...

...

09/11/2016

WONDERS da «reabilitação» Lisboeta: Rua do Arco da Graça (ao Martim Moniz)






Aqui vemos uma prática, cada vez mais corrente em Lisboa, que vai contra qualquer princípio mais elementar em reabilitação urbana: pintar as cantarias, as pedras. Desde pelo menos o século XIX que o Pelouro de Urbanismo / Obras da CML proibia a pintura das cantarias... mas assistimos agora, no séc. XXI, ao ressurgimento desta prática que apenas revela os baixos padrões em que se encontra a «reabilitação» na capital de Portugal. Em vez de trabalho cuidadoso e informado vemos a proliferação deste tipo de "obras" que as imagens retratam. Reabilitação? Regredimos várias décadas graças às escolhas políticas do Pelouro do Urbanismo da CML.

3 comentários:

Anónimo disse...

O mais curioso é que o trabalhador tem na parte de trás da t-shirt um patrocínio qualquer alusivo a uma empresa de construção! Presumo ser a respectiva empresa para o qual trabalha.

Se o cidadania tivesse fotografado a parte de trás da t-shirt, para sabermos que empresa de construção tão "competente" é esta, que no seus manuais de intervenção tem como solução pintar cantarias e cunhais com tinta branca, aí sim é que o cidadania estaria a prestar-nos um belo serviço cívico!

Anónimo disse...

Caro anónimo das 6:31, escreve-se:

"Presumo que seja"

"Para (a) qual trabalha"

" ..que (nos) seus manuais de intervenção.. "

Atenção à ortografia!

Anónimo disse...

Anónimo das 12:23, parece que o assunto em questão não é a ortografia, mas sim a reabilitação lisboeta.

Não fui eu que escreveu o comentário de que fala, mas nem todos são uma sumidade como o sr. na ortografia.