...

...

05/12/2014

Documentário sobre o Capitólio pronto desde 2010, mas ainda ninguém o viu


In O Corvo (5.12.2014)
Por Samuel Alemão

«Tal como as obras de reabilitação do Teatro Capitólio, também o documentário sobre a história da mítica sala de espectáculos situada no Parque Mayer, encomendado pela Câmara Municipal de Lisboa ao cineasta Fernando Matos Silva, parece enguiçado. O filme foi adjudicado em regime de ajuste directo, em Julho de 2009, por um valor de 60.500 euros, e terá sido finalizado e entregue à autarquia, segundo o realizador, em 2010. Mas continua também ele à espera do desfecho do imbróglio em que se encontram os trabalhos de recuperação.

“Fiz um filme com uma abordagem histórica sobre aquele sala, que ficou muito bonito e tem imagens e histórias inéditas ou muito pouco conhecidas. E depois entreguei-o à Câmara. A ideia inicial era fazê-lo para que fosse visto aquando da reabertura da sala, mas aquilo está como se sabe”, diz Fernando Matos Silva ao Corvo, ao qual se disponibilizou para mostrar o filme, afastando assim qualquer suspeita da não realização do mesmo. “Posso propor à câmara fazer uma exibição, nem que seja só para os jornalistas, e resolve-se o problema. Mas eles é que decidem”, comenta.

“Percebo que será muito mais interessante ver o documentário no momento em que o Capitólio abrir já renovado, mas a situação é a que se conhece e o dono da obra que fiz é a Câmara de Lisboa”, afirma o realizador, que vê o destino da sua obra tornar-se refém da resolução do problema da suspensão dos trabalhos de recuperação do cine-teatro inaugurado em 1931, obedecendo a um projecto do arquitecto Luís Cristino da Silva, e encerrada desde o início da década de 1980. Os trabalhos estão suspensos desde o início do ano, devido às dificuldades financeiras do empreiteiro a quem haviam sido adjudicados, a Habitâmega.

As obras foram interrompidas, em Março deste ano, já numa fase bastante adiantada do projecto de recuperação da sala e já após terem sido retomadas em 2012, na sequência de uma suspensão inicial desde 2010. Os trabalhos haviam sido iniciados no ano anterior, dando seguimento à decisão pela autarquia, em 2007, de avançar com a sua concretização. O projecto arquitectónico da intervenção iniciada há já cinco anos é de Alberto de Sousa Oliveira, o qual repõe o traço original de Cristino da Silva, datado de 1925. Quando a obra foi lançada, previa-se a sua conclusão para o final de 2009. Mas o atrasos foram-se sucedendo. ...»

2 comentários:

Anónimo disse...

Mais alguém que meteu dinheiro ao bolso com este documentário. É o costume!

Anónimo disse...

Esse "alguém" está bem identificado no artigo, bem como o valor do trabalho e a garantia de que o mesmo está feito. Se para si "meter ao bolso" é trabalhar, então eu também "meto ao bolso", da empresa que me paga como colaborador. Postas de pescada à portuguesa, never gets old.