...

...

21/01/2016

Onde está a Torre da Péla?


In O Corvo (21.1.2016) Texto: Isabel Braga
Fotografia: Paula Ferreira

«Na encosta poente do Martim Moniz, à Rua do Arco da Graça, fica a única das sete dezenas de torres da muralha fernandina que ainda permanece de pé. Mas ninguém dá por ela, perdida no meio da urbanização da EPUL recentemente ali construída. O Corvo recorda a história desta peculiar construção.

A Torre da Péla, parte integrante da chamada Cerca Nova ou Cerca Fernandina e a única torre que resta das mais de setenta que faziam parte desse sistema defensivo da cidade de Lisboa construído no último quartel do século XIV, passa quase despercebida na encosta ocidental do Largo do Martim Moniz.

É que, quase encostada à torre, está a parede de um prédio de uma urbanização da EPUL, 130 apartamentos divididos por cinco blocos, cuja construção, autorizada no tempo em que João Soares era presidente da Câmara Municipal de Lisboa, se arrastou desde 2003, num processo controverso e acidentado, que incluíu a falência do empreiteiro e várias alterações ao projecto.

Aparentemente, não foi respeitada qualquer zona de protecção em volta da Torre da Péla – que, no caso dos monumentos nacionais, é de 50 metros. Neste caso, haveria ainda que respeitar uma zona especial de protecção de 180 metros, contada a partir da primeira, em que construção tem que ser vistoriada e o projecto aprovado pela Direcção-Geral do Património Cultural.

O problema será, também, burocrático, uma vez que a Torre da Péla não está classificada como Monumento Nacional. Pelo menos, não aparece inscrita na lista dos monumentos nacionais de Lisboa, apesar de ser o vestígio mais avultado da muralha mandada construir pelo rei Dom Fernando depois de a antiga cerca moura ou cerca velha se ter revelado inútil para proteger os novos bairros que, em meados do século XIV, tinham já surgido na capital, fora desse perímetro. [...]»

...

Como assim, a Cerca Fernandina não é, ela toda, MN?

5 comentários:

Anónimo disse...


E MAIS:

Existem ainda de pé e visíveis, mas ao abandono, mais cerca de 20 (VINTE) TORRES da Muralha Ferndina, e logo ali perto mais 4, incluindo o maior Torreão de Lisboa, junto ao Colegio de Sto Antão - Hospita S. José, o Torreão de Sant'Ana

Solicita-se ao CORVO que corriga esta informação

Anónimo disse...

Isso não vale nada. Está fora de contexto e já não representa nada na cidade actual. Só teria sentido com a existência da muralha. Não passa de uma mera curiosidade.

Anónimo disse...

O anónimo das 3:41 é mesmo ignorante, não é?

Anónimo disse...


Além das VINTE tores, exis de p´uns 2 quilómetros de MURALHA, para informação do anónimo das 3h de ontem ...

Anónimo disse...

Ignorante é dizer pouco!