NÃO PERCA:

NÃO PERCA:

29/09/2009

Discuta-se os peões I

Grande parte de Lisboa é isto. Quando as ruas são estreitas, elas são sempre feitas a pensar no automóvel. Além de uma faixa com alguma largura (a velocidade praticada mostra que ela é larga) existe ainda uma faixa para estacionamento enquanto o passeio é pequeno e está em mau estado (ao contrário do alcatrão). Isto acontece mesmo quando há parques de estacionamento nas imediações. O peão é menosprezado mesmo apesar de necessitar de muito menos espaço para se deslocar à vontade.
Como acontece em todas estas ruas, os peões caminham no alcatrão, pondo a vida em perigo.
O que acham as candidaturas sobre a dicotomia espaço para estacionamento vs. espaço para passeio?
(posta ligeiramente alterada)

6 comentários:

Nuno Loureiro disse...

Não são só os carros os obstáculos contra os peões. Os pilaretes são um obstáculo contra os dois.

Vejam por exemplo os pilaretes na Tv. do Arco de Jesus, perpendicular à R. da Academia das Ciências:
http://www.flickr.com/photos/nunoloureiro/3408394026/

É impossível um peão transitar nestes passeios. Qual a utilidade destes pilaretes? Serve para os carros não estacionarem em cima do passeio sem dúvida, mas não serve para os peões poderem caminhar no passeio. São completamente inúteis. Qual a alternativa? Pilaretes mais baixos? Pilaretes na berma da estrada em vez de no passeio? Profissionais com cérebro e bom senso quando mandam executar ou executam estas obras?

Não consigo compreender como se manda executar uma obra destas e não se consegue compreender que é completamente inútil. Até a circulação automóvel é prejudicada. Instalaram uma data de pilaretes nesta zona e o que acontece é que os automóveis continuam estacionados nos mesmos sítios, não em cima do passeio mas na berma da estrada e os outros automobilistas que se lixem. Às vezes ficam 10minutos em manobras para conseguir passar num sitio.

A ridicularização do passeio também acontece em plena R. do Século há muitos anos. Aqui, o peão consegue transitar, mas com muita dificuldade. Se por acaso o peão transportar qualquer coisa (tipo um saco) então é impossível transitar. De qualquer das formas, o que na prática acontece é que o peão acaba por transitar pela estrada e esta é uma rua com bastante movimento:
http://www.flickr.com/photos/nunoloureiro/3407597979/in/set-72157604379674910/

Eu gostava de ver pilaretes por todo o lado, mas assim não, mais vale não fazerem nada.

Anónimo disse...

Há passeios de largura ridícula! E o que dizer do "passeio" central da avenida entre a Praça de Espanha e Sete Rios (Columbano Bordalo Pinheiro), onde pessoas estão perigosamente entre as faixas de ambos os sentidos?

Miguel Carvalho disse...

Nuno Loureiro,concordo a 100%.
E muitas vezes até há espaço suficiente para ter um passeio largo com pilaretes que não incomodam. Como no caso da fotografia.

Anónimo disse...

a juntar a estreiteza dos passeios ha tambem a questao dos caixotes do lixo nos passeios, que nos obrigam a ir para a estrada

Anónimo disse...

oh amigo carvalho: os passeios da rua de sol ao rato são assim desde pelo menos desde há 100 anos. e parques de estacionamento na zona? onde e quais? o problema é os passeios não serem tratados. a ultima vez que alguem tratou dos passeios da rua foi no tempo do sampaio.
nCaiado

Miguel Carvalho disse...

Caiado,

há 100 anos não estava lá para verificar, mas até há poucas décadas o espaço do peão não era exclusivamente o passeio, como é agora. Veja por exemplo o link, ali mesmo no Rato
http://menos1carro.blogs.sapo.pt/88597.html

Parques de estacionamento na zona, então não existem? Eu nunca vou para ali de carro, não os conheço bem, mas lembro-me logo de um na Alvares Cabral, no início da Escola Politécnica, outro na D. João V, etc.

De qualquer modo, o peão não pode ser prejudicado pelos problemas de terceiros. Tal como o merceeiro não tem que tolerar os roubos de quem não tem dinheiro.