...

...

08/06/2016

Foi-se VHILS e foi-se o pequeno chalet, Que importa isso se vêm aí os paquetes com os milionários para comprarem as camisolas do CR7?


Fotos: Adérito Martins

...

In Observador (7.6.2016)
Por João Pedro Pincha

«Obras de Vhils destruídas para dar lugar ao novo terminal de cruzeiros de Lisboa

Construção do novo terminal de cruzeiros de Lisboa levou à destruição de vários edifícios junto ao rio. Um deles tinha três peças consideradas um expoente de arte urbana na capital. [...]»

9 comentários:

Anónimo disse...

Essa casota ficava completamente fora de contexto no plano. Não aparece em nenhum dos 3D nem nas plantas do projecto para o terminal de cruzeiros. Não sei onde está a novidade.

Anónimo disse...

Lisboa começa agora com a "ilusão" do turismo de "massas", como tudo o que é novidade. Barcelona tenta ultrapassar aquilo que parecia a Galinha dos ovos de Ouro.

João Pinto Soares

Anónimo disse...

Mas a obras de Vhils não é, como diz a notícia, uma obra efémera?! Agora ficava ali um barracão para sempre só porque tinha uma obra de Vhils?

Vasco disse...

Qual o problema dos turistas dos cruzeiros comprarem camisolas do CR7? O país está na bancarrota, a maioria dos municípios estão falidos. Se não forem os estrangeiros não entra dinheiro de lado nenhum.

Anónimo disse...

Para variar, há esta ideia de turistas de "primeira" e turistas de "terceira" e claro, o discurso sobre estes últimos é o pior possível, com os estereótipos do costume. As obras em si eram formidáveis, o edifício era mais um obstáculo paisagístico.

Maria disse...

O chamado "turista de cruzeiro", nao vem deixar em Portugal nada, a nao ser o lixo que se faz no "cruzeiro".
Estes ditos turistas, nao veem consumir, pois os alimentos e as be
bidas sao efectuados no barco, para nao falar das dormidas...
O quê que veem entao deixar ao País? A compra de um postal ou de um autocolante para o frigorifico?
Este "tipo" de turismo só tem estragado o verdadeiro turismo em vários paises europeus.


Anónimo disse...

É que Lisboa antes da vaga de turismo era uma cidade limpa, com prédios reabilitados, cheia de habitantes e vigoroso investimento.

Filipe Melo Sousa disse...

Onde está a tal arte urbana? Só vejo grafitis e um barracão degradado..

Anónimo disse...

Á primeira vista pode parecer muito grave, mas não é. A arte urbana é uma arte efêmore, dái o seu interesse. A magnífica obra do VHILS serviu para decorar durante algum tempo um barracão velho que seria, evidentemente, destruído. Foi uma opção naturalíssima.