05/02/2014

Palácios de Lisboa - 2 - palácio dos Condes da Ribeira Grande, à Junqueira

Aspecto do corpo central da fachada do palácio. Anos de degradação sem fim à vista. Por aqui se preencheram páginas da história de Portugal. A localização corresponde ao progressivo alargamento da cidade a oeste acompanhando, de certa forma, os movimentos da corte. É incontestável que da rua de São Paulo até à rua de Pedrouços, a riqueza patrimonial é invulgar e deveria ser objecto de um, ou mais,  percursos temáticos. 

Entre escomnbros, vidros partidos, madeiras esventradas e a inevitável presença de tags, o aspecto do Palácio é este. Para este local, esteve previsto um hotel que integraria o palácio, ocupando a parte nova  com os jardin. Desde 2009,  pelo menos, que a coisa está na gaveta dos corredores da impunidade.

Aspecto geral da fachada do palácio que pouco foi afectado pelo terramoto do século XVIII. Decidadamente, Lisboa convive mal com a sua herança pré-terramoto. O que a natureza poupou, não resistirá à degradação que a passagen do tempo permite. Como é que desde 2009 até 2014 nada se sabe quanto à sorte deste palácio?

Placa comemorativa do nascimento de D. João da Câmara entre duas magníficas janelas de fachada. Foi aqui colocada pela CML

O que resta de uma das portas no que resta de um palácio de Lisboa

Em Lisboa, todas as paredes servem para deixarmos a nossa marca. Um ímpeto criador que nos comove 
Facahda da capela de Nossa Senhora do Carmo
Ao que parece houve um despacho de abertura de processo de classificaçãoem Junho de 1991 que não terá dado em nada. Este palácio é um dos maiores edifícios barrocos em Lisboa. Mesmo com a adaptação dos seus interiores aos usos subsequentes a que foi votado (escolas), este palácio deve ser aberto ao público, recuperado, adaptado a hotel, um centro cultural. Qualquer coisa será melhor do que assisir-se ao seu silencioso e irrevogável declínio.


5 comentários:

Paulo Ferrero disse...

Mais outro faz-de-conta http://cidadanialx.blogspot.pt/2011/12/entao-como-estamos-de-palacio-cds.html

IBB disse...

Sim, seria belíssimo um percurso pelos palácios da Junqueira que ajudasse a preservá-los. Estou a lembrar-me, entre outros, do Palácio Pessanha, Palácio dos Condes da Ponte (antigo Porto de LX), Palácio da Ega, Palácio da Ribeira Grande, Palácio e Quinta das Àguias, etc. Para a importância da Junqueira, ver mais aqui: http://aps-ruasdelisboacomhistria.blogspot.pt/search?q=Junqueira

Anónimo disse...

Esse palácio (mesmo que com um grande investimento) parece-me ter condições óptimas para a sua conversão em hotel.

Se aparecem hotéis em Lisboa por todo o lado, em muitos locais sem condições...

Ninguém terá feito diligências e esforços para que isso pudesse ter acontecido?

Filipe Melo Sousa disse...

Os senhores do blog querem investir?

Primeiro Último disse...

Há possibilidade de visitar o palacio ?!

sabem me dizer quem sao os donos ou responsaveis ?


cumpz