...

...

12/02/2016

Nada a opor, excepto as mansardas no persistente malfadado zinco pós-moderno.


In Diário de Notícias (12.2.2016)
Por Inês Banha

«Casa do ascensor da Bica vai ter apartamentos turísticos

Edifício de cinco pisos foi arrendado a um privado, que investiu mais de um milhão de euros na sua reabilitação. Iniciativa tem gerado expectativa junto dos comerciantes [...]»

...


Foto antes das obras

Estava a estranhar não haver mais nada, há: ampliação do edifício e, qq dia, a coisa pega ao do lado, para o inevitável alinhamento de cérceas. É edifício classificado? É bairro classificado? É? Parece que não.

No resto, os futuros hóspedes que tapem os ouvidos com algodão bem denso.

5 comentários:

Vítor disse...

Algodão da marca " Oropax", produto alemão.

Anónimo disse...

É importante notar que já lá existia uma "malfadada" cobertura de metal... foi apenar alterada para melhor, e isso deve ser valorizado! Digo isto apesar de não concordar com esta mania das mansardas de zinco... penso que nada têm a ver com a tradição arquitectónica portuguesa.

Anónimo disse...

Para este blog pouco importa que haja gente disposta a gastar um milhão de euros a recuperar um edifício que em tudo vai ficar melhor do que a decadência a que estava votado. Queixam-se de uma cobertura nova e equilibrada quando a que estava lá era pavorosa e terceiro mundista.

Anónimo disse...

Não me lembro de alguma vez ter visto tanto investimento privado em reabilitação como hoje. Edifícios em ruínas há décadas encontram finalmente propósito. Zonas desertas de gente e interesse repovoadas e reaproveitadas. Estabelecimentos comerciais decadentes de novo a funcionar com sítios onde se quer de novo entrar. Mas para os arautos deste blog passará tudo ao lado, O que iimporta é tirar fotos a canteiros e a sacos do lixo. De facto, a velha máxima do copo meio vazio ou meio cheio continua a ser útil.

Anónimo disse...

Mas está toda a gente louca?
Zinco pós-moderno?
A cobertura existente já era de zinco!!!
O zinco já é usado nas coberturas de Lisboa há uma centena de anos! Muito estará pintado ou mais envelhecido, mas é o mesmo material. Não digam disparates!