Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

13/09/2014

Cerveja não faltará. Largo de Santos


Largo de Santos numa manhã antes da noitada. O hábito é este. Nas fotografias aparecem quatro camionetas de cerveja. Havia mais duas no outro lado do jardim. Tudo para que nos bares não faltem os milhares de litros de cervejas que são consumidos em cada noite neste canto classificado de Lisboa. No largo Vitorino Damásio, o cenário era idêntico. Será que a palavra excesso, ainda tem algum significado para a CML que, num espaço já sobrecarregado de bares, abriu num período de dois meses, mais três bares?

10 comentários:

Anónimo disse...

Também não exageremos: uma é de Coca-Cola, de cerveja só são três.

Vai-se a ver, e as hordas de inúteis que ali passaram essa noite sofreram muita sedinha.

Anónimo disse...

Portanto sob o vosso prisma empolado, preto e branco e de pueril simplismo, foi a CML que abriu mais 3 bares. "Ah não, o que queremos dizer é que deixou abrir mais 3 bares", ou seja, sob o vosso prisma antes não se abrisse nada ou então é persistir nas lojas abandonadas e devolutas que até há algum tempo preenchiam este espaço e faziam com que este jardim fosse um poiso de assaltantes e chungaria. "Ah não, mas os jovens é que são uns selvagens", portanto corram-se à paulada, não é? O que os velhos do costume querem, sei eu.

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

reagindo ao anónimo das 3.46

Admiro o seu desconhecimento da leguislacao, da sa convivência, do respeito pelo património e pelos moradores destas zonas fustigadas por uma noite sem regras.

Acha se calhar bem e legítimo que os carros bombem música na via pública às 3,4,5 da manha, impedindo o repouso dos moradores, acha bem que a porta da sua casa seja urinol público, que os seus filhos vejam das janelas do seu quarto gente a drogar-se, a defecar, a urinar e afins, acha bem que os grupos sujem e destruam jardins, carros, montras, estacoes de comboio, caixas de gás e de electricidade?

Acha bem que os bares falhem num cumprimento da legislacao em toda a linha? é que se acha tudo isso bem, o seu grau de civismo é igual a zero. ninguém aqui vê preto no branco. jovens existem que condenam a prática actual da noite de Lisboa, há comunidades virtuais, facebook, cheias de jovens que criticam a forma como Lisboa vive à noite, Lisboa Capital do Lixo é uma dessas páginas.

é que sabe, mesmo obstinando-se na sua ignorância e na sua modernidade de meia-tijela, nem todos os jovens aplaudem as bebedeiras desenfreadas, a droga por todo o lado, as saídas sem rei nem roque, as raves em qq lugar. Para ser-se cidadao a idade nao conta. Obviamente, que o seu caso nao se enquadra aqui.

Lamento, mas a sua tese, é oriunda de uma visao maniqueísta da realidade, criticar a forma actual da noite em Lisboa, para si, é ser-se contra a noite. Ora tem medo de regras? de ordenamento? desenvolvimento sustentável, diz-lhe alguma coisa? respeito pelas leis da república ¨Portugeusa é-lhe importante? A imaturidade e a leviandade têm cura; informe-se e respeite a cidade e quem nela vive.

Anónimo disse...

Que um jovem da noite (que se desloque para santos de propósito para beber e conviver) urine na rua, acredito piamente que sim. Que um jovem da noite (que leve automóvel para essa zona porque transportes não há para o subúrbio de onde vem) defeque na rua, tenho a certeza que não. Que um jovem da noite (que gaste 10€ pelo menos em bebida e outros, sustentando assim o negócio dos bares) deite lixo no chão e faça barulho às 4 da manhã, acredito piamente que sim. Que um jovem da noite (que NÃO seja um marginal assumido com o intuito de vir do seu bairro periférico para destruir a cidade a que não pertence) destrua estações de comboio, acredito pouco. Percebe as nuances? Percebe as diferenças?

