Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

29/09/2014

Pérolas a Porcos: Calçada Ribeiro Santos


10 comentários:

Anónimo disse...

não percebi

Anónimo disse...

Não percebeu, anónimo? Então é assim: os "lisboetas" e os "portugueses" são os porcos. Este blog é a salvação. Basicamente é isso.

Anónimo disse...

Eu percebi!
Um belíssimo prédio de século XIX todo sujo e apetrechado com o mais variado tipo de porcaria!

Anónimo disse...

"Este blog é a salvação. Basicamente é isso."

Não diria que é a salvação, até porque, e infelizmente, este tipo de casos já se arrastam à muito tempo e não há meio de serem minimizados.
Aliás, este deve ser um dos poucos blogs que ganha o seu mediatismo a tentar sensibilizar os Lisboetas para toda uma série de casos que retratam na perfeição todo o bílis de uma capital que se diz Europeia!

Infelizmente o bílis é tanto que nem com trezentos blogs como este os porcos se sensibilizam!

Agora vá lá ligar o estupidificador e rever o último episódio da casa dos segredos..
Agora com a gravação automática do MEO até pode assistir a todos os episódios da ultima semana.
É um consolo para a alma..

Até porque:
"O que eu quero é ser feliz. Feliz e idiota, como o Xico205"


RPM
Suiça

Anónimo disse...

Enquanto a linha editorial deste blog for insultar quem cá mora e trabalha, a vossa credibilidade é a mesma de sempre. Continuem a enviar cartas, como o rapaz que grita pelo lobo. Não é preciso ver a casa dos segredos para corresponder ao vosso ideal de estupidez, basta apenas ter o desplante de perceber que nem todos são idiotas.

jac disse...

Um aplauso para o anónimo das 12:36.

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

Reagindo ao anónimo aplaudido e a JAC dos aplausos,

Pérola é o nome de um bar que trucidou a facahada de um prédio em pleno centro hitórico. Já tivemso este debate várias vezes, enquanto em Lisboa predominar, o licenciamento zero em matéria de protecção do aptrimónio, teremos muitos mais casos destes a lamentar. Sublinhar isso mesmo, não é insultar nada nem ninguém. Salvação? Não é este blogue de certeza.

Adianto que ninguém aqui é adepto de uma cidade que esteja parada no tempo, entre isso e o desrespeito com que se trata o património, vai uma enorem distância.

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

Reagindo ao anónimo aplaudido e a JAC dos aplausos,

Pérola é o nome de um bar que trucidou a facahada de um prédio em pleno centro hitórico. Já tivemso este debate várias vezes, enquanto em Lisboa predominar, o licenciamento zero em matéria de protecção do aptrimónio, teremos muitos mais casos destes a lamentar. Sublinhar isso mesmo, não é insultar nada nem ninguém. Salvação? Não é este blogue de certeza.

Adianto que ninguém aqui é adepto de uma cidade que esteja parada no tempo, entre isso e o desrespeito com que se trata o património, vai uma enorem distância.

Anónimo disse...

gostava muito de ir ao Pérola de Santos, aliás o único bar de Santos em que entrava. Já lá não vou há uns anos...
É bom lembrar que o Pérola existe há muitos anos, ainda num tempo em que a preocupação com o património tinha pouco apoio popular ou impacto mediático. provavelmente chegou a hora de limpar as fachadas destes objectos intrusos, neste e em todos os outros edifícios da zona histórica. No entanto, há uma velha máxima: a comunicação/ promoção é um dos pilares do marketing, logo do consumo que dinamiza os negócios.

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

Este bar é um dos grandes responsáveis pela desordem máxima na zona de Santos. Com a abertura de uma sequela em pleno Largo Vitorino Damásio debaixo de apartamentos habitados, tornou-se um caos o que já era gravissímo.


Os bares tiram todo o benfíco , vantagens e lucros desta impunidade em que a noiote tem vindo a ser promovida, vendem bebidas a menores, vendem bebidas para a rua, passam música ensurdecedora de portas escancaradas, de manhã são cafés e à noite são bares numa promiscuidade de interesses e de lucors arrepiante, permitem autênticas lixeiras a céu aberto com milhraes de copos de plástico que jazem na via pública, tornando vãs as noções de ambiente e de sustentabiidade, promovem comportamentos dependentes na sede de um lucro fácil e desresponsabilizador.