Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

04/12/2013

Isto também diz respeito a Lisboa:


In Público Online/LUSA (3.12.2013)

«Direcção-Geral do Património Cultural avalia mudança do Museu da Música para Mafra

O secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, disse nesta terça-feira, em Lisboa, que está a ser estudada a transferência do Museu da Música para o Palácio Nacional de Mafra. O anúncio foi feito ao início da noite, no Museu Nacional de Arte Antiga, durante a inauguração da exposição “Rubens, Brueghel, Lorrain, a paisagem do norte no Museu do Prado", que contou com a presença do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. "A Direcção-Geral do Património Cultural está a avaliar a instalação do Museu da Música no Palácio Nacional de Mafra", disse Jorge Barreto Xavier. "É uma expectativa que vem do início do século XX e que, creio, estaremos preparados para concretizar", concluiu Jorge Barreto Xavier.

O processo encontra-se na fase de estudo e ainda "não é possível falar-se na mudança" para Mafra do museu situado em Lisboa, nem de uma data para a sua concretização, esclareceu o gabinete do secretário de Estado da Cultura, quando contactado pela Lusa, para obtenção de pormenores sobre a operação.

O Museu da Música encontra-se instalado num espaço provisório, desde 1994, na estação de Metro do Alto dos Moinhos, disponibilizado pelo Metropolitano de Lisboa.

A passagem do acervo para Mafra significaria um regresso ao local que o acolheu, nas décadas de 1980-90, antes da exposição ao público, na estação do Metro de Lisboa.

A constituição de um espaço museológico dedicado à música remonta ao primeiro ano da República, 1911. O museu, no entanto, só viria a abrir em 1946, após a II Guerra Mundial, no Conservatório de Lisboa, ao Bairro Alto, tendo sido transferido posteriormente, em 1971, para o Palácio da Pimenta, que acolhe o Museu da Cidade.

Em 1974-75, as peças foram depositadas na Biblioteca Nacional, ao Campo Grande, tendo seguido mais tarde para o Palácio Nacional de Mafra, onde se mantiveram até à abertura do Museu da Música, no Alto dos Moinhos.

Há quatro anos, em 2009, pouco depois da tomada de posse do XVIII Governo constitucional, a ministra da Cultura, a também pianista Gabriela Canavilhas, admitiu vir a instalar o Museu da Música em Évora, no convento de São Pedro de Castris, acompanhando a eventual constituição de uma orquestra no Alentejo, da qual o museu também seria sede.

O Museu da Música detém “uma das mais ricas colecções da Europa", de acordo com a sua apresentação, contando com cerca de 1400 instrumentos, entre os quais o cravo de Joaquim José Antunes (1758), o cravo de Pascal Taskin (1782), o piano Boisselot, que o compositor e pianista Franz Liszt trouxe a Lisboa, em 1845, e o violoncelo de Antonio Stradivari, que pertenceu ao rei D. Luís. O violoncelo de Henry Lockey Hill, de Guilhermina Suggia, os violinos e violoncelos de Joaquim José Galrão, os clavicórdios setecentistas das oficinas lisboetas e portuenses fazem parte da colecção, assim como os raros cornes ingleses Grenser e Grundman & Floth, do final do século XVIII, e as flautas de Ernesto Frederico Haupt, de meados do século XIX, que são exemplares únicos.O oboé de Eichentopf, do segundo quartel do século XVIII, e o cravo de Pascal Taskin, entre outros instrumentos, são também de "extrema raridade", segundo a página do museu na Internet. Espólios documentais, acervos fonográficos e iconográficos, como os de Alfredo Keil, autor do Hino Nacional, fazem igualmente parte do Museu da Música.

O presidente da Câmara de Mafra, Helder Sousa Silva, já declarou esta noite, em comunicado, o "regozijo" pela provável transferência do Museu que, a efectuar-se, "traduz o reconhecimento da histórica vocação musical" do palácio mandado construir por D. João V. Durante a campanha eleitoral para as últimas eleições autárquicas, Helder Silva, entretanto eleito pelo PSD, defendeu a transferência do Museu da Música para o Palácio Nacional de Mafra. Em 2012, o Museu da Música, no Alto dos Moinhos, em Lisboa, somou 9138 visitantes. Este ano, até ao final de Setembro - últimos dados disponíveis -, somou 8408 visitantes, o que corresponde a um aumento de 2162 entradas em relação a igual período do ano anterior (6246).»

2 comentários:

Anónimo disse...

Com tanto património imobiliário do estado (minúscula), não se compreende de modo algum que o Museu da Música esteja instalado numa estação de metro, aspecto que, da leitura da peça, não fica claro (lê-se apenas que fica no Alto dos Moinhos).

Anónimo disse...

Peço desculpa pelo comentário anterior, de facto está mencionado que se trata de uma estação de metro.

Saltei do início da notícia, onde é referida uma exposição no MNAA, para onde se fala da "constituição de um espaço museológico" e daí o meu erro.