30/08/2007

Limpeza geral da cidade arranca hoje

In Sol Online / Lusa (30/8/2007)

«A Câmara de Lisboa inicia hoje uma acção de limpeza geral da cidade, que envolve lavagem de passeios e remoção de cartazes ilegais, concretizando uma das dez medidas prioritárias assumidas pelo presidente, António Costa (PS) quando foi eleito

A acção arranca às 22h45 na Avenida da Liberdade, junto ao posto de limpeza dos Restauradores, divulgou a autarquia da capital.

A pintura de quase 200 passadeiras junto a escolas, o encerramento do Terreiro do Paço ao trânsito, aos domingos, com um programa de animação cultural programado para um ano, foram medidas definidas como prioritárias por António Costa que já começaram a ser concretizadas.

O autarca, que reuniu com os directores municipais no dia seguinte a tomar posse, iniciará em Setembro reuniões com os 55 presidentes de junta, 33 dos quais do PSD, outras medidas anunciadas.

Já concretizada está uma alteração orçamental de 63, milhões de euros que vai permitir desbloquear as obras paradas por falta de pagamento e que constitua outra prioridade do autarca.

Em Setembro deverá avançar uma acção de combate ao estacionamento em segunda fila e em cima do passeio, bem como a apresentação de uma proposta de saneamento financeiro e o pagamento de 8,8 milhões de euros em dívida.»

3 comentários:

vm disse...

Bem precisa é a limpeza geral na cidade. Mas esperemos que a limpeza se mantenha e, sobretudo, que o civismo dos cidadãos também arebite. Que deixem de atirar lixo para o chão, de cuspir, de borrar paredes, de não maltratarem os espaços verdes, de terem o cuidado de apanharem os dejectos dos seus animais de estimação, de denunciarem junto das entidades e organizações competentes todas as faltas. É preciso que as pessoas entendam que quem "manda" na cidade são os cidadãos. Se nos pusermos de lado e não participarmos nada feito.

Não haverá limpeza que valha a pena.

Paulo Ferrero disse...

O problema nestas acções publicitadas é que não costumam passar disso mesmo, meras operações de propaganda, ou, na melhor das intenções, acções de sensibilização; e isso não chega, porque no dia a seguir lá estão colados novos cartazes, etc., etc. A acção da CML tem que ser contínua, aliás, para isso é que a CML existe, caso contrário andariam os cidadãos como vigilantes, de agulheta em punho... vamos a ver se a acção diária da CML melhora. Oxalá.

Carlos Leite de Sousa disse...

O cómico em muitos cartazes é serem patrocionados pela própria Câmara ou pelo Ministério da Cultura. Basta olhar para cartazes promocionais de eventos culturais.