AVISO

AVISO

29/11/2011

Hot Clube de Portugal vai reabrir a casa do jazz em Lisboa

In Público (29/11/2011)
Mauro Gonçalves

«O Hot Clube de Portugal prepara-se para reabrir portas a 21 de Dezembro. Dois anos após o incêndio que destruiu a cave onde funcionava o clube de jazz, este regressa, com morada na Praça da Alegria, em Lisboa, e com três dias de espectáculos.

A reabertura do Hot Clube Portugal (HCP) será assinalada com espectáculos de entrada gratuita que se estenderão até ao dia 23. Em cartaz estará a "prata da casa", segundo Inês Cunha, presidente do conselho director do HCP. O quarteto e o septeto do Hot Clube serão as atracções do primeiro dia. No dia 22, actuará a Big Band. Os três dias de festa serão encerrados por jam sessions com alunos da escola do clube.

O espaço, nos números 47 a 49 da Praça da Alegria, em Lisboa, foi cedido pela Câmara de Lisboa, após as antigas instalações terem sido destruídas por um incêndio em Dezembro de 2009. O edifício, onde outrora funcionava a casa do jazz, foi demolido no ano passado, restando apenas a sua fachada.

O HCP tem agora uma casa maior, com camarins, sistema de som renovado e um piano novo. "Desta vez, é um espaço feito para isto, enquanto o que tínhamos não era", afirma Inês Cunha. As novas instalações incluem ainda um jardim arborizado, para o qual já começam a ser pensados alguns espectáculos ao ar livre. Após o regresso, o clube sexagenário iniciará, a partir de Janeiro de 2012, uma programação regular, ainda em definição. Fundado em 1948, o Hot Clube é considerado o mais antigo clube de jazz da Europa, tendo acolhido grandes nomes do jazz, como Count Basie, Dexter Gordon e Trummy Young.»

...

Uma boa notícia! E que a reabilitação do prédio onde o Hot estava seja rápida para o Hot voltar para lá, claro.

11 comentários:

Luis Serpa disse...

Rápido não é português, Paulo. Pelo menos no que respeita a certas coisas.

Filipe Melo Sousa disse...

Na altura em que a CML tem uma dívida astronómica e que a dívida do estado impõe cortes de ordenados, ainda há quem ache que se pode gastar dinheiro e património público para subsidiar um clube de música que não fornece nenhum serviço de primeira necessidade.

Faço também notar que no passado, estabelecimentos deste género têm beneficiado de rendas praticamente gratuitas durante décadas. Aliás foi por isso que o edifício se degradou e ardeu. Nem com base nesta ocupação abusiva e parasitária da propriedade dos outros conseguiram juntar fundos para reabrir noutro sítio? Fechem-me essa porcaria e ganham vergonha na cara.

Luis Serpa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luis Serpa disse...

Se percebo bem o que diz, Filipe Melo Sousa, se o serviço fosse de primeira necessidade já haveria razões para a CML subsidiar. Ou seja: a CML devia subsidiar os restaurantes, bares e hotéis (assumindo que dormir seja um bem de primeira necessidade, claro, que a mim me parece ser) de Lisboa.

Hummmm.... não me parece. Talvez o critério da "primeira necessidade" não seja líquido, se me permite o termo.

Anónimo disse...

A Cultura deve ser preservada Sr. Felipe Melo Sousa!

Paulo Ferrero disse...

Era uma provocação, Luís;-)) Abr.

Filipe Melo Sousa disse...

A câmara não devia subsidiar coisa nenhuma. Nem sequer tem dinheiro para recolher o lixo e tapar buracos das estradas. Subsidiar estabelecimentos que funcionam normalmente no privado não faz sentido.

Se o clube for bom, sobrevive sozinho com o dinheiro das entradas, se for mau tem mais é que fechar.

Xico205 disse...

Luis Serpa disse:

a CML devia subsidiar os restaurantes, bares e hotéis (assumindo que dormir seja um bem de primeira necessidade, claro, que a mim me parece ser) de Lisboa.

...................

E subsidia, atravez de vários refeitórios sociais municipais e albergues para sem-abrigo e balneários publicos.

Se chegam ou não para os necessitados isso já é outra questão, até porque há custos na manutenção destes equipamentos e cada vez mais pessoas a recorrerem a estes serviços por falta de alternativa. Chama-se pobreza, coisa que você parece desconhecer que existe.

Luis Serpa disse...

E desconheço completamente, Xico205. Estou-lhe bastante grato por me dar a conhecer a pobreza, e mai-las milhares de coisas que, sem o seu preclaro e generoso conhecimento me continuariam obscuras.

Xico205 disse...

Então está na altura de sair da redoma onde vive e vir para a rua conhecer o mundo real que o rodeia.

Xico205 disse...

Então vê a melhor reportagem sobre o mundo dos sem-abrigo de Lisboa e as instituições que apoiam quem está na exclusão:

http://ww1.rtp.pt/blogs/programas/linhadafrente/?RUA-A-MINHA-CASA.rtp&post=12727

Esta reportagem mais recente da TVI sobre a emergência social que se vive no presente tambem é interessante:

http://www.tvi24.iol.pt/programa/3008/32