...

...

29/05/2015

O NOVO MUSEU DOS COCHES, ALGUMAS CONSIDERAÇÕES


Finalmente assistimos à abertura ao público do novo museu dos coches, em Lisboa. Para além do edifício do museu propriamente dito, a cidade ganhou mais uma praça para usufruto das populações. É sobre esta praça e o ambiente que a envolve que queremos tecer dois comentários:

O primeiro, prende-se com a ausência de árvores e bancos, elementos fundamentais para tornar o ambiente da citada praça mais aprazível. De facto, é notória a ausência de árvores de alinhamento no passeio que acompanha a rua e onde já existiram, tendo sido retiradas quando das obras de edificação do museu.

Também, na praça, não existem árvores nem bancos junto aos candeeiros, o que permitiria que os visitantes pudessem usufruir momentos de descanso, à sombra.

Somente os automóveis têm direito à sombra das árvores no parque de estacionamento.

Esperemos que esta situação possa ainda vir a ser remediada.

O segundo, revela a antítese do primeiro, com o arranjo equilibrado dos recantos pitorescos e de grande beleza estética que rematam a obra agora conseguida.


João Pinto Soares

2 comentários:

Anónimo disse...

Nem de graça lá pus os pés e não o farei enquanto não me chegarem ecos da verdade (ou mentira, do que tendo a duvidar) da "fabulosa" arquitectura do elefante branco que, ao que já ouvi dizer, tem espaço para o dobro dos coches existentes (o que obviamente obrigará à encomenda de mais uns tantos coches novos, mas com patine e tudo).

Anónimo disse...

Podiam ter tirado e colocado uma foto da "magnífica" e "lindíssima" estrutura de betão à vista que remata tão bem o último quarteirão da Rua da Junqueira com a Praça Afonso de Albuquerque e com a envolvente. O quê? Não a viram??

Então não se maçem que eu coloco por vocês. Aqui está:

https://novesec.files.wordpress.com/2012/09/7888060_hzzis.jpg

De Mestre, não acham? A arquitectura brutalista paulista no seu melhor.