...

...

19/02/2016

Baixa de Lisboa está "na iminência de ficar sem comércio"


In Diário de Notícias/LUSA (18.2.2016)

« [...] Ainda assim, Fernando Medina defendeu a "preservação daquilo que são elementos autênticos e característicos da cidade", sem o confundir com um "processo de imobilismo".

O autarca falava à margem da reabertura oficial da pastelaria Mexicana, na Praça de Londres.[...]»

...

O quê, o PCML prestou-se a uma "inauguração" da Mexicana? De onde terá partido tão brilhante conselho?

5 comentários:

Mário disse...

Esta notícia só pode ser de 1996. É que em 2016 a Baixa nunca teve tanto comércio novo. Está é a ficar sem comércio arcaico onde já ninguém entra. Finalmente! E por cada loja que fecha, abre outra de boa qualidade. Basta passear pelas ruas para ver a nova chapelaria D'Aquino, a loja de produtos de cortiça Pelcor, a Mercearia dos Açores, a Loja das Conservas, o bar Bebedouro, o Trobadores, o café Fábrica Lisboa, o Sabores da Madeira, entre tantos outros. Já para não falar das novas esplanadas dos novos hotéis, que dão vida às ruas e que têm melhor aspecto e qualidade do que as típicas caça-turistas estilo anos 90. Não, a Baixa está é na iminência de entrar no século XXI!

tato disse...

Realmente quando vi o título deste post fiquei um bocado perplexo.

Pedro Vaz disse...

Bem dito!!!!!!!!

Anónimo disse...

Amigo Mário explique melhor se fizer o favor.
Do que estamos a falar?
Como caracteriza o comércio novo e o comércio arcaico?
Vai refletir na resposta?
Comércio novo em lojas em que arrasaram a arquitectura de determinada época?
A arquitectura e tudo o que marcou um período temporal.
Azulejos, estuques, pinturas,etc.etc.
Comércio arcaico?
Comércio que vendia comeres e se cuspia no chão? Comércio onde a higiene era pouca e as casas de banho um esterco?
Ou Comércio antigo que primava pela limpeza mas que o desenvolvimento e o eldourado dos centros comerciais asfixiou e a ganância ou a sobrevivência dos proprietários levou ao trespasse e à falência?
O espaço é pouco para contar a mudança de tempo em Lisboa, mas perante a indiferença, a incapacidade e ignorância de quem governa Lisboa chegámos ao presente de rafeirisse e onde os passeios e os espaços livre são ocupados por um infinito de mau gosto e um caos de ocupação.
Nem Baixa nem Alta.
Lisboa é uma substância avulso, com planos pontuais para um lucro que tem de ser rápido.
A estagnação, a desordem, a completa ausência de pensamento do que deve ser uma Cidade com pessoas.
Planos avulsos sem diálogos entre si, projectos insustentáveis, com um completo esquecimento do subsolo. Ribeiras tapadas, poluição crescente, variedade de ruído, Estuário esquecido.
Lisboa arrasando edifícios que marcaram História, parques verdes reduzidos a jardins.
Eliminar os eléctricos seria a entrada plena no Século XXI.
Chamem alguém, já que que não pode ser o Marquês ou o Duarte Pacheco que também não fizeram tudo sustentável.
Amigo Mário observe Lisboa se fizer o favor.




Anónimo disse...

Caro Mário obrigado pelo seu comentário altamente pragmático, correcto, não dogmático, não frustrado, claro, verdadeiro e transparente. O contrário, defendido pelos românticos poetas da esquerda caviar que por eles então teríamos a antiga baixa com meia dúzia de lojas a cair de podre, na falência, cujos edifícios metiam em perigo de vida tanto dos lojistas como dos poucos clientes, alimentados apenas por velhos grande egos e rendas ABSURDAS financiadas pelos senhorios que já não aguentam mais caridades e são obrigados a vender os seus património também esses com muita história