Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

29/09/2014

O eterno problema/desafio do Martim Moniz:


«Failed Architecture
A warning to Lisbon: the fight for meaning in Martim Moniz

Author: Rita Aguiar Rodrigues

Summary: Going through a sharp rise in tourism, the historic centre of Lisbon is being subject to several, much needed, requalification operations. The opportunity for a real, integrative and responsible regeneration is on the table. But is it being overlooked?»

7 comentários:

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

Só internacionalizando os gravíssimos problemas de Lisboa, as famigeradas reabilitações, as intervenções ditas cool e próximas das comunidades e que mais não são do que uma opreação de charme para quem pode usufruir dessas bensses, a impunidade na noite, o desrespeito pelo património histórico, a turistificação da cidade, a insalubridade de todo o centro histórico, as bolsas de comércio de droga em plenos bairros populares, só assim, repito, é que a CML poderá vir a acordar do seu beatífico sonho que, para tantos lisboetas, não é mais do que um pesadelo.

Parabéns à autora do artigo.

Anónimo disse...

Sr. Velloso, tem toda a razão. Lisboa não é mais do que uma fachada para turista ver. Quem mora na cidade depara-se com os problemas e dificuldades mais insólitas, que nem sequer em várias cidades consideradas de 3.º mundo existem.
Em pleno centro da cidade o tráfico de droga faz-se. Já não tanto a céu aberto (embora ainda continue a existir em várias zonas da cidade), mas agora, mais refinada e discretamente, em certas casas ou prédios.
As pessoas amedrontam-se e nada dizem. Deixam que tudo aconteça sem dizer uma palavra, mesmo que anónima, às autoridades.
Os problemas vão aumentando cada vez mais. Há várias ruas da cidade de Lisboa usadas para venda de droga, e algumas para corridas ilegais, roubos, etc.
A CML nada tem feito para contradizer esta situação.
Os chamados bairros BIP/ZIP, promessa de Costa e de Helena Roseta, praticamente não passaram do papel. Mas mesmo que o tivessem sido, pouco ou nada adiantariam, pois apenas "deitavam dinheiro" para cima de um problema mais profundo. O de que a maior parte das pessoas que traficam droga não quer mudar de vida. Preferem o dinheiro fácil mesmo que tal implique vender a morte a uns quantos "patêgos" que caem que nem tordos (desculpem a franqueza, mas é isso mesmo o que se vê).
De promessas os lisboetas estão cheios. Foram já dezenas e dezenas em vários executivos, e poucas foram cumpridas.
Os problemas estruturais da cidade persistem. A grande Lisboa falada nos folhetos de viagens por toda a Europa, e recomendada em todo o mundo, está muito longe de o ser.
Deixemos de ser uma montra de vaidades para assumir os problemas que a cidade tem e resolvê-los de uma vez por todas.

Anónimo disse...

Pois, porque a internacionalização da solução para a cidade deserta, suja e destruída de há 30 anos para vocês já não resulta.

A frase "para quem pode usufruir dessas benesses" é muito reveladora da vossa postura de redoma do "contra tudo e contra todos".

Anónimo disse...

Finalmente alguém que dá eco aos problemas daquela "coisa" que é a Praça do Martim Moniz!

https://www.flickr.com/photos/koomscam/14188389588/in/faves-portimagem/lightbox/

Anónimo disse...

estava melhor antes quando ningem la punha os pes?

Anónimo disse...

estava melhor antes quando ningem la punha os pes?

Não punha os pés?
Mas aquilo até já chegou a ser um parque de estacionamento..

Anónimo disse...

É anónimo das 4:40 e quem lá põe os pés hoje sabe-me dizer?
Pois uns tantos que se dedicam à venda de contrafacções, outros de droga, outros ainda a roubar carteiras a algum transeunte e mais uns tantos bêbados com o seu pacote de vinho ao lado.
Claro que também existe gente boa nessa zona, mas o grosso é o que falei antes.
E não me venha com racismos e outras conversas parecidas, pois eu morei muitos anos perto dessa zona e sei ainda hoje o que por lá se passa.
Muito lindo o jardim de pedra e as barraquinhas multiculturais, mas mais que isso, zero.
Passe por lá à tardinha e à noite e veja no que aquilo se torna...