16/10/2014

Miradouro do Alto de Santa Catarina ou do Adamastor







Não há relva, não há bancos limpos, não há paredes sem graffitis, não há dias sem oferta e comércio de droga, não há tardes sem mares de garrafas vazias por todo o lado, não há silêncio, não há qualidade de vida no espaço urbano. Tudo é muito cool, a começar pela lata com que o dinheiro público é espatifado desta forma.

8 comentários:

Anónimo disse...


Então mas a requalificação não tinha como objectivo dar uma nova imagem (mais limpa) a esta zona, assim como afastar uma certa má frequência que frequentava o miradouro?

Mais uma "missão cumprida" do Costa e companhia!


Anónimo disse...

Se era para ficar assim mais valia terem ficado quietos. Manutenção é zero nesta cidade.

AquiMoraGente disse...

A Câmara de Lisboa gastou mais de um milhão de euros “travar a degradação” do Alto de Santa Catarina com um plano de requalificação que previa a reorganização do trânsito e a criação de uma praça na zona.


Para a autarquia, o Alto de Santa Catarina “constitui-se como um dos espaços públicos mais emblemáticos do Bairro Alto e Bica, não só pelas suas características, mas também pelo facto de a sua localização permitir uma fruição panorâmica única no contexto de um tecido urbano densamente edificado, que funciona como zona de descompressão e local privilegiado para usufruto daqueles que habitam e visitam o bairro”.

Os resultados estão bem à vista, se não existirem regrs de fruicçâo do espaço público, nomeadamente, a restrição do consumo de álcool, nã há obras de requalificação que resistam.

Anónimo disse...

Mais um local de Lisboa onde há muito deixei de passar, por mera questão de higiene.

Jose disse...

A 100 metros da minha casa, e nao entro neste jardim faz anos... Uma tristeza.

Anónimo disse...

Caro José:

Jardim?

Que jardim??

Alexandre Silva disse...

Tal qual como era antes da obra, mas com um design urbano muito pior e inóspito! Não teria sido mais barato restaurar o que estava, mantendo a cerca do jardim, e fazer rondas policiais com frequência todos os dias?

Alexandre Silva disse...

Além do design triste, tipo cemitério, e caro, está cheio de erros ergonómicos: montes de arestas e vértices para os putos racharem a cabeça, umas ranhuras para escorrer as águas que de imediato se encheram de lixo. Uma valeta de recolha no extremo sem rede onde muita gente mete o pé sem querem, levando uma entorse talvez. etc, etc… E aquele mar de granito em frente à farmácia? Muito inspirador!