...

...

22/06/2015

Vereador lisboeta defende fecho da estação de Santa Apolónia para dar lugar a jardim


in Diário de Notícias/LUSA (20.6.2015)

«Manuel Salgado considera que é uma área com enorme potencial" para acolher um espaço verde.

O vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa, Manuel Salgado, defendeu hoje, "numa visão de futuro", o encerramento da estação de comboios de Santa Apolónia para dar lugar a um espaço verde com ligação ao rio Tejo.

"Pensando no longo prazo, é uma área com enorme potencial" para acolher um espaço verde, afirmou Manuel Salgado, relacionando-o com a possível concretização do porto de contentores do Barreiro, o que permitiria "desativar a área portuária em conjunto com uma reorganização da área ferroviária" na capital.

O autarca falava à agência Lusa à margem de uma convenção autárquica do PS Lisboa, que juntou esta tarde militantes e simpatizantes do partido no Pavilhão do Conhecimento (Parque das Nações) sob o tema "Um futuro virado ao rio".

Salgado acrescentou que esta seria também "uma oportunidade única para fazer a ligação dos vales de Santo António e de Chelas ao rio". Também na sua intervenção "A requalificação da frente ribeirinha -- do rio à cidade", o responsável disse que "se for viável e oportuno transferir" para o Barreiro a atividade portuária de Santa Apolónia, "isso iria libertar a área".

A seu ver, "não faz sentido" que a estação esteja no centro da cidade, já que grande parte dos passageiros que chegam a Lisboa saem na gare do Oriente. [...]»

9 comentários:

Filipe Melo Sousa disse...

bom é verdade que a estação tornou-se obsoleta. serve bem mais de estação de metro que estação de comboios. as linhas de ferro podem ser retiradas para dar lugar a algo mais útil para a cidade

Anónimo disse...

Basta a gente passar por lá para ver que a estação está às moscas e que não serve público de qualidade nenhuma.

Talvez aumentando para aquele lado o terminal de cruzeiros e continuando a baixar as calças ao turismo...

Anónimo disse...

Acho engraçado o vereador deste executivo vir falar em jardins, quando os que Lisboa ainda têm (e respectivo mobiliário urbano) estão no estado em que estão.. Já para não falar das autênticas barbaridades que fazem no arvoredo de tudo o que é jardim requalificado e das podas que fazem em árvores plantadas em caldeiras! Desde que o zé entrou para lá têm sido um autêntico arboricídio!

Ainda mais engraçada é a opinião do rapaz da camisola verde, quando diz que:

"a estação está obsuleta".

Ó Sr FMS, obsoleta é a opinião com que nos brinda, diariamente, nesta plataforma.

Recorrendo a um argumento seu, pergunto desta vez:

E quem paga?

LOL!



Julio Amorim disse...

Junto-me ao anónimo das 3:41....
É favor tratar e cuidar dos jardins que já cá estão....alguns há muitos anos mesmo. Porque não começar por aquele que podia ser uma das maravilhas de Lisboa...um tal Jardim Botânico ?? E claro está uma árvore na rua vale tanto como outra num jardim.

Anónimo disse...

Quem tiver bagagem e precise de apanhar um táxi, sai-lhe muito mais baratinho, regra geral, vir da Gare do Oriente. Só falta concederem-lhes um pagamento mínimo para o Aeroporto e outro para a Gare do Oriente...

Anónimo disse...

Realmente, desde a maravilhosa placa fronteira ao Ministério das Finanças onde jaz a Estação Sul e Sueste, a todos aqueles pilaretes mal-amanhados e desdentados, passando pelo Campo das Cebolas, pela Doca da Marinha, pelo inexistente terminal de cruzeiros, pelo Poço do Bispo, por ambos os lados da Av. Infante D. Henrique, por toda a zona da Matinha, está tudo tão arranjadinho e lindo que a grande solução é demolir a Estação de Santa Apolónia.

E aposto que a CP (ou Refer, ou lá que for) está de acordo com isso tudo e prontinha a remover rapidamente toda a infra-estrutura que entulha toda aquela zona.

Ah, grandes vereadores são assim.

Anónimo disse...

Que achará o detinto vereador sobre construção de um terminal de cruzeiros num local ainda mais próximo do Terreiro do Paço que a Estação de Santa Apolónia? Deve achar bestial, só pode. E, se pudesse ser mesmo no Terreiro do Paço, aí é que ficava óptimo.

Anónimo disse...

Asnear sistematicamente é que é obsoleto.


"Todos os dias chegam e partem de Santa Apolónia, em Lisboa, 150 comboios de várias tipologias: de longo curso, regionais e suburbanos. O número de passageiros que diariamente chegam e/ou partem daquela estação ronda os 8200, o que perfaz três milhões por ano.

Estes números fazem de Santa Apolónia a terceira estação da rede ferroviária portuguesa com mais movimento, sendo os primeiros lugares ocupados pelo Oriente, em Lisboa, e Campanhã, no Porto."

(Jornal Público)

Vítor disse...

Não haverá tanto vazio urbano para se fazerem jardins em Lisboa? É só escolher....