...

...

18/05/2016

Hotéis de Salgado & Cia. - O Bairro Barata Salgueiro para sempre desfigurado

Num dos bairro pensados para ser a continuação da grande avenida de Lisboa, não há prédio sobre prédio. As intervenções de destruição de interiores não contemplam a salvaguarda de nenhum pormenor de época. A este declarado e ignorante fachadismo a CML e todos os seus amigos, incluindo, promotores, arquitectos, Turismo de Lisboa e políticos, dão o nome de reabilitação. Afinal, no parecer do ICOMOS e de quem sabe, a esta opção constante pela descaracterização da cidade, dá-se o nome de renovação urbana.

Mais um hotel de Salgado & Cia. Este prédio era perfeitamente viável. Era um dos grandes prédios de rendimento desta zona. Nada sobrou, nem mesmo a entrada. É hoje uma imbecilidade trivial que tanto podia ser aqui como em Xangai. 

A falta de criatividade na destruição é também uma imagem de marca dos novos arquitectos do "regime". Aumento de cérceas, abatimento das mansardas, cápsulas de prédios extraordinários que ficaram para sempre perdidos. E estamos numa zona de protecção.

Mais aumentos de cérceas, todo o interior ficou desfeito. A este, faz-se publicidade no aeroporto de Lisboa, em chinês num pato-bravismo de arrepiar. 

E não é só mais um andar, são dois. Abaixo do disparate, vê-se o que resta das galerias de ferro. Lá dentro eram jardins de inverno com chão de mosaicos, vidros, madeiras raras. Nada sobrou neste renovado fachadismo. 


Vários dos prédios e moradias da zona tinham interiores desta categoria. Galeria neo-mourisca da Cinemateca. Na zona da Avenida da República há uma casa semelhante. Foi vendida e será deitada abaixo.

Logo a seguir numa rua abaixo, a mesma desolação. Espaços devolutos deixados por demolições constantes do património da cidade que, alheia, assiste à sua própria e triste destruição.

E que tal a CML elaborar uma carta do património Entre-Séculos, proceder a uma verdadeira reabilitação e deixar de ser conivente com semanas da dita e entregas de "óscares" de reabilitações que na sua maioria são projectos que destruíram interiores, deitaram ao charco as pré-existências, invadiram e invadem zonas históricas consolidadas num esquema perverso de venda da banha-da-cobra que só agrada aos que olham e tratam a cidade com a visão egoísta e pouco esclarecida do curto-prazo?

Lisboa é hoje, em larga medida, uma cidade onde reina a miopia patrimonial e onde se engana o indígena. O que hoje acontece em Lisboa, não é fruto de uma reabilitação urbana, mas é a resposta a interesses vários cujo fruto é a promoção de um fachadismo retrógrado e imparável. 


5 comentários:

Anónimo disse...

Queriam que o Salgado fizesse o quê? Que não aprovasse os projectos e os edifícios ficassem em ruína até caírem?

Anónimo disse...

O Presidente Abecassis fez pior ?

Votem na nova coligação.

M.S.P.S.Lisboa mais à frente.

Foi assim em Oeiras e noutros Concelhos.

Anónimo disse...

O que está em curso é uma operação de destruição de Lisboa por um conluio de intereses sinistros que controlam o mecanismo crucial do "licenciamento camarário" perante a indiferença e apatia geral de gente inculta: sigam as filiações e afinidades meta-políticas das principais personagens envolvidas e não será nada difícil perceber a natureza dos ditos interesses.
Esta infâmia deveria ser apelidada como a "violação de Lisboa", embora na extensão da destruição, na gravidade das perdas provocadas e na impunidade com que prossegue exceda claramente os danos irreparáveis que a Máfia causou a Palermo na década de 60.

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

Ao anónimo das 9.47,


O que está em curso, diz e bem, é a destruição da identidade de Lisboa. E isso é irreparável, sim.

Anónimo disse...

Aquilo que se está a passar nesta zona é uma aberração