16/01/2008

hoje durante o dia, numa observação mais cuidada, confirmei que junto ao arco da rua nova do loureiro, EFECTIVAMENTE DESAPARECEU UM CANDEEIRO durante as obras no condomínio da rua da vinha (muro das traseiras na rua nova do loureiro). no local está a vista a caixa do candeeiro, saliente da parede rosa, a iguial distância de dois candeeiros
espera-se que o candeeiro seja reposto e os responsáveis .... responsabilizados, e que o cidadão que se dá ao trabalho de alertar a CML tenha alguma informação sobre o assunto

aproveito para

* relembrar que na mesma rua permanece apagado desde há meses o candeeiro junto à esquina com a trav do conde de soure
* relembrar que a mensagem abaixo está actualçizada
* que há mais um candeeiro apagado na parede do convento dos cardais, na rua do século

Cumprimentos
Nuno Caiado




----- Original Message -----
From: nunocaiado
To: CML Div Iluminação Pública ; CML ; JFSC@MAIL.TELEPAC.PT
Sent: Thursday, January 10, 2008 9:32 PM


Boa noite

Já após a minha mensagem de 07Jan, em que alertava para a falha de luz no candeeiro frente ao nº 32 da calçada do tijolo (sta catarina) também o candeeiro frente ao nº 28 da mesma rua se apagou (embora pontualmente acenda), deixando o troço entre a rua nova do loureiro e a trav da cruz de Soure sem qualquer iluminação

Solicita-se reparação

Cumprimentos

Nuno Caiado

3 comentários:

Filipe Melo Sousa disse...

O direito à indignação. Isto lembra-me aqueles clientes que ficam histéricos ao mínimo pormenor e fazem questão de tratar os empregados abaixo de cão por pormenores que não lembra a ninguém.

tramaram-nos? disse...

FMS está equivocado
chama-se prevenção situacional e faz parte das boas práticas de gestão da via pública, topa?
para além disso, não trato mal pessoas, embora possa por vezes ser brusco com os serviços camarários, já por desespero na lida com eles (as mais das vezes nem respondem nem solucionam). que dizer da demora de 3 meses a susbtituir lampadas ou a reparar avarias, por vezes em lugares melindrosos como aquele em que vivo (e não é por lá viver que fica melindroso).
e sim, também é o direito à indignação

Nuno Caiado

ads disse...

Acho muito bem, se há lugar para indignação então que se reclame.

Aqui o FMS é que não percebe muito de reclamar com motivo, nem percebe muito o que é...