...

...

03/01/2016

E enquanto a digna 4a Comissão do Ambiente da AML estuda, enquanto o programa uma Praça em cada Bairro marca passo, no Largo de Santos é o vale tudo.

Num espaço mais do que degradado, conspurcado e aviltado, eternamente à espera dos planos salvíficos das mentes brilhantes dos dignos autarcas que nos governam e deliberam, a Junta da Estrela licencia tudo o que pode e não deve.
Entrada do malogrado jardim de Santos onde foi licenciada a instalação de uma carrinha de venda de pão com chouriço. Nada contra tão genuíno pitéu, tudo contra a arrogância, miopia estética e urbana da Junta da Estrela. Tudo contra o oportunismo, a facilidade com que se autoriza o que é mais um pólo na galopante indiferença a que este jardim está votado.

Há competências que facilmente descambam em incompetências.

Do outro lado, foram dados aos bares espaços que duplicam na prática a área de esplanada. Grades que reservam espaço da via pública aos bares do largo de Santos. São lugares que eram da EMEL. Tentámos por várias vezes saber quem licenciou, em que termos, onde pararia o edital a autorizar, que compensações exigiu a EMEL para este "negócio". Nenhuma resposta foi dada pela Junta da Estrela que omite as informações mas exige que se preencham bilhetinhos com o assunto a tratar. Nada nos diz sobre o inultrapassável interesse público para dar aos bares espaço que é . . .público. Mas para nos fornecer as informações, temos que cumprir os procedimentos administrativos. Sem papelinho com o assunto a tratar, não há resposta. Comovente o zelo da Junta.

e mais uns tantos copos nas noites de fim-de-semana que nas alturas de férias são todas as noites, embora o pseudo-regulamento não o autorize em pleno.

E mais uns. Quanto ganha a Junta da Estrela nesta bela operação? Que contrapartidas ofereceu para além da destruição do jardim e da violação do direito ao descanso dos moradores, coisas que há muito já foram a moeda de troca entre a Junta e os bares da zona.

Pago? Sim, em muitos lados....

...aparentemente não aqui. Ou será que os bares inventaram um estratagema para ter uma espécie de avença com a EMEL? ou talvez seja a Junta a pagar os lugares com as taxas  que eventualmente cobrará? Seria interessante saber e mais seria que se explicassem. Mas isso, nesta zona é pedir demais



Como seria de esperar o pedestal da estátua de Ramalho Ortigão foi grafitado. Já sabemos que os grupos não gostam de património em geral e de estátuas, chafarizes, portas, carros, árvores, em particular. Mas que isto aconteça num dos grandes largos de Lisboa, ultrapassa qualquer réstia de lógica e é prova do mais completo desnorte a que a cidade chegou. Há jardins que são como autênticos vencidos da vida.

Refugiam-se os srs. autarcas na falta de dinheiro, refugia-se a PSP na falta de meios, refugia-se a AML na transferência de competências, refugia-se o vereador das estruturas verdes no facto do jardim não ser "estruturante", refugia-se o presidente Medina na delegação de competências nos seus vereadores, refugia-se o vereador da segurança na falta de forças do cumprimento da lei para reforçar a segurança. Enquanto todos procuram uma desculpa para o despautério com que administram a cidade, Lisboa vai perdendo espaço e dignidade, todos os dias.




9 comentários:

Anónimo disse...

A prosa da cidadania ao domicílio do Velloso é sempre pungente. Posts sobre santos é como o moço que gritava pelo lobo, às tantas ninguém lhe liga porque são todos os dias.

Anónimo disse...

E mesmo assim nada se faz... interessante!
O anónimo das 9:13 constata o óbvio mas peca por não perceber o problema de fundo. Não o incomoda, pois não? está certo! Bom ano.

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

E o senhor anónimo quer dizer o seu nome para que eu tb possa dissertar sobre os locais onde exerce a sua profunda e original cidadania? É que sob a capa do anonimato todos os disparates e afins podem ser ditos como se fossem sentenças escritas na pedra.

Que sejam todos os dias os posts de Santos, que seja a criança a lutar pelo lobo, muito bem. Que o sr. anónimo não arregace as mangas para lutar pela cidade e critique quem o faz em todas as instâncias é que me parece de um comodismo digno da imagem actual do jardim de Santos.

E sobre o jardim, haverá sempre posts a partir do momento que achar que a situação o merece. Não os quer ler, passe à frente, ou vá dizer mal de outro blogue ao pé de si.

É que a prosa/comentário à la page do anónimo já farta e é poucochinho. Tiradas dessas, guarde-as para si, poupa-se tempo e não se temo incómodo de ver que há quem comente só para comentar e ter assim um reduzido espaço de atenção. A sua é uma conversa fiada e or mim, encerro o assunto.

Se, no entanto quiser ter a amabilidade de se identificar, saberia quem o anónimo era e não cairia no erro de lhe tornar a responder.

Vítor disse...

Umas queixas à Provedoria de Justiça, já que a CML nada faz.

Anónimo disse...

"Lisboa vai perdendo espaço e dignidade, todos os dias" - porque o programa "uma praça em cada bairro" e projectos como o do Terreiro do Paço e do Campo das Cebolas são propaganda para inglês ver. Tenha vergonha.

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

as queixas já não resolvem nada como se pode ver pela resposta do Provedor a uma apresentada pelo FCLx em relação a demolições de interiores no prédio de Adães Bermudes na Almirante Reis

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

reagindo ao anónimo das 1:03

Ter vergonha de quê? O programa para esta zona não tem calendarização conhecida, da 4ª Comissão nada sabiam sobre os prazos, no Observador mencionam o Largo de Santos como uma das mais martirizadas praças da cidade.

Lisboa perde dignidade todos os dias, sim. Palácios que são Monumentos Nacionais e que estão a um passo da ruína absoluta, conventos que são vendidos para que neles se instalem condomínios de luxo sem o devido acautelamento na preservação dos valores patrimoniais, fazem com que Lisboa perca dignidade todos os dias. Só não vê quem anda embevecido com a sua própria ignorância

Além disso, a vergonha deve ter o sr. comentador uma vez que retirou do contexto a frase. O post vai muito mais longe do que a menção ao programa referido, mas o sr. anónimo gosta de defender, por omissão, o indefensável.

As imagens são recentes e não perdoam más-interpretações.

José Serrão disse...

Caro Miguel de Sepúlveda Velloso antes de mais, parabéns por mais este artigo. Queria apenas, se me permitir, complementá-lo. Esta situação que relata, piora muito à noite. Não é apenas uma, são três carrinhas de pão com chouriço, cachorros e tudo o mais que se lhes lembre. Aproveitei hoje, e decidi tirar fotos para ilustrar mais uma reclamação junto da freguesia da Estrela. Não será a primeira, certamente não será a última.

Cumprimentos

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

Caro João Serrão,


Muito obrigado pelo seu comentário encorajador.

Temos que continuar a pressionar a junta da Estrela para que não faça destes dois largos emblemáticos da cidade o que lhe dá na areal gana (passo a expressão).

Cumprimentos