31/05/2007

Grandes promotores da capital clientes de Salgado

In Diário de Notícias (31/5/2007)
JOÃO PEDRO HENRIQUES

«O arquitecto Manuel Salgado, número dois da lista de António Costa (PS) à câmara de Lisboa, tem entre os seus clientes alguns dos principais promotores imobiliários da cidade: Stanley Ho, Luís Filipe Vieira, grupo Espírito Santo, BPI, BPN e a empresa da promoção imobiliária da autarquia, a EPUL.

A lista foi ontem divulgada pelo próprio Manuel Salgado, que garantiu que, se o PS ganhar as eleições, se irá "desvincular" do seu atelier ("Risco"), alienando a "totalidade das participações, directas e indirectas" que nele detém.

O número dois da lista de António Costa garantiu também, na mesma declaração, que acordou com aqueles a quem transmitiu as participações que o atelier "não aceitará novas encomendas de promotores privados de projectos que estejam sujeitos a licenciamento ou autorização da câmara".

Entre os projectos de Salgado cuja apreciação passará pelo próximo mandato camarário está o plano de pormenor do quarteirão nas traseiras da gare do Oriente. O promotor é a Turifenus, empresa que pertence à Sociedade Lusa de Negócios, a holding proprietária do Banco Português de Negócios (BPN). O projecto prevê a construção daquela que será a maior torre de Lisboa, com mais de 110 metros de altura.

Outros clientes do arquitecto são Stanley Ho (Alta de Lisboa), Luís Filipe Vieira (plano de pormenor da Matinha) e o Grupo Espírito Santo (Olivais Norte). Também projectou a reconversão do convento do Beato.

Se o PS ganhar, Manuel Salgado será o titular do pelouro do urbanismo. Os próprios Paços do Concelho estarão rodeados de obras suas: o projecto de remodelação do edifício do BPI na praça do Município é seu e está em apreciação na câmara. Concorreu também à remodelação do Banco de Portugal, ao lado da câmara


Ou seja, é como se a Carris fosse administrada pelo dono da Mercedes ou da Volvo, e que de repente ele deixasse de o ser, delegando nos seus pares ... presumindo que depois de passar pela Carris, voltaria a elas, claro.

8 comentários:

hugo daniel de oliveira disse...

Tenho um grande respeito e admiração por este arquitecto.

Sempre se dirá que a Câmara estará melhor entregue à ´"fúria" dinamizadora de um conceituado arquitecto ao invés de um pato bravo ou de zés ninguém, como tem acontecido.

Mas convirá que será dificil pedir a um "pai" que aborte projectos por si idealizados, mesmo que, oficialmente e formalmente, não tenha ligações com eles...

A ver vamos.

Gostaria mais de o ver com um Sá Fernandes ou uma Roseta, do que com um Costa, mas enfim

Carlos Medina Ribeiro disse...

Não são os CTT que dizem «Não basta selo...»?

Anónimo disse...

vitdagostava que o Hugo explicasse as razões do "respeito" e "admuração", se é que as sabe

Anónimo disse...

gostava que o Hugo explicasse as razões do "respeito" e "admiração", se é que as sabe

Anónimo disse...

Visita ao site do Atelier Risco de Manuel Salgado

Manuel Salgado nasceu em Lisboa em 1944. Formou-se em Arquitectura pela Escola Superior de Bela Artes de Lisboa, no ano de 1968.
Desde 1984, é administrador do Risco, onde chefia equipas interdisciplinares na concepção de projectos de arquitectura e urbanismo de escalas muito variadas, alguns deles marcantes na história urbana recente do país - Centro Cultural de Belém, Expo'98 e Antas 2004.

É Professor Catedrático Convidado das cadeiras de Desenho Urbano e Projecto Final do curso de Arquitectura do Instituto Superior Técnico, em Lisboa. Recebeu diversos prémios por projectos de arquitectura e de espaço público:

Cultura
...Estamos acostumados aos processos de decisão complexos e instáveis, com múltiplos intervenientes, técnicos e políticos, em que é importante manter o discernimento e em que a força do desenho e do projecto procura traduzir os anseios, aspirações e interesses de vários actores.
A concepção é estratégica e tem que fundar um caminho, uma infra-estrutura mental.

Eis a nova realidade caso a lista de Antonio Costa ganhar as eleições.
As suas relações estravazam o seu atelier, desde Nuno Portas, Bruno Soares, e tantas outras que contribuiram para a destruição de Lisboa!!!
Estão recordados do advogado José Miguel Judice que queria que os melhores escritorios de advogados estivessem ao serviço do estado, nomeadamente o dele...

Vergonhoso, assustadora ambição!!!

Caro Hugo depois da "casa roubada trancas à porta", mas depois do mal estar feito já não há remedio!

Gonçalo Cornelio da Silva disse...

Estao recordados do livro "o nome da rosa"? A historia passa-se na Idade Média, sobre o monge que tem a chave da biblioteca e portanto do "conhecimento"! Ora se olharmos bem para os dois edificios Centro Cultural de Belem e o Mosteiro dos Jerónimos qual deles se parece mais com o livro? Será o Mosteiro com as suas frageis janelas até ao chão ou o bunker da cultura com gradeamentos em volta!!??
infelizmente Umberto Eco tem razão não existe livro nenhum que resuma melhor o seculo XX!
Sem mais comentários!

hugo daniel de oliveira disse...

Esclarecimento:

Respeito e admiração pela obra realizada. Sigo o seu trabalho em tudo o que é publicação de arquitectura, bem como outros arquitectos de renome.

Quanto à personalidade, desconheço nem faço comentários.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.