...

...

14/07/2015

Interior de prédios da Duque de Loulé demolido por ordem da Câmara de Lisboa


In Público (14.7.2015)
Por José António Cerejo

Risco de “colapso iminente” é a explicão da autaquia. Licença obrigava a manter o interior dos prédios rico em decoração art déco.

«Estava escrito nos astros. Os três edifícios considerados dos “mais elegantes conjuntos habitacionais” da Lisboa do início do século XX, com os números 86 a 96 da Av. Duque de Loulé, estão desde há um mês reduzidos a pouco mais do que as fachadas.

O projecto aprovado em 2009 obrigava à manutenção e recuperação do miolo dos edifícios, mas já em Maio de 2012 a fiscalização camarária dera conta de que tinham sido ilegalmente demolidas algumas paredes, antes de as obras serem interrompidas no final de 2011.

Em Março de 2013, o PÚBLICO relatou que uma boa parte dos telhados tinha sido retirada e que o conjunto estava abandonado e em degradação acelerada. Nos primeiros meses deste ano as máquinas voltaram e a quase totalidade do que restava entre fachadas foi abaixo, acabando nos vazadouros de entulho.

Questionada pelo PÚBLICO a câmara respondeu, por escrito, que “a 30 de Janeiro de 2014 os proprietários foram intimados à demolição dos edifícios por existir a possibilidade iminente de colapso de paredes”. Os serviços de Urbanismo da autarquia acrescentam que “os trabalhos em execução, devidamente autorizados, limitam-se ao estritamente necessário para assegurar as condições de segurança estrutural dos edifícios, nomeadamente a retirada de todas as estruturas e elementos que derrocaram e o reforço das estruturas que resistiram, não correspondendo à demolição integral dos mesmos”.

Quem olha através dos vãos das janelas e de alguma porta entreaberta percebe, no entanto, que em dois dos prédios nada sobrou para lá dos átrios de entrada e que, mesmo no terceiro, na esquina com a Luciano Cordeiro, muita coisa foi arrasada.

Passados 13 anos ficou assim satisfeita a pretensão inicial dos proprietários, que então viram aprovado um pedido de informação prévia que contemplava apenas a manutenção das fachadas. Foi a polémica desencadeada depois da aprovação do projecto, em 2004, que levou a câmara a recuar, não licenciando a obra. Já em 2009 foi aprovado um outro projecto que obrigava à preservação dos interiores, incluindo a “organização espacial do desenho original” e a “maior parte dos elementos decorativos existentes”.

Adquirido pelo Grupo Espírito Santo (GES) no final de 2012, o conjunto passou logo a seguir para a Coporgest, participada em 25% pelo GES. Recentemente foi comprado pela Imopatrimónio, uma empresa com sede no mesmo local que a Coporgest e dirigida pelas mesmas pessoas.

De acordo com a câmara está agora aprovada para o local a construção de 97 fracções habitacionais e de três comerciais, “mantendo-se a volumetria licenciada e a recuperação da totalidade do existente”. O que significa “recuperar a totalidade do existente” não é explicado. Quanto às demolições ilegais, a câmara diz que “para o local existem processos de contra-ordenação em curso, em fase de instrução”.»

6 comentários:

Anónimo disse...

Realmente a Câmara só age no que toca a demolições. Tivesse tanta eficácia a exigir medidas de manutenção e isto não tinha dado este resultado. Uma vergonha! Vergonha das mentes destes proprietários sem qualquer espírito visionário e vergonha do Arq. Manuel Salgado, que já é conhecido como o coveiro de Lisboa.

Mário Torres disse...

Mas quando é que vocês interiorizam que os prédios desta época são extremamente frágeis em termos sísmicos? São prédios bonitos mas MAL CONSTRUÍDOS. Podem remodela-los e pô-los todos bonitos, mas quando houver um sismo (e vai haver, mais tarde ou mais cedo) eles vão cair e matar os seus habitantes. Portanto, é claro que é preferível deixar a fachada e reconstruir devidamente o resto. Do mal, o menos...

Mário Torres disse...

Não liguem ao que meu anónimo acaba de escrever. Coitado pediram-lhe para escrever o que escreveu. Este folhetim dos três prédios de Cândido Sottomayor tinha o fim anunciado desde o tempo do grupo BG. Foram-se todos, prédios e grupo, valha-nos isso. E nada de replicar, espelho meu.

Anónimo disse...

Grupo Espírito Santo, Coporgest, Imopatrimónio, não sei se me estão a compreender...

Anónimo disse...

Contra-ordenações! Ninharias face ao valor perdido.
O que vai acontecer realmente a quem arquitetou este esquema de conseguir demolir tudo? Qual a participação da CML neste processo, activa ou por inação? Onde estão as autoridades judiciárias que deveriam estar a investigar? porque não obrigar à reposição integral do perdido?
Quanto ao facto de estarem mal construídos e de serem frágeis, o sr. que escreveu isso deveria levar esses argumentos ignorantes para outro lado que aqui não há quem caia neles.

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

mas o gaveto não era para manter. Inetriores?

Que saga. Com CML destas, segue-se sempre em frente como um rolo compressor.