...

...

08/06/2015

Os lisboetas sonham, a câmara quer. E a obra, nasce?


In Observador (7.6.2015)
Por João Pedro Pincha

«Lisboa foi pioneira na criação de um Orçamento Participativo, mas vários projetos venceram e ainda não saíram do papel. Câmara admite atrasos, lisboetas e presidentes de junta pedem mais celeridade. [...]»

1 comentário:

Anónimo disse...

O Orçamento Participativo de Lisboa é uma autentica fraude.
Vários foram os projetos que nunca saíram nem sairão do papel.
OS poucos que foram concretizados foi apenas porque, para este executivo, constituíam fonte de propaganda eleitoral. Nada mais.
E mesmo esses foram concretizados de forma muito duvidosa.
Um exemplo dos que não foram realizados é a requalificação / arranjo da Praça São João Bosco, junto ao cemitério dos Prazeres. Votado no OP de 2010, e tendo ficado em segundo lugar, era para ter sido concretizado até ao final de 2011. Até agora nada! Aliás, a sensação que dá é que a CML atrasou propositadamente o projeto para agora vir dizer que a responsabilidade é da junta de freguesia da Estrela, que entretanto aglomerou esta zona, após a sua criação.
E o mesmo se pode dizer de imensos projetos que, tendo ficado nos 5 primeiros lugares, e, de acordo com as regras do OP, serem concretizados, nunca o foram, nem há planos concretos para o serem.
Tudo não passou de um embuste, um logro deste executivo, o qual foi até há poucos meses, liderado por um tal Sr. António Costa, que usou a CML como trampolim político para vôos mais altos.