...

...

20/03/2015

Lisboa e os seu inenarráveis vazios urbanos


Em Lisboa estes espaços vazios servem para tudo. E servem-no durante décadas como se não houvesse uma CML, um PDM, regulamentos municipais que enquadram o ambiente urbano. Décadas de vazios para os quais já houve projectos e deixou de haver, já houve ideias e deixou de haver, já houve incómodo em ter este cenário por todo o lado, mas já deixou de haver. Parque de estacionamento da EDP no Aterro da Boavista e terreno de venda de automóveis semelhante aos que pontuam a antiga Estrada Nacional nº1. Um cenário de desprezo pela cidade ao qual já nos habituámos.

Por aqui passam dezenas de pessoas todos os dias. Por que razão não se exige uma explicação? 

Num caos de antigas instalações industriais devolutas, de prédios ardidos e abandonados, de hangares entaipados, mantem-se este cercado em pleno centro histórico de Lisboa. Vazio urbano, menos cidade


Do outro lado da rua, mais do mesmo a que se acrescenta a espantosa má-qualidade destes dois prédios que dão para o largo Vitorino Damásio. Tapumes retorcidos, "tagados", calçada destruída, esté cenário não é de hoje. Até agora nenhuma vereação foi capaz de modificar este estado de coisas. Será que a inauguração da futura sede da EDP, irá trazer um vento de mudança? Assim se espera.



Parques de estacionamento improvisados. Em Lisboa o planeamento urbano, em grande medida, não é mais do que um improviso. 





Algum turista que vá naquele eléctrico votará em Lisboa para "Best Short Break"? Esta cratera infecta faz a ligação entre os dois largos de Santos. Está assim há décadas. o promotor que queria constuir aqui uma torre de 12 andares com piscinas no telhado e muitos acabamentos de luxo, abriu falência. A coisa não se fez para bem dos prédios da Marquês de Abrantes que ficariam sem qualquer vista.

O problema não está em quem apresenta os mais estapafúrdios projectos, mas em que os aprova em detrimento da cidade.

Os vazios urbanos em Lisboa são muitos e variados. existem em todas as zonas da cidade, Como lisboetas estamos habituados a ver a cidade assim. Mas é possível fazer mais e melhor. Mas para isso é preciso vontade., o que tem rareado lá para os lados da Praça do Município.

4 comentários:

Anónimo disse...

Infelizmente, aqueles eléctricos para turistas (e com designações em inglês apenas, como "Hills Tramcar Tour" ou "Castle Tramcar Tour") andam normalmente vazios... Isto enquanto ao cidadão de Lisboa resta amanhar-se quando precisa de se deslocar em carreiras sistematicamente a abarrotar de turistas (mais as suas mochilas), como o 28E (e não só...).

Anónimo disse...

A CML demora décadas até aprovar qualquer coisa, e a maioria dos investidores desiste, para não ter de esperar em média 10 anos para ver um simples projecto avançar. E esse projecto para santos não era nenhuma torre nem tinha 12 andares. Chama-se santos city design e podem procurar imagens na net.

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

Reagindo ao anónimo das 9.03,

Concordo com o seu comentário relativamente ao tempo até se ver aprovado o que quer que seja. Contudo, maior celeridade não pode significar que tudo possa ser feito.

Conheço as imagens. ter-me-ei enganado no número de andares. de qualquer forma era um projecto absolutamente desadequado para a área em questão.

Anónimo disse...

Santos city design? E isso ficava na Amérca ou em terras de Sua Majestade?