...

...

09/05/2015

Poda "drástica" de árvores na Av. Guerra Junqueiro gera contestação


In Público (9.5.2015)
Por Inês Boaventura

«A “intervenção no arvoredo” em curso na Avenida Guerra Junqueiro, em Lisboa, está a gerar grande contestação entre moradores, comerciantes e outros cidadãos. O presidente da Junta de Freguesia do Areeiro reconhece que se trata de “uma poda drástica”, que nalgumas árvores “foi um bocado longe demais”, mas justifica a operação com a necessidade de garantir a segurança de quem passa nesta artéria.

Foi no início da semana que a junta de freguesia deu início a esta intervenção, que nas redes sociais já se diz que transformou a avenida numa “serração” ou num “cemitério de troncos”. Antes de a poda da cerca de meia centena de freixos existentes ter tido início, a junta afixou nos seus troncos um papel no qual informava que o estacionamento no local está condicionado porque “vão ser podadas árvores que por motivos estruturais põem em causa a segurança de pessoas e bens”.

O presidente da junta considera que essa informação “foi suficiente”, mas não é essa a convicção generalizada. “Devia ter havido uma melhor informação e debate com a população e com os comerciantes”, diz o empresário Carlos Moura-Carvalho, que lamenta que se tenha desperdiçado uma oportunidade de contribuir para “uma cultura democrática verdadeiramente participativa”.

“As pessoas sentem-se um bocadinho traídas”, observa o proprietário da Mercearia Criativa. “Mais do que o resultado” da intervenção em curso, que “não é o melhor, não é feliz”, Carlos Moura-Carvalho critica que às pessoas interessadas não tenha sido dada a hipótese “de serem informadas sobre o que está a acontecer à sua volta, de conhecerem os fundamentos da decisão, de participarem e fazerem sugestões”.

Também João Appleton, residente na Guerra Junqueiro, se queixa da “falta de transparência e de informação”. “O que me faz imensa impressão é a falta de informação”, diz, defendendo a importância de os moradores poderem ter “uma palavra a dizer” quando estão em causa processos como este, que “afectam a sua vida”.

“Como não fomos informados e não sabemos, ficamos a pensar se não haveria alternativa”, nota o arquitecto, que considera que essa circunstância “abre caminho a que as pessoas achem que podia ser de outra maneira”.

Sem querer falar sobre questões técnicas que não domina, João Appleton admite que considera “visualmente chocante” o resultado da poda em curso. “Alterou-se uma imagem de 60 anos em três dias, alterou-se todo o carácter da rua”, lamenta.

Já João Junqueira confessa que ao ver ser feita uma poda “de tal maneira violeta” pensou que as árvores iam ser abatidas. Agora que percebeu que isso não está previsto nesta fase, o arquitecto paisagista acha “estranho” que se faça esta operação nesta altura do ano.

Juntando essa circunstância ao facto de se estarem a cortar troncos de grande dimensão, João Junqueira considera que está em causa “uma mistura um bocadinho explosiva”, que pode comprometer “a capacidade de cicatrização” destes freixos e torná-los mais vulneráveis a doenças. “Não é normal. Actualmente já não se faz isto”, diz, manifestando a convicção de que “se viessem agora dias muito quentes, era provável que muitas árvores viessem a morrer”.

Ao início da manhã desta sexta-feira, eram várias as pessoas paradas nos passeios da Guerra Junqueiro, a acompanhar com um ar incrédulo os trabalhos em curso e a tirar fotografias. Um a um, troncos de grande dimensão iam sendo cortados para a rua, impedindo durante alguns minutos a circulação de automóveis. Em frente à pastelaria Mexicana, no topo da avenida, erguem-se dois troncos nus, sem uma única folha.

O presidente da Junta de Freguesia do Areeiro diz que esses freixos “estão referenciados para ser substituídos”, mas admite que se “foi um bocado longe demais” na poda destes dois exemplares. “Aí espalharam-se um bocadinho, mas depois pusemos as coisas a ser bem feitas”, diz Fernando Braamcamp.

Segundo o autarca, são 53 os freixos existentes na Guerra Junqueiro. “Todos precisavam de ser podados, para aliviar as cargas, para ficarem mais direitos, para reduzir as copas e afastá-las nas janelas”, garante, justificando-se com a avaliação do estado fitossanitário das árvores que foi feita pela Câmara de Lisboa.

É também com base nessa avaliação que Fernando Braamcamp adianta que “no tempo oportuno”, provavelmente “no final do Verão”, serão abatidos 22 dos freixos da avenida, por estarem “podres”. “Foi tudo analisado árvore a árvore. Isto não é a olho”, assegura, acrescentando que os trabalhos estão a ser coordenados por um engenheiro agrónomo de uma empresa contrata para o efeito.

O autarca do PSD admite que está a ser feita “uma poda drástica”, mas nota que estavam em causa árvores que “não foram podadas ao longo de 30 anos”. Fernando Braamcamp acrescenta que este ano já houve “cinco ou seis” carros atingidos por ramos de árvores na Guerra Junqueiro e diz que foi sua preocupação actuar “antes que acontecesse alguma desgraça”, como a do homem que morreu no início da semana em Braga.

“Compreendo as críticas, mas entre garantir a segurança das pessoas que circulam ali diariamente e se calhar exceder-me um bocadinho no zelo da protecção, prefiro isto”, remata. »

...


LOL «“no tempo oportuno”, provavelmente “no final do Verão”, serão abatidos 22 dos freixos da avenida, por estarem “podres”. “Foi tudo analisado árvore a árvore. Isto não é a olho”».

Adeus, Guerra Junqueiro.

P.S. Já agora, replantem freixos, ok, portugueses, em respeito por estes que Ribeiro Telles plantou e ao poeta («Na alma da maioria dos homens grunhe ainda, baixo e voraz, o focinho do porco.»), que era de Freixo de Espada à Cinta.

12 comentários:

Anónimo disse...

Jesus.

Vivo na Baixa e li esta notícia logo de manhã. Desloquei-me de imediato à Guerra Junqueiro (onde a minha avó viveu) para ver com os meus próprios olhos. Fiquei sem palavras!
Foi o suficiente para ficar deprimido durante o resto do dia!

Anónimo disse...

A INCOMPETÊNCIA NO SEU MELHOR!

Durante estes últimos anos o Arboreto De Lisboa tem sido praticamente obliterado!

Benfica
http://cidadanialx.blogspot.pt/2009/05/o-abate.html


Rua Padre António Vieira
http://cidadanialx.blogspot.pt/2013/04/limpeza-de-arvoredo-e-o-que-lhe-chamam.html


Príncipe Real
http://amigosprincipereal.blogspot.pt/

Bairro do Castelo
http://cidadanialx.blogspot.pt/2012/05/abate-de-arvore-centenaria-no-bairro-do.html


Ribeira das Naus/
http://www.publico.pt/local-lisboa/jornal/camara-viola-as-suas-proprias-regras-no-abate-de-arvores-da-avenida-da-ribeira-das-naus-26425816

Jardim Cesário Verde
http://ocorvo.pt/2015/04/30/corte-de-arvores-no-jardim-cesario-verde-indigna-moradores-na-estefania/

Calçada da Ajuda
https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1464219590536725&id=100008460936357

Etc, etc, etc...


E onde é que anda o vereador do Ambiente Urbano e dos Espaços Verdes e o seu superior?

Aquele que fazia falta e aquele que quer candidatar-se a PM?

Medo...

Anónimo disse...

para garantir eficazmente a segurança de quem passa nas artérias de Lisboa com árvores, o melhor mesmo é abatê-las e cimentar tudo. O vereador dos Espaços Verdes é decerto da minha opinião.

Anónimo disse...

O problema é que não são os serviços da CML que realizaram a intervenção. Os serviços do arvoredo como eram e são conhecidos têm/tinham uma enorme competência nestas matérias.

Já as Juntas de Freguesia ... é outra história radicalmente diferente.

Anónimo disse...

Concordo caro anónimo das 11:24!

Não se esqueça também dos pobres dos popós que levam com todo o tipo de folhas e pólens em cima!

Se calhar o melhor a fazer seria mesmo impedir os referidos de circularem na rua e guardá-los nas garagens. Assim não se sujavam e não atropelavam ninguém.

Jorge disse...

Esta não é uma situação só de Lisboa , em Almada também se fazem podas e abates de arvores para as quais eu não vejo justificação.

Anónimo disse...

O problema é que não são os serviços da CML que realizaram a intervenção. Os serviços do arvoredo como eram e são conhecidos têm/tinham uma enorme competência nestas matérias.

Já as Juntas de Freguesia ... é outra história radicalmente diferente.


----//----

Isso não é verdade!

Este tipo de problemas não são recentes e não estão de nenhuma maneira relacionados, exclusivamente, com as novas competências das juntas de freguesia.

Este tipo de incompetência já existe há anos..

Rosa disse...

falta ali na Lista um dos casos mais chocantes. Av. Rio de Janeiro - Abate de todas as árvores da rua porque sujavam os carros.
http://ocorvo.pt/2015/03/19/junta-de-alvalade-substitui-arvores-na-av-rio-de-janeiro-por-danificarem-carros/

Filipe Melo Sousa disse...

drástica é a guerra na Síria. as árvores nascem, morrem, crescem e aparam-se

Anónimo disse...

Caro FMS:

Os cabelos é que se aparam.

As árvores? Podam-se!

Passe bem.

Mário disse...

FMS: desculpe mas não vejo a relação... acha que por terem abatido estas árvores acaba a guerra na Síria? Há sempre uma coisa pior, claro, como morrer, mas antes disso acontecer não se fica impávido perante fenómenos como este, designadamente nos espaços onde circulamos e na cidade de que gostamos...

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

bem metida essa "do focinho de porco". ele na política há cada bivalve. Só vêm o mundo em duas cores, os que neles votam e os que neles não votam