...

...

08/12/2014

Grenoble: “Publicidade. Não, obrigado”


É uma imagem que passará a fazer parte do passado de Grenoble. Entre janeiro e abril de 2015, a cidade francesa, nos Alpes, vai eliminar quase 400 espaços para publicidade nas ruas, uma promessa eleitoral do ecologista que conquistou a câmara, Éric Piolle.
A autarquia vai perder receitas, mas afirma que os painéis publicitários já só rendem 100 a 150 mil euros por ano, quando antes rendiam cerca de 600.000.
“O modelo económico da publicidade está em rotura. Os anunciantes e os publicitários querem passar para ecrãs digitais. Nós não queremos. Não queremos que os estudantes, que as crianças das nossas cidades tenham de passar na rua por ecrãs publicitários”, refere uma adjunta do presidente da Câmara.
A experiência já foi tentada noutras cidades, como São Paulo, onde, salvo raras exceções, foram banidos os ‘outdoors’.
A população de Grenoble parece estar satisfeita com a iniciativa camarária.
Segundo um habitante, “estamos invadidos por publicidade, mas quando passeamos noutros países, noutras cidades onde não há publicidade, temos uma sensação de alívio”.
No lugar dos espaços publicitários, a autarquia vai plantar pelo menos meia centena de árvores.
http://pt.euronews.com/2014/11/26/grenoble-publicidade-nao-obrigado/
in euronews 26 Nov 2014
Nota: haverá na CML a coragem política de pelo menos retirar os mupis e quiosques como este na imagem (que mais não é que um mupi 3D mal disfarçado de quiosque!) das zonas históricas e junto a monumentos classificados?

4 comentários:

Catarina G. disse...

já agora, tirar os mupis que retiram visibilidade a quem (viaturas e peões) circula em rotundas e atravessa passadeiras (idem). e retirar quiosques sem utilização há vários anos, a não ser serem estandarte da publicidade, que jornais "viste-los"...

Anónimo disse...

Porque são adicionadas novas postagens, e não são aprovados os comentários das anteriores?

Anónimo disse...

não vamos deitar foguetes antes da festa por favor...

por aqui também tivemos a promessa eleitoral de que haveria tolerância zero com os estacionamento selvagem e sabemos como foi e como é....

por favor fazer o ponto da situação em maio...

Filipe Melo Sousa disse...

São escolhas, são receitas que a CML deixa de ter. Convido o autor do post a pagar pela diferença.