Passar o rótulo de "selvagens" por cima de toda a gente que frequenta a noite é a maneira mais confortável e rápida de arrumar com o problema. Por causa de alguns energúmenos, pagam os outros por tabela. Pode achar que todo e qualquer frequentador da noite é um animal, mas para mim essa generalização militante, essa sim é verdadeiramente selvagem. Queixe-se primeiro da falta de locais onde depositar o lixo e satisfazer as necessidades fisiológicas. Queixe-se da incapacidade da câmara para mobilizar um serviço de limpeza que atue com prontidão. Perceba que quem risca e destrói estações de comboio são marginais, os mesmos que assaltam quando podem os jovens que tanto abomina e que só se querem divertir.

Será que algum dia perceberá? Depois de aqui ter testemunhado a forma como para vocês se deviam comemorar os santos populares, acredito piamente que não.

Anónimo disse...

Gastar cera com ruins defuntos que defendem as massas sem um pingo de civilidade que praticam todo tipo de abusos impróprios de um país civilizado é coisa que não vale a pena.

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

Nao sei a que se refere quando diz "a forma como para vocês se deviam comemorar os Santos Populares, acredito piamente que nao." Sim há da parte da EGEAC uma submissao total às grandes marcas de cerveja. Isso é um facto.

Mas os meus posts sobre a noite selvagem de Lisboa, nao fazem referência às festas de Lisboa e aos santos que também gosto de comemorar.

Em relacao, aos seus queridos jovens, sim é verdade que defecam onde podem (nao serao todos, felizmente), sim é verdade que urinam por todo o lado. Nao é preciso sequer que estejam bebidos, estacionam o carro e mesmo antes de se encaminharem para os bares, urinam ao pé do carro ou nas portas das casas. fazem-no sempre.

Nao há falta de locais para depositar o lixo, Muitos bares têm vários caixotes à disposicao. Só que no auge da animacao, dá muito mais jeito deitar a garrafa, o balde, o copo para o chao, para o canteiro, para cima dos carros do que dar dois passos e cumprir um dever cívico.

Os grupos destroem as estacoes,sim. ficam à espera do comboio e nada mais fácil do que grafitá-la de alto abaixo. Buzinam para comunicar uns com os outros, trazem os carros, abrem, as portas e lancam-se em dancas ululantes com as aparelhagens no seu máximo volume. Às 3,4,5 da manha.

Fiquemos entendidos: ninguém está aqui a perseguir os jovens coitadinhos que se querem divertir. Critica-se sim a desresponsbilizacao de todos aqueles, e sao muitos, que acham que à noite tudo vale e que o direito ao repouso, é uma mania de uns estrangeirados que pensam que a qualidade de vida de um cidade nao se pauta tanto por uma noite desbragada e onde tudo cabe e vale, mas por uma noite na qual, eu para me divertir nao devo subtrair ao meu próximo o seu direito repouso e a ter uma porta da rua sem grafittis e sem urina. será pedir muito? Em Lisboa sim.

Adianto que vivo no centro histórico, numa zona frequentada por hordas de jovens que fazem e se comportam, exactamente como eu escrevi. A única coisa boa na actual forma de viver a noite em Lisboa, é que nao há margem para dúvidas. A violacao da Lei do ruído, o desrespeito pelo património e pelo próximo sao uma constante, tudo o resto faz parte de uma controversia estéril e de uma má vontade em ver o óbvio tao cândida como perigosa.

Ana Saraiva disse...

Fiquei uns dias junto ao largo Vitorino Damásio, no ano passado e... não dormi antes das 5 am. A música está FORA do bar, como os clientes depois do fecho, e com decibéis altíssimos. Como é que esses bares continuam abertos?! Como é que foram sequer licenciados? A indústria da noite é assim tão poderosa ou o suborno é assim tão fácil? Ou o plano é mesmo "barcelonizar" a cidade em troco de uns trocos e em completo descaso pelos cidadãos?

Um ainda-não lisboeta...

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

Obrigado Ana Saraiva pelo seu testemunho.

Vítor disse...

Miguel Velloso: Veja, por favor, o seguinte link: http://www.provedor-jus.pt/archive/doc/Inquerito_prevencao_e_controlo_m_do_ruido.pdf

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

Caro Vítor,

Obrigado pelo link. O que nele consta servirá para futuras accoes dos moradores.