...

...

09/02/2015

Cottinelli Telmo: um arquitecto de sonhos desinquietos


In O CORVO (9.2.2015)
Texto: Rui Lagartinho

«Uma exposição no Padrão dos Descobrimentos, em Belém, permite descobrir a obra do arquitecto que o imaginou. Um pretexto para os lisboetas regressarem a um monumento que visitam pouco. Está patente até 6 de Abril.

Cottinelli Telmo (1897-1948) é uma figura incontornável da cultura portuguesa da primeira metade do século XX. Um nome que nos é familiar. Sabemos alguma coisa da sua obra, de arquitecto, de cineasta, mas, quando abrimos o diafragma da lente e vimos o plano geral da sua obra, as surpresas são imensas.

É o que permite a exposição patente no Padrão dos Descobrimentos, “Os arquitectos são poetas também”. Uma frase que Cottinelli adoptou como lema, ele que acreditava na arquitectura como o estuário onde desaguariam todas as disciplinas artísticas: da pintura, à música, da literatura ao cinema, da fotografia à dança. Ele próprio passou a vida a dar exemplos dessa prática artística comprometida e interligada. [...]»

Sem comentários: