da Av. padre Cruz com a Av. rainha dona Amélia, existe uma passagem aérea, que raramente é utilizada. São situações caricatas.

Anónimo disse...

"Serve para tudo menos para a sua função original, fornecer águas-livres a Lisboa.". Felizmente a água corrente já chega a quase todas as casas em condições de higiene, não sendo necessário recorrer a um chafariz com 200 anos para fazê-lo. Se deve se preservado, claro. Expliquem-me é como, numa cidade em que todo o recanto (e não só) é mictório e depósito de lixo de uma população habituada a varrer até à porta da sua casa e a usar vidros martelados nas janelas para ignorar a merda que faz.

Anónimo disse...

É arte meus amigos: Uma beleza.
Ainda por cima são uns poetas.

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

reagindo ao anónimo das 1.23, não pretendo repôr o uso strictu senso do chafariz, mas podia-se repôr a água a sair das bicas. Essa é a agua-livre a que me refiro

Anónimo disse...

Monocle likes that.

Vítor disse...

E o de Benfica, perto da igreja,onde ainda continuam a faltar as pinhas/pinhatas! Onde andarão as ditas? A CML ou a JFB nada fazem para as repor!

Anónimo disse...

"eagindo ao anónimo das 1.23, não pretendo repôr o uso strictu senso do chafariz, mas podia-se repôr a água a sair das bicas. Essa é a agua-livre a que me refiro" - água a sair das bicas levaria a casos de intoxicação por ingestão de água não potável (há gente que nem com uma placa a avisar lá chega), utilização das mesmas para lavar o corpo e utilização da bacia do chafariz para deitar beatas e outro género de lixo. Num sítio recôndito como este, espera-se de tudo.