...

...

18/12/2014

Livraria do Diário de Notícias »» Leya no Rossio »» Feira dos Tecidos

Como se destrói um espaço em meia dúzia de anos (via http://vespaaabrandar.blogspot.pt/)

A livraria do Diário de Notícias estava localizada numa das zonas mais nobres de Lisboa, na esquina do Rossio com a rua do Ouro. Há uma meia dúzia de anos foi alugada por um grupo editorial, que lhe retirou o clássico letreiro com letras garrafas azuis e que mudou também a caixilharia das montras e das portas. Entretanto, o espaço voltou a mudar de mãos, agora para a Feira dos Tecidos. Uma desgraça. Ao olhar hoje para ela, com portas e montras de PVC branco e um letreiro banal, quem diria o que foi há bem poucos anos?

Nota: E está este espaço catalogado no Inventário Municipal de Património!








6 comentários:

Paulo Ferrero disse...

Esta é de facto uma vergonha. Como foi possível, primeiro, à Leya dar cabo do espaço da DN, mais a mais do letreiro de Cristino da Silva, e depois, como foi possível permitir-se o partir a parede entre a loja e a outra coisa de tecidos e, finalmente, como é possível ter aquele estaminé hiper-manhoso em pleno Rossio?!!!!

Anónimo disse...

Meu Deus do Céu! Que aspecto manhosos!

E entretanto, nas Avenidas Novas, mais um pronto para ser esventrado e desfigurado com dois buracos ao nível do piso térreo:

http://www.remax.pt/Edificio-Habitacional-Venda-Coracao-de-Jesus-Lisboa_120611266-23

Reabilitação?

LOL!

JOÃO BARRETA disse...

Ter política para a cidade implicaria ter política para o comércio (o tal urbanismo comercial).

Julio Amorim disse...

É realmente um espanto uma cidade onde existiu um sentido de estética tão afinado....

Anónimo disse...

a feira dos tecidos continuou o que o diário de notícias começou, isto é a profanação do edifício original. por isso a desgraça já vem de longe.

Anónimo disse...

Lisboa, capital dos labregos.