Conferência-26 de Abril-9:30-Anfiteatro Ventura Terra (MAC)-Entrada Livre

Conferência-26 de Abril-9:30-Anfiteatro Ventura Terra (MAC)-Entrada Livre

17/04/2012

Metro perdeu quase tantos passageiros em Fevereiro como em 2011




Por Filipe Paiva Cardoso, publicado em 17 Abr 2012 in Jornal i online
Em Fevereiro o Metro de Lisboa teve menos 1,7 milhões de passageiros, quando em todo o ano passado tinha perdido 2 milhões de utentes


Só no mês de Fevereiro, o Metro de Lisboa perdeu quase tantos passageiros como em todo o ano passado. Se em 2011 a empresa registou menos 2 milhões de passageiros que em 2010 – passando de 182 milhões para 180 milhões de passageiros –, só em Fevereiro último o rombo na procura foi de 1,69 milhões de utentes (-11,5%). Isto quando Fevereiro até teve mais um dia.

A 1 de Fevereiro entraram em vigor os novos tarifários para os transportes, tendo o Ministério da Economia e do Emprego decidido fundir uma série de títulos e avançado com aumentos noutros. Só os passes monomodais para o Metro de Lisboa subiram 21,3% e os preços cobrados a estudantes e reformados saltaram entre 55% e 82%. Também foram registadas várias queixas de utentes quanto à dificuldade de continuar a comprar os títulos monomodais após esta revisão tarifária, tendo muitos passageiros sido empurrados para um novo título, que abrange mais modos de transporte mas é bem mais caro que os títulos até então utilizados por quem apenas precisa de usar o Metro ou a Carris – em Lisboa.

E se o agudizar da crise e do desemprego podem ser apontados como parcialmente responsáveis pela forte quebra na procura registada pelo Metro de Lisboa em Fevereiro, os valores referentes à procura em Janeiro deste ano parecem desmentir um pouco essa ideia.

Segundo os números avançados pelo Metro de Lisboa ao i, o ano até começou bem para a empresa. Em Janeiro foram registados 15,9 milhões de passageiros, mais 0,5% que em Janeiro de 2011, mês em que a empresa transportou pouco mais de 15,8 milhões de passageiros. Contudo, com a chegada dos novos tarifários veio a queda a pique: em Fevereiro último o metro transportou 13,1 milhões de passageiros, menos 11,5% que em Fevereiro de 2011, em que foram transportados 14,8 milhões de utentes – isto quando o governo estimava uma quebra de 5% na procura de transportes públicos com as revisões tarifárias de Fevereiro.

Considerando os dois meses, o Metro de Lisboa no primeiro bimestre deste ano transportou 29 milhões de passageiros, quando nos dois primeiros meses do ano passado tinha registado 30,6 milhões de utentes – uma quebra de 5,3% que se deverá acentuar ao longo do ano.

O i tentou saber junto da Metro de Lisboa qual a evolução das receitas da empresa com vendas de títulos e passes, não tendo sido possível obter esses dados. Em 2011, contudo, à redução de 1,1% na procura correspondeu um aumento de 6,8% nos proveitos.

O governo tem procurado através de sucessivos aumentos dos tarifários tornar as empresas de transportes sustentáveis. Contudo, uma quebra demasiado acentuada na procura deitará por terra esse objectivo.

3 comentários:

Ze To disse...

Este estudo não teve em conta o facto de que em 2011 o Carnaval foi apenas no mês de Março e de que este ano já houve greve, sendo que em cada dia de greve o ML perde 500.000 passageiros.

Anónimo disse...

Um sistema de Passe Anual do Navegante -como tinha a Carris, 12 meses pelo preço de 10 - e a inclusão da CP em Algés (em vez da solução absurda do Navegante só funcionar com a Carris até este importante interface Oeste da cidade) pode ajudar a melhorar a situação do ML significativamente.

Anónimo disse...

Não tivessem subido os preços daquela forma absurda. Eu já deixei de usar o metro para andar dentro de Lisboa.