...

...

25/08/2016

Transporte público - o caso da Avenida

As faixas centrais da Avenida da Liberdade foram alvo de intervenções ao nível do pavimento não faz muitos anos, 2 ou 3 anos no máximo.

Não recordo o estado em que se encontrava a Avenida naquela altura - imagino que em mau estado porque, regra geral, o adjectivo "mau" aplicava-se razoavelmente bem na definição do estado de grande parte das vias de Lisboa - mas recordo que não era de forma suave que o autocarro percorria diariamente as faixas bus da mesma.

Aliás, não só o recordo como ainda hoje o verifico porque na intervenção de que foi alvo a Avenida, a tal que não terá ocorrido há mais de 2 ou 3 anos, ficaram por reparar as zonas que realmente era importante terem sido reparadas: as faixas BUS. 



As tais faixas por onde circulam aqueles veículos grandes, amarelos, com mais ou menos pessoas conforme as horas...é um bocadinho difícil não se reparar neles, seja pelo tamanho, pela cor ou até pelo barulho de suspensão que fazem a circular na faixa que lhes é destinada, com todos os estragos e encargos nas folhas de manutenção que isso lhes traz diariamente.
São uma das "alternativas" ao veículo privado, só não tiveram direito a uma faixa igualmente alcatroada.


Mas tentemos compreender, isto fez sentido na cabeça de alguém. 
Só tivemos azar porque era alguém com poder de decisão.

O transporte público merecia melhor.
E nem teria sido difícil.

1 comentário:

Anónimo disse...

sem duvida, aquando desta repavimentação decidiram repavimmentar a parte melhor da avenida.

faixa bus e ruas laterais que são uma manta de retalhos continuaram na mesma.. a parte central que nem tinha problemas de maior levou com novo pavimento nao se percebeu porque..