29/05/2007

Lisboa é o concelho com mais população residente

In Diário de Notícias (29/5/2007)

«Apesar da perda de população nos últimos anos, o concelho de Lisboa continuava a ser o concelho mais populoso do País, no ano de 2005. Segundo um estudo da Marktest, Lisboa contava com 519 795 habitantes, tendo uma densidade de 6134 habitantes por quilómetro quadrado. (...)»

2 comentários:

hugo daniel de oliveira disse...

Pois...

Mas dentro de poucos anos, Sintra terá mais população que Lisboa.

Será engraçado ver uma um aglomerado urbano maior que Lisboa, em extensão e população, sem transportes públicos integrados, dependente de uma única avenida (IC19), de uma única linha de transporte ferroviário (CP) e sem pulmões verdes, parques urbanos e sem atractividade empresarial....

O pior é que o exemplo está a repetir-se em Odivelas/loures (em grande crescimento e sem transportes) e na Margem SUl.

Arriscamo-nos a ter a área metropolitana mais ingovernável da União Europeia.

Não estamos no sex XIX e o velho sistema dos concelhos e freguesias não funciona para uma concentração de cerca de 3 milhões de pessoas.

Carlos Leite de Sousa disse...

Recentemente um estudo publicado anualmente pela consultora Mercer elegeu Zurique e Genebra, ambas na Suiça, como as cidades com melhor qualidade de vida em todo o mundo. Zurique tem 360000 habitantes e Genebra tem 185000. A cidade de Lisboa terá entre 550000 e 600000 habitantes. É muito ? É pouco ? Sinceramente julgo que para a área da cidade é um número equilibrado. Mais habitantes seria positivo essencialmente para o comércio, mas para quem já habita na cidade poderia significar a perda de algum sossego à noite, ao final da tarde, ou ao fim de semana. A cidade tem uma vida muito própria consoante a altura do dia e da semana. Durante a semana normal de trabalho e de dia, tem a vida própria de uma capital europeia. Ao final do dia, acalma e uma ida ao Chiado pelas 19 horas pode ser algo bastante relaxante e prasenteiro. Ao Sábado de manhá volta a vida aos Bairros, com as compras, o café, a conversa. E depois...o resto do fim de semana, é a cidade calma, com estacionamento em qualquer local, onde se aprecia o que ela tem de bonito. Cidades antigas como Lisboa, nunca poderão comportar milhões de pessoas. Não estão construidas para esse resultado. Recordo que basta ver fotografias dos anos 50 para se perceber que o tipo de ruas que eram projectadas suportavam perfeitamente o fluxo de tráfego da altura e o que era previsto para os anos seguintes. O problema é que nos últimos 20 anos o crescimento exponencial do parque automóvel criou um problemas a cidades como a nossa, onde a maioria dos prédios não possue garagem, obrigando ao surgimento do estacionamento desregrado. É acima de tudo um sintoma do aumento da qualidade de vida e do rendimento disponivel das populações. E surjem curiosidades neste contexto. Por exemplo na zona da Mouraria, com ruas centenárias, e pouco espaço para estacionar, é mais fácil estacionar que por exemplo no Bairro Lopes (Alto de São João), um Bairro projectado na primeira metade do século XX. Isto deve-se ao facto de existir um número de carros por prédio muito superior ao que existe na Mouraria, uma zona caracterizada por indices de pobreza elevados, e baixos níveis de qualidade de vida.