Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

12/03/2014

Incêndio em prédio em Lisboa em fase de rescaldo

Trânsito cortado por tempo indeterminado na rua Rodrigo da Fonseca, entre a Braancamp e a Artilharia Um.
Público e Lusa, 12 Março 2014
O incêndio que deflagrou, na madrugada desta quarta-feira, no edifício em obras da rua Rodrigo da Fonseca, em LIsboa, foi dado como controlado às 3h30 tendo entrado, em seguida, em fase de rescaldo, disse à agência Lusa fonte da Protecção Civil. Esta manhã o trânsito está cortado por tempo indeterminado naquela artéria, entre a Braamcamp e a Artilharia.
De acordo com fonte da divisão de trânsito da PSP de Lisboa, naquela rua encontra-se uma grua que operava no prédio de habitação e que foi afectada pelo fogo. “Não se sabe quais os danos na grua, pelo que continuamos no local para controlar o que pode acontecer”, explicou.
O trânsito na rua Braamcamp, entre as ruas Castilho e a Alexandre Herculano, foi reaberto pelas 6h00.
Cerca das 4h30, o director municipal de Protecção Civil e comandante do regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, tenente-coronel Pedro Patrício, fez um balanço do incêndio numa altura em que este já estava em rescaldo há cerca de uma hora.
Pedro Patrício disse que o prédio, de habitação, que se encontrava em obras de reabilitação era composto por um estrutura de madeira que estava a ser trabalhada e que o incêndio terá deflagrado do lado direito do terceiro piso numa "zona técnica" onde existiam quadros eléctricos. Contudo, o responsável não avança, para já, com as causas do acidente.
O mesmo disse que a primeira preocupação dos bombeiros foi garantir a segurança dos edifícios contíguos e dos seus moradores, o que levou à evacuação de um edifício e de um hotel situado em frente ao prédio em chamas, apesar de, pelas 4h10, os moradores terem sido autorizados a regressar.
Já o hotel sofreu apenas alguns danos nas vidraças devido à acumulação de calor que terá provocado também a explosão de uma cabine eléctrica da grua que dava apoio à obra.
No local estiveram 80 bombeiros, elementos da protecção civil municipal e da PSP, apoiados por um total de 60 viaturas.
O trânsito no local e nas imediações do edifício continua cortado ou condicionado para a desmobilização de meios, com Pedro Patrício a acrescentar que alguns bombeiros irão permanecer na zona para vigiar o local.
Os proprietários do imóvel estiveram a acompanhar o evoluir do combate ao fogo.

Na manhã desta quarta-feira, os serviços municipais de protecção civil vão inspeccionar os edifícios vizinhos e o prédio sinistrado para apurar que trabalhos serão precisos e da necessidade ou não de demolição do prédio ardido.

2 comentários:

Anónimo disse...

Lá vai mais um.... Será sempre azar? É o que dá esta política das bananas de reabilitação de fachada.

Anónimo disse...

Obviamente que não é só azar!
Se fosse reabilitado integralmente é que era estranho!
Até aposto que nem a fachada fica. Era menos mau...
O pior? O pior ainda está para vir!
Com a qualidade dos arquitolos que anda por aí, o mais provável é esta rua, que está a 5 minutos da AVL, ganhar uma versão mais actualizada das dezenas de caixotes pela qual ela já é composta!

Lisboa é linda